15 de maio de 2017

Bolsonaro admitiu atos de indisciplina e deslealdade no Exército, diz jornal. Reportagem "é idiota e imbecil", diz deputado.

Jair Bolsonaro joga basquete com amigos da brigada paraquedista. (Foto: Arquivo pessoal) *** DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM ***
RUBENS VALENTE
DE BRASÍLIA
Documentos obtidos pela Folha no STM (Superior Tribunal Militar) mostram que o deputado e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) admitiu em 1987 ter cometido atos de indisciplina e deslealdade para com os seus superiores no Exército.
O então capitão foi acusado por cinco irregularidades e teve que a responder a um Conselho de Justificação, uma espécie de inquérito, formado por três coronéis.
Ele foi considerado culpado pelos coronéis, mas absolvido depois em recurso acolhido pelos ministros do STM, por 8 votos a 4.
O processo tinha dois objetos: um artigo que ele escreveu em 1986 para a revista "Veja" para pedir aumento salarial para a tropa, sem consulta aos seus superiores, e a afirmação, meses depois, pela mesma publicação, de que ele e outro oficial haviam elaborado um plano para explodir bombas-relógio em unidades militares do Rio.
Os documentos informam que, pela autoria do artigo, Bolsonaro foi preso por 15 dias ao "ter ferido a ética, gerando clima de inquietação na organização militar" e "por ter sido indiscreto na abordagem de assuntos de caráter oficial, comprometendo a disciplina".
Fac Simile
O Exército detectou um movimento para desestabilizar a cadeia de comando e determinou uma investigação, a mando do ministro e general Leonidas Pires Gonçalves (1921-2015), alvo de Bolsonaro.
Em interrogatório reservado de 1987, o então capitão assinou documento no qual reconhece ter cometido uma "transgressão disciplinar" ao escrever para "Veja". "E que, à época, não levou em consideração que seria uma deslealdade mas que, agora, acha que sim", disse ao depor.
O STM decidiu que pelo artigo ele já havia sido punido com a prisão. Depois, a revista publicou que ele e outro capitão haviam elaborado um plano chamado "Beco sem saída", que previa uma série de explosões. Como evidência, a revista divulgou esboços atribuídos a Bolsonaro.
Na reportagem, ele dizia que haveria "só a explosão de algumas espoletas" e explicava como fazer uma bomba-relógio. "Nosso Exército é uma vergonha nacional, e o ministro está se saindo como um segundo Pinochet", afirmava.
Havia outros movimentos militares pelo país, como um capitão que invadiu uma prefeitura para pedir reajuste. Acuado, o então presidente José Sarney deu um aumento escalonado de 95% nos salários das Forças Armadas.
Bolsonaro negou a autoria de qualquer plano de bombas e citou que dois exames grafotécnicos resultaram inconclusos. Perícia da Polícia Federal, porém, foi inequívoca ao concluir que as anotações eram dele.
Os coronéis decidiram, por unanimidade, pela condenação. "O Justificante [Bolsonaro] mentiu durante todo o processo, quando negou a autoria dos esboços publicados na revista 'Veja', como comprovam os laudos periciais."
Segundo documento assinado por três coronéis, Bolsonaro "revelou comportamento aético e incompatível com o pundonor militar e o decoro da classe, ao passar à imprensa informações sobre sua instituição".
Pela lei, decisões do conselho deviam ser enviadas ao STM. No tribunal, Bolsonaro negou em abril de 1988 o plano das bombas, mas reconheceu a autoria do artigo: "Admito também a transgressão disciplinar [...], pela qual, acertada e justamente, fui punido com quinze dias de prisão, única punição por mim sofrida até a presente data".

OUTRO LADO
A assessoria do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) afirmou na sexta (12) que a reportagem da Folha "é idiota e imbecil" e indagou "quem estava pagando" pelo trabalho.
A Folha pediu uma manifestação do parlamentar, mas não houve resposta até a conclusão desta edição. O assessor do parlamentar se recusou a anotar os telefones de contato do repórter.
Segundo a assessoria, a "pauta é uma merda".
Em resposta ao Superior Tribunal Militar em 1988, ele afirmou que escreveu o artigo para "Veja" para pedir reajuste salarial "em defesa de minha família e de minha classe, mesmo sabendo que estava ferindo o Regulamento Disciplinar do Exército".
"Onde encontrar indignidade no artigo publicado na revista?", indagou Bolsonaro em sua defesa.
Sobre a ideia de fazer explosões, Bolsonaro voltou a negá-la: "Nego veementemente tal plano. Como posso provar que não o conhecia? À 'Veja' cabe o ônus da prova. Baseado em que elementos chegou à absurda conclusão de que eu tinha ou sabia de um plano?"
A respeito dos exames grafotécnicos feitos pela Polícia Federal e pela Polícia do Exército que o incriminaram, ele afirmou que havia dois outros, inconclusos.
Segundo o então capitão, houve "gritante cerceamento do direito de defesa" no processo pelo qual o Conselho de Justificação o condenou, em janeiro de 1988.

CRONOLOGIA
3.set.1986
A revista "Veja" publica artigo do então capitão Jair Bolsonaro, "O salário está baixo", em que pede aumento: "Não consigo sonhar com as necessidades mínimas que uma pessoa do meu nível cultural e social poderia almejar"
Bolsonaro é preso por "transgressão grave". É acusado de "ter ferido a ética, gerando clima de inquietação no âmbito da organização militar" e também "por ter sido indiscreto na abordagem de assuntos de caráter oficial"

25.out.1987
A revista "Veja" divulga a reportagem "Pôr bombas nos quartéis, um plano na Esao", na qual afirma que Bolsonaro, lotado na Escola Superior de Aperfeiçoamento de Oficiais, e outro militar, Fábio Passos, elaboraram um plano que previa a explosão de bombas em unidades militares do Rio para pressionar seus superiores
Segundo a reportagem, Bolsonaro teria dito que haveria "só a explosão de algumas espoletas" e explicou como construir uma bomba-relógio à base de TNT

25.out.1987
Bolsonaro e Passos entregam ao comando da Esao textos de próprio punho nos quais negam ter feito o plano e falado com a "Veja"

1º.nov.1987
"Veja" publica uma segunda reportagem, "De próprio punho", na qual traz o fac-símile de um croqui que teria sido desenhado por Bolsonaro com pontos em que as bombas seriam distribuídas. Ele nega a autoria repetidas vezes

13.nov.1987
Sindicância da Esao conclui que há aspectos a serem melhor investigados e sugere remessa dos autos a um Conselho de Justificação

15.dez.1987
Acusação diz que Bolsonaro agiu "comprometendo a disciplina e ferindo a ética militar"

8.jan.1988
Laudo de exame grafotécnico da Polícia Federal afirma que partiram do punho de Bolsonaro as anotações no croqui entregue pela "Veja"

25.jan.1988
Em sessão secreta, o Conselho de Justificação decide por unanimidade considerar Bolsonaro culpado
"O Justificante [Bolsonaro] mentiu durante todo o processo, quando negou a autoria dos esboços publicados na revista 'Veja', como comprovam os laudos periciais do Instituto de Criminalística da Polícia Federal e do 1º Batalhão de Polícia do Exército"

16.jun.1988
Por 8 votos a 4, os ministros do Superior Tribunal Militar consideraram Bolsonaro "não culpado" das acusações, diz que duas perícias confirmaram a autoria e duas não a confirmaram, o que configura "na dúvida a favor do réu"
Sobre o texto na "Veja", o STM decidiu que "o justificante assumiu total responsabilidade por seu ato, foi punido com 15 dias de prisão"

22.dez.1988
Segundo extrato da ficha cadastro de Bolsonaro, fornecido pelo Exército à Folha, o militar "foi excluído do serviço ativo do Exército, a contar de 22 de dezembro de 1988, passando a integrar a Reserva Remunerada".

+ ERRAMOS
O conteúdo desta página foi alterado para refletir o abaixo
15/05/2017 13h14 Diferentemente do publicado na Cronologia que acompanhou versão original deste texto, o Exército havia informado à Folha o motivo da passagem de Bolsonaro para a reserva remunerada. Segundo a assessoria de comunicação social, há uma lei que obriga a medida a partir da diplomação de militar para cargo eletivo, o que ocorreu com Jair Bolsonaro no final de 1988, já que ele foi eleito vereador do Rio de Janeiro.
Folha de São Paulo/montedo.com

46 comentários:

Anônimo disse...

Exército recebe 320 mil armas guardadas em tribunais de justiça pelo país

http://g1.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/videos/v/exercito-recebe-320-mil-armas-guardadas-em-tribunais-de-justica-pelo-pais/5861533/

Anônimo disse...

Aquela época, qualquer coisa era motivo para ser punido! neste sentido o absurdo rondava os quarteis...aquilo que defendemos hoje como sendo o minimo, razões de defesa (saber porque está sendo punido; defende-se conforme o caso...), e os recursos então, eram uma brincadeira...
Bolsonaro 2018

Anônimo disse...

O amante de Gleisi Hoffman

http://vindodospampas.blogspot.com.br/2017/05/o-amante-de-gleisi-hoffman.html

Anônimo disse...

http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/marinha-apreende-barco-com-contrabando/379874

Anônimo disse...

https://www.campograndenews.com.br/cidades/interior/militar-morre-uma-semana-apos-acidente-em-avenida-sem-iluminacao

Anônimo disse...

Ué, tendo feito muito mais contra o Exército o Capitão Lamarca é considerado "gente boa" pela imprensa esquerdista. A assessoria do Bolsonaro bem que poderia criar um texto fazendo as comparações Lamarca (querido pela esquerda)X Bolsonaro (odiado pela esquerda hoje)apontando as incoerência da abordagem da impressa sobre ambos casos. Se o Lamarca indisciplinado, ladrão de fuzis e desertor é enaltecido, porque então criticam o Bolsonaro por ter sido indisciplinado ao se manifestar sobre baixos salários da tropa ? Muita incoerência dessa mídia amestrada, para dizer o mínimo.

Anônimo disse...

Ele que se prepare para a defesa permanente porque vão procurar e inventar tudo que puderem para tira-lo da posição.Coisas de vermelhos.
Muitos discordarão mas parece ser o único, que em tese, poderia melhorar a situação das Forças Armadas, pois com os socialistas nada mudará para melhor.
Interessante, que um certo ministro, certa vez ao saber que as mulheres dos militares mostravam a situação financeira difícil dos militares,e pediam melhorias, ele "sugeriu", que as mesmas fossem trabalhar para ajuda-los.Agora "tá chiando" com a ameaça da justiça, são coisas da vida.

Anônimo disse...

Pior se ele tivesse sido punido por ter roubado fuzis do Exército como fez Carlos Lamaraca ! Mas não, foi punido por pedir aumento dos salários da categoria, algo que se ele fizesse novamente hoje seria enquadrado de outra forma, como tem feito vários Generais e Coronéis em textos publicados na internet ou mesmo em blogs.

Os tempos eram outros quando Bolsonaro criticou os os valores dos salários dos militares, coisa que sempre é feita pelos atuais estrelados das Forças Armadas. Naquele tempo prendia-se militar por qualquer motivo fútil, diferentemente de hoje.

Este artigo do jornal Estadão requentando a notícia da revista VEJA é por conta do medo que a classe jornalística (majoritariamente esquerdista) tem de um cara de direita vir a ocupar a Presidência da República.

Marcelo Carvalho disse...

Quem pagou pela matéria ?

Anônimo disse...

meu voto continua sendo dele, caso seja candidato a presidência.

Anônimo disse...

Montedo, para de querer difamar o cara a todo custo que já tá feio...

Anônimo disse...

Bastou o depurado aparecer na ponta das pesquisas para presidente e o "exército" secreto, possivelmente petista, já começou com o trabalho sujo para denegrir a imagem dele. Digamos que tudo seja verdade, qual ficha "corrida" é a maior? A do Lula é uma grande "capivara", desmoralizado vergonhosamente. Não vão dar tréguas para derrubá-lo nas pesquisas. Quem estaria interessado nisso, além dos petistas? Outro candidato que está na fila e que não teria como ganhar do Lula é o Ciro gomes, que fala contra tudo e todos, dependendo de suas intenções.Nessa briga pela presidência de 2018, com a certeza da derrocada do Lula, vai ser uma guerra de baixarias de alguns pretendentes.

Anônimo disse...

E quem participou de bando armado? Quem usava codinomes na guerrilha? Quem jogou bombas em civis? Quem sequestrou diplomata? Quem roubou banco? quem participou de assassinatos? Quem queria implantar o comunismo/socialismo à força? Quem desde cedo mentiu aos trabalhadores? Quem pegava propinas desde há muito anos fingindo-se de defensor dos trabalhadores? Quem quase faliu o Brasil? Quem quase faliu a PETROBRAS? Quem continua se sustentando nas mentiras para tentar escapar da cadeia certa? Quem está culpando os mortos por toda a vergonha que o Brasil está passando? Quem está por trás dessa armação deve ter mais delitos que se imagina.

Anônimo disse...

Montedo já vimos que vc não gosta do Bolsonaro. Agora to começando a desconfiar que que vc tem rabo preso com a mídia esquerdista...

Anônimo disse...

Querem tirá-lo da disputa....fazem com todos!!! Até o Luciano Huck foi vítima da maledicência da D. Dilma essa semana.....Até se colocassem o Papa pra disputar a presidência, ia ter gente falando mal....

Por isso que o Brasil não evolui...

Anônimo disse...

Estes fatos são amplamente conhecidos, juntamente com a "Operação Beco-Sem-Saída", que o tornaram nacionalmente conhecido e no ano seguinte, com a Constituição de 1988, abriu as portas para o voto, com exceção dos recrutas, tendo se candidatado e sido eleito vereador. Militarmente sabe-se de sua conduta sofrível e contraditória, lembrando que no mesmo ano, no dia 22 de outubro de 1987, o então Capitão Luiz Fernando Walther de Almeida, do 30 BIMtz, invadiu a prefeitura de Apucarana com 50 militares armados, e entregou ao assessor do prefeito uma carta de protesto contra os salários baixos e deficiências no atendimento médico aos militares. O então presidente José Sarney anuncia, em rede nacional, reajuste de 25% para todos os militares do Exército, Marinha e Aeronáutica.
Quem reclama hoje, não imagina a situação em que se encontravam os militares na época. A alimentação era conhecida por FAM: feijão, arroz e macarrão, às vezes sem sal ...

Anônimo disse...

Camarada alienado de 15 de maio de 2017 17:51

Quem publicou foi a Folha de São Paulo. Vc não viu no final do texto o link ?

Se liga !!!!

Anônimo disse...

Bolsonaro é meu candidato.
Maj LEONARDO

Anônimo disse...

Eu não tinha duvida em votar nele,agora, tenho certeza.

Marinho disse...

Depois dizem que ele nunca fez nada pelos militares. Botou em risco a própria carreira

Anônimo disse...

Valeu Bolsonaro.

Paulo L. disse...

Querem denegrir ele porque é um presidenciável.................diga outro que seja honesto.

Anônimo disse...

ue , votem na dona Iolanda de novo ,dizem que participou da morte do soldado Mario koezel e tem gente que a defende . Meu voto e teu Bolsonaro

Anônimo disse...

Entrou na política para fugir da punição por terrorismo...

Anônimo disse...

Continua tendo meu apoio e voto.

Anônimo disse...

A vida é cheia de surpresas, a Dilma foi presa pelos militares das Forças Armadas, por participar em ações de "terrorismo", mas foi a "Chefa" suprema das Forças Armadas, tendo como subordinados todos os Generais reformados que a perseguiram.

O Deputado Bolsonaro sai das Forças por "
atos de indisciplina e deslealdade no Exército", mas poderá, em um futuro não muito distante, ser o Chefe Supremo das Forças Armadas, tendo todos os Generais ao seu Comando.

Está vida é uma maravilha.

Anônimo disse...

A esquerdalha treme na base kkk
BOLSONARO 2018!!!!!

Anônimo disse...

Acho que o Dep Bolsonaro é tumultuador, um fanfarrão.

Anônimo disse...

O artigo do Bolsonaro em 1986 no revista Veja causou um impacto muito grande nos meios militares e civis na época. Primeiro pelo fato de ser apenas um ano e meio do fim do regime militar para o governo civil com Sarney presidente. Sarney tinha lançado um pacote o plano cruzado que teve grandes benefícios para a população em geral, todo mundo se deu bem, menos um grupo, advinha quem? Sim, os militares foram os únicos a não terem os seus salários corrigidos e ficamos com os vencimentos defasados. O General Leônidas, ministro do Exército, era orgulhoso, pomposo, e fiador do governo Sarney, e viu surgir uma liderança que falava o que a tropa queria ouvir e sabia de suas necessidades. E para finalizar, uma década atrás tinha acontecido a Revolução dos Cravos em Portugal, comandada pelos capitães do exército português, com isso, rapidamente o governo Sarney anunciou um aumento para os militares, e usaram todo o sistema contra o Bolsonaro. A infeliz da jornalista que veio com essa reportagem, não fez o dever de casa, estudar para conhecer os fatos, a saída do Cap Bolsonaro do exército se deu pelo fato dele ter sido eleito vereador nas eleições daquele ano e a diplomação ocorrer no mês de dezembro e com isso ser transferido para a reserva remunerada. Em relação as "bombas", com o passar do tempo, novamente os nossos salários ficaram defasados, um outro capitão foi mais ousado e mostrou o poder militar ao tomar a prefeitura de Apucarana. O seu ato, tirou alguns poderes que os capitães comandantes de companhia tinham. Em relação as bombas, a minha opinião é que o Bolsonaro foi ingênuo em acreditar na jornalista e tem a participação da ex-esposa dele no episódio, uma jornalista no início com vontade de crescer na profissão, amplificando e distorcendo os fatos.

Anônimo disse...

O que ele fez foi tentar quebrar paradigmas, até então intransponíveis nas FFAA, agora, faça a comparação com os queridinhos da esquerda, Zé Dirceu, Palloci, Gleisi, Lula, Dilma, Lamarca e etc

Anônimo disse...

Meu Presidente... cada vez mais! Mais matérias como esta por favor!!!

Anônimo disse...

O que deveria ser notícia é o fato do regulamento disciplinar proibir (até hoje!) a manifestação de opinião política... Bolsonaro teve atitude corajosa ao transgredir esse regulamento injusto para defender os interesses dos militares. Osório não dizia que "a farda não abafa o cidadão no peito do soldado"?
Bolsonaro 2018!

Anônimo disse...

O EB, em nota, desmentiu o jornaleco! O jornal, por sua vez, mostrando que eh um antro esquerdista inconsequente e desleal, publicou uma retratacao no rodape.

Anônimo disse...

O deputado federal Jair Bolsonaro tem a seu favor o comportamento honesto (uma obrigação) e deseja o mesmo "destino" à vagabundagem brasileira, assim como a imensa maioria dos brasileiros,mas não tem o apoio da imensa maioria do congresso nacional que o vê como um extremista ultra-radical.Para combater a violência que é um verdadeiro câncer com metástase no Brasil,leis terão que ser revistas ou implementadas para respaldar as ações mais incisivas e eficazes das polícias federal,civil e militar.

Anônimo disse...

Eu não ia votar nele mas agora sabendo que ele lutou pelo reajuste dos militares to dentro.

Anônimo disse...

O anônimo de 16 de maio de 2017 das 02:31 sintetizou tudo com muito clareza, assino em baixo de tudo que ele escreveu. Acrescento ainda para os mais jovens e para os que não sabem, o Deputado Jair Bolsonaro não deve nada para a instituição. Nos anos de 1984, 1985, 1986 e 1987 eu era 3º Sgt, tirava serviço de Comandante da Guarda no 16º B Log em Brasília, a primeira recomendação que era feita pelos superiores era de que o então candidato Jair Bolsonaro era pessoa não grata, não deveria ser permitido sua presença perto do Corpo da Guarda e nem nos arredores do quartel. Fez campanha e se elegeu por sua conta e competência.

Anônimo disse...

Bolsonaro é igual à clara de ovo, quanto mais batem, mais cresce!!!!

Bolsonaro 2018!!!!!!!!!!!!!!!!

Militares deste Brasil, Bolsonaro como presidente é a chance mais real no para que as Forças Armadas retomem o prestígio de outrora e a única chance de dar um pé na bunda dessas ONG's defensoras de vagabundos.

Anônimo disse...

Ele sempre foi um aproveitador, sempre só no blá blá blá, de aproveitável após mais de 25 anos como deputador federal NÂO se teve nada. Quando a tropa vai acordar e ve que ele já era e eleger um outro militar eficiente e conciliador?

Anônimo disse...

Pois é, agora gosto mais ainda dele, colocou o dele na reta pela tropa e paga por isso.

Anônimo disse...

Mais do que nunca, digno do meu voto!

Anônimo disse...

Estão vendo? Rebelde, foi preso, indisciplinado, tem sede de poder, tem pressa de enriquecer, etc. Está pronto para ser candidato. Compare agora com as fichas da Dilma, Lula e outros que foram envolvidos com luta armada.

Anônimo disse...

Começou a aparecer as "seboseiras" do "honesto e correto" Bolsonaro. Cada vez mais tenho a plena convicção das teorias de Diógenes de Sínope (413 - 323 a.C.).

FláviFláv disse...

Não querem ele como presidente então vote no Lula da Silva, e não venham dizer aqui que está ganhando pouco e que não são reconhecido. Isso não é nada levando em consideração o que a população anda sofrendo com a ditadura do PT e etc...

Anônimo disse...

Todos nós militares sabemos que Bolsonaro foi "expulso a bem da disciplina", mas como é oficial, como sempre acontece, há um abrandamento com a "transferência para a reserva REMUNERADA".
Fico vendo como ele engana a todos, como no caso do irmão que era funcionário fantasma na Assembléia de SP e NINGUÉM QUESTIONA QUEM O COLOCOU LÁ:

"O irmão do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), Renato Bolsonaro, foi exonerado do cargo de assessor especial parlamentar na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). NO CARGO A TRÊS ANOS ELE RECEBIA R$ 17 mil mensais, MAS NÃO APARECIA PARA TRABALHAR. A exoneração veio no mesmo dia em que o SBT denunciou o caso. Renato Bolsonaro – também tio do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) – trabalhava até quinta-feira (7) no gabinete do deputado estadual André do Prado (PR). Pelo menos no papel"

Aponta o dedo, fala de lisura moral mas será que exigiu que o irmão devolvesse todo o dinheiro surrupiado do erário público? Em caso de candidatura, seus adversários terão pratos cheios para desmascará-lo.

PS: Lembremos do Processo de Impedimento de Dilma, em que Bolsonaro em frente a todos rasgou elogios ao então Dep Eduardo Cunha.
Vi ele vibrar com o impedimento de Dilma, mas se omiti misteriosamente nos escândalos dos últimos dias. É UM ENGODO! UMA FRAUDE! UMA VERGONHA VERDE OLIVA!

MIto2018 disse...

Nossa, como tem vermelho por aqui. Aceita que dói menos. Bolsonaro presidente 2018!

MIto2018 disse...

Bolsonaro 2018 e pronto!

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics