9 de novembro de 2010

SARGENTO DO EXÉRCITO MATA ESPOSA E SE SUICIDA

Sargento do Exército mata esposa e se suícida logo em seguida


Militares usam lençol durante a retirada dos corpos da casa

BRUNO GARCIA

Informações extra-oficiais apuradas pelo MidiaNews revelam detalhes da tragédia que resultou na morte, hoje (8), do sargento do Exército Valter Lucas de Moura, de 46 anos, e sua esposa Delza Brígida de Moraes Moura, de 39. O crime aconteceu na casa 195, da Vila Militar do 44º Batalhão de Infantaria Motorizada, na rua Filinto Müller, Duque de Caxias, em Cuiabá.
A discussão que resultou nas mortes teria se iniciado no quarto do casal. Nesse local, segundo um dos peritos, foi efetuado o primeiro disparo do sargento contra a mulher. Antes disso, provavelmente para se defender, ela pegou uma faca, que foi encontrada ao lado de seu corpo e apreendida pela Polícia Civil.
Do quarto, segundo apontam os indícios, ela seguiu para sala, onde possivelmente deixaria a casa em fuga. Todavia, antes disso, Delza foi atingida pelo militar pelos tiros de sua pistola, uma arma 9 milímetros, de uso restrito das Forças Armadas Brasileira. Informações do Exército apontam que ela foi atingida no ombro, peito e cabeça.
Diante do assassinato da mulher, o sargento Lucas, pelo cenário encontrado pela perícia técnica, utilizando a mesma arma com que matou a mulher, atirou fatalmente contra a própria cabeça.
O delegado responsável pelo caso, Fausto José Freitas da Silva, da Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), declarou que nenhuma possibilidade pode ser descarta neste momento. Entretanto, ele afirmou que a tendência, pelas evidências preliminares, é de se tratar de um homicídio seguido de um suicídio.

Conflito familiar
O major do Exército Gustavo Larica informou que o crime foi descoberto pela filha do casal, que ao chegar a escola se deparou com a casa fechada e achou estranho. A menina foi até um das janelas e por uma fresta visualizou uma coisa caída na sala.
Ela, diante da cena, acionou o soldado que faz guarda da região e pediu para ela ajudá-la a entrar na casa. O soldado, com autorização de seus superiores, arrombou a porta. Imediatamente, verificaram os dois corpos na sala. A princípio, no momento do crime, somente os dois estavam na casa. A Polícia Militar foi acionada, por volta das 12h40.
O oficial informou a imprensa que um dos filhos do casal relatou que os pais estavam passando por um conflito familiar. Apesar disso, o major Larica ressaltou que em nenhum momento isso foi comunicado ao Exército.
O sargento Lucas morava na casa do Exército há quase dois anos. Ele começou a carreira militar como soldado, passando pelo posto de cabo e chegando ao cargo máximo de sua trajetória na caserna, do 3º sargento. Larica disse que o militar tinha, pelo menos, 25 anos de Exército. Ultimamente ele comandava o setor de obras do quartel.
Larica acredita que o crime tratou-se de uma questão passional. O sargento estava em horário de trabalho quando o crime, possivelmente, aconteceu. O corpo dele foi encontrado com a farda do Exército.

"Estranheza"
O major Mário Lúcio Maia, responsável pelo setor de comunicação do Batalhão 44º, declarou que o militar tinha um temperamento tranqüilo, afirmando que o fato causou "estranheza".
O 44º Batalhão irá abrir um procedimento policial militar para apurar o fato, pois trata-se de um crime envolvendo um membro do Exército e ainda dentro de uma área da administração da Força.

Bloqueio
Os corpos foram retirados da casa sob olhares de vários curiosos e da imprensa que estava no local. Os militares utilizaram um lençol para evitar a visualização dos corpos. Em todo momento, formou-se uma barreira de militares para impedir a visão da sala.

Um comentário:

Anônimo disse...

ENGRAÇADO NE ,SO PORQUE ERA SARGENTO TEVE ESSA TREMENDA BUROCRACIA,ESTIVE NO LOCAL,E VI TUDO SE FOSSE UMA PESSOA QUALQUER SERIA VISTO POR TODOS,PALHAÇADA.

Arquivo do blog

Real Time Web Analytics