31 de março de 2012

Obras do Exército no Aeroporto de Guarulhos são exemplo para o Brasil, diz Procuradora

Procuradora militar diz que obras do Exército em Guarulhos são exemplo 

LUIZ ROIZ
A procuradora-geral da Justiça Militar, Cláudia Márcia Ramalho Moreira Luz, visitou em 21 de março as obras militares no Aeroporto de Guarulhos e, ao final de uma vistoria de três horas, disse que elas “são motivo de orgulho, não só para o Exército mas para todo o Brasil”.
Ela ficou especialmente impressionada como fato de a equipe do “Destacamento Guarulhos” não apenas ter concluído a maior parte das obras antes do prazo, mas tê-las realizado com menos recursos do que os previstos em orçamento – cerca de 35% a menos, o que representou uma economia para os cofres públicos de R$ 150 milhões.
“Está havendo devolução de dinheiro público, isso é uma coisa formidável”, disse a procuradora, em entrevista exclusiva ao DG. “É a primeira vez que eu vejo isso.”
Segundo ela, o papel do Ministério Público Militar não é apenas apontar e punir eventuais erros de militares, “mas também aplaudir o que está certo”.
“Vim até aqui para verificar in loco as obras e dar um testemunho, para que este exemplo se espalhe”, disse.
Informou que fará um relatório a respeito do que viu e o encaminhará ao comandante do Exército, general Enzo Peri.
As obras em questão são duas: a reforma da pista principal de 3.700 m por 45 m de largura, que já foi concluída entregue em dezembro (antes do prazo); e a terraplenagem e preparação do pátio de aeronaves do futuro Terminal Três do Aeroporto, numa área de 300 mil m2.

A obra do pátio deverá ficar pronta até o início do próximo ano, com seis meses de antecedência, segundo o coronel Carlos Alberto Maciel Teixeira, comandante da equipe militar (hoje, 80 pessoas) que coordena a operação, em conjunto com empreiteiras civis.
As duas obras estavam orçadas, inicialmente, em R$ 430 milhões; ao final, deverão custar cerca de R$ 280 milhões.
A procuradora foi recebida no Aeroporto, nesta quinta, 22, pelo general de brigada Wagner Oliveira Gonçalves, diretor de Obras de Cooperação do Departamento de Engenharia do Exército, e pelo tenente-coronel Carlos Alberto Maciel Teixeira, comandante da equipe de soldados e oficiais que toca as obras militares em Guarulhos.
Ela é procuradora há 17 anos e está concluindo (em abril) seu segundo mandato como chefe do Ministério Público Militar. Antes, foi promotora de justiça do Rio de Janeiro, seu estado de origem.

16 comentários:

Anônimo disse...

Me digam, para que serve essa p... de varinha (bastão de comando)na mão esquerda do General ? Será que é um símbolo do poder do açoite, que em outrora impunha o poder aos escravos e aos quadrúpedes ? Ou seja, o General ostenta um instrumento cujo objetivo histórico é o de açoitar o inferior (seja animal irracional ou outro ser humano)? Por favor, quem souber que explique a origem deste instrumento tão ridículo !

Anônimo disse...

Muito bom. Devolver. Eles vão adorar. Mais para compartilhar.

Anônimo disse...

Não entendo de Exército, mas deve ser um bastão de comando, mas vcs como bons brasileiros não conseguem ver o que foi feito de bom e sim só enxergar um bastão.

Anônimo disse...

tb não entendo nada...mas porque juiz usa capa preta??..cada um tem sua cultura!...Deveria se preocupar com a economia de milhões! Parabéns Exército!!

Gustavo disse...

O seu energúmeno, qual o seu problema? Depois de ler uma reportagem que mostra um fato raro, que deveria ser exemplo a todos e aplaudido de pé, você só consegue fazer um comentário inútil desses? "Me digam, para que serve essa p... de varinha..." É por causa de pessoas como você que eventos construtivos, que beneficiam o pais como o da reportagem ainda nos surpreendem. Senhor anônimo, o general carrega aquele símbolo porque ele é muito maior que a sua insignificância. Excelente feito do EB, pena que muito mal divulgado pela imprensa, que em sua maioria se restringe a retalhar as Forças Armadas.
Brasil acima de tudo!

kozelfilho disse...

O cara está preocupado com o bastão do General...P.Q.P. e ainda me perguntam lá fora porque elegemos um analfabeto e uma ex-terrorista para "cuidar" do meu país?! Tá aí a prova...

Anônimo disse...

Senhores, tudo depende do ponto de vista! Vejamos: a Procuradora do MPM não é competente técnica e nem funcionalmente para atestar eficiência, economicidade ou probidade na execução de obras do governo federal, mas sim o TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU). Após o órgão técnico de contas aprovar as contas do órgão é que o Exército poderá alardear a eficiência na execução da obra. E lembrem-se, iludidos cidadãos que fizeram os emocionados comentários acima, o Exército, diferentemente das empreiteiras, executa obras sem almejar lucro - ao menos teoricamente, claro - não paga os mesmos encargos trabalhistas que os empreiteiros pagam (piso salarial, hora-extra, adicional noturno, adicional de periculosidade, INSS, seguro de acidente de trabalho (SAT), FGTS, pis/cofins, IR, CSLL etc). Logo,acho até que uma economia de 30% é bem modesta em relação ao preço cobrado pelas construturas,a economia poderia ser maior, pois devemos levar em consideração,ainda, o percentual da propina que as empresas embutem no preço da obra. Logo, não se antecipem em achar que o Exército fez uma grande economia para os cofres públicos em executar a obra com custo de 30% a menos, observem o contexto, talvez a economia devesse ser maior, não emitam opinião sem levar em conta todas as variáveis que as construtoras levam em consideração ao orçar uma obra. Energúmeno é quem IGNORA (sei que é redundante) todas essas variáveis que envolvem uma obra e de pronto já acha que o Exército fez algo incrível, fantástico ao economizar 30% ! Façam um esforço e tentem enxergar o que não está escrito na matéria, ou então mantenham-se como a maioria dos brasileiros, que só consegue enxergar o óbvio.

Leonardo Michel disse...

O energúmeno só consegue "ler" as figuras, hahaha, ele nem leu o texto, só "leu" as figuras! Você também critica a batuta do maestro da orquestra e a gravata borboleta do garçom? Enquanto a gente se orgulha dos brasileiros da reportagem, tenho vergonha de outros...

TalitaL' disse...

Aos leigos... militares voltarem ao poder não seria tão ruim assim né?!
aos sábios... não somos poucos os que pensam na volta dos militares ao poder!

Sr Anonimo, por favor, se mata! É por conta de pessoas com mentalidades assim que o Brasil não funciona.

Anônimo disse...

Certamente há muitos incautos comentaristas neste blog que não conhecem p... nenhuma sobre licitação e contratos públicos e menos ainda já trabalhou num SALC (Setor de Aquisições, Licitações e Contratos) ou já participou de uma CPL (Comissão Permanente de Licitação) no Exército. Inocentes cidadãos, saibam vcs que o Exército hoje repassa sem licitação vários contratos de trabalhos ligados a engenharia a uma fundação (um tipo de ONG) dirigida por militares da reserva. Pobres iludidos !

Anônimo disse...

Economizar o dinheiro de uma obra não é fato a ser visto como excepcional, é obrigação do gestor de recursos públicos ! O problema é que o brasileiro está tão acostumado com valores invertidos, com gestor público que não cumpre com sua obrigação. E quando aparece um que faz o que é obrigado por lei ele se torna digno de destaque e tido quase como um herói, quando na verdade fez o que é pago para fazer.

Anônimo disse...

Segue a descrição da origem do bastão de comando:
" BASTÃO DE COMANDO DO EXÉRCITO BRASILEIRO - O Bastão como símbolo de autoridade e insígnia de Comando, vem de tempos remotos - tinham-no os reis, assim como os grandes capitães. Em campanha, as batalhas só se iniciavam quando o monarca ou o General-em-Chefe fazia o sinal com o bastão. Para a confecção do Bastão de Comando do Exército Brasileiro foi escolhido o "pau brasil", por se tratar de madeira que gerou o nome de nosso País poucos anos após o descobrimento. Esse Bastão é de posse exclusiva dos Oficiais-Generais da ativa. Seu uso é obrigatório para os Oficiais-Generais em função de Comando; facultativo para os demais, mas, obrigatório nas cerimônias Militares."

Fonte: STM (http://www.stm.jus.br/institucional/museu/acervo/condecoracoes/fot_bastao.jpg/view)

Bruno P. disse...

É um pobre diabo esse tal anônimo. Depois que faz a cagada de perguntar idiotices e ridicularizar a boa notícia que o jornal traz, vem com a linguagem toda empolada para dizer que não é um qualquer e que "manja" muito de licitações. Vc deveria estudar mais, se informar mais antes de postar esse monte de bobagens por aqui. Pelo visto, pelo que vc relata, vc deve apenas servir o café nas tais comissões. Nunca vi tanta bobagem...

Anônimo disse...

Só chamo atenção a um ponto.
Programa ARENA. Primeira vez?
Podiam ter usado antes já né?
MAS, que bom que usaram. Que usem mais vezes!

Anônimo disse...

SERÁ QUE A NOSSA ILUSTRE "PRESIDENTA" VIU ESTA REPORTAGEM? SERÁ QUE OS NOSSOS "GLORIOSOS POLÍTICOS" VIRAM COMO FAZER UMA OBRA SEM SUPERFATURAMENTO E SEM DESVIAR VERBAS? ESTÁ AÍ O EXEMPLO DO EXÉRCITO BRASILEIRO QUE GANHA OS MENORES SALÁRIOS DO PODER EXECUTIVO, QUE NÃO GANHA ADICIONAL DE TEMPO DE SERVIÇO, QUE NÃO TEM PERSPECTIVA NENHUMA DE MELHORES REMUNERAÇÕES! ATÉ QUANDO SENHORAS E SENHORES, ATÉ QUANDO?

Anônimo disse...

Papo pra boi dormir. Parabens ao DG, mas no resto do pais e muito diferente. Na reforma da BR-101, Bahia, o trecho que o EB consertou foi o primeiro a se destruir. O trecho Mucuri/BA a Teixeira de Freitas/BA é conhecido como rodovia da morte. Foram centenas de vidas perdidas tamanho o numero de buracos que se abriu. o acostamento acabou em 3 meses e o mato tomou conta. O EB NÃO PARTICIPA de licitação, recebe o mesmo ou mais que empreiteiras privadas (TABELA DNIT), não paga tributos e encargos, faz um serviço péssimo, e vem bancar de bom ??? O DG é excessão à regra. Quanto aos puxa sacos do EB, lembre-se que não eles não fizeram absolutamente nada a mais do que a obrigação. Quanto à varinha, já descobriram pra que serve mesmo ???

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics