29 de janeiro de 2010

CABO TRANSEXUAL GARANTE NA JUSTIÇA INCLUSÃO NA RESERVA

“Quando eles me reformaram, chorei muito. Durante 22 anos, servi exemplarmente às Forças Armadas. Durante 22 anos, nunca tive uma punição na minha ficha. Recebi condecorações e certificados pelos bons serviços prestados à corporação”
Maria Luíza, ex-J.C., primeiro transexual das Forças Armadas
São 10 longos anos de luta. Tempo suficiente para causar uma brutal mudança de vida. Mas a batalha ainda não terminou. Primeiro, o isolamento na caserna. E um parecer, do Alto Comando, a que o Correio teve acesso, em 2000, com exclusividade: “Atrofia testicular por provável ação medicamentosa. Transexualismo”. E a decisão que a afastaria para sempre, depois de 22 anos de serviços prestados à corporação, com condecorações e medalhas: “Incapaz, definitivamente, para o serviço militar. Não é inválido. Não está incapacitado total ou permanentemente para qualquer trabalho. Pode prover os meios de subsistência. Pode exercer atividades civis”.
Leia a reportagem completa no Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics