16 de maio de 2015

Mulher e cunhada do tenente-coronel do Exército assassinado em Brasília foram as mandantes do crime

As duas foram presas em flagrante pela Polícia Civil. A cunhada do tenente-coronel Sérgio Cerqueira confessou o crime e o envolvimento da irmã. O motivo seria uma pensão

Adriana Bernardes , Kelly Almeida , Nathália Cardim
A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu a mulher e a cunhada do tenente-coronel do Exército Sérgio Cerqueira, 43 anos, por serem mandantes do assassinato do oficial. Ele foi sequestrado na noite de sexta-feira (15/5), quando chegava no Bloco C da Quadra 208 Norte. Segundo informações da polícia, as duas tramaram o crime para que a mulher dele ficasse com a pensão do militar, de aproximadamente R$ 10 mil.
As duas foram levadas para a Delegacia de Repressão a Sequestro (DRS) este sábado (16/5). Segundo informações da Divisão de Comunicação da Polícia Civil (Divicom), Sérgio Cerqueira e a mulher estavam em processo de separação, mas se encontravam com frequência. A mulher, no entanto, estaria insatisfeita, pois acreditava que sairia prejudicada financeiramente com a separação. Os dois têm uma filha de 13 anos.
De acordo com as investigações, ela mandou matá-lo, pois acreditava que, com a morte do oficial, receberia o salário integral dele como pensão, no valor de cerca de R$ 10 mil. A irmã dela mora em São Sebastião, cidade em que o corpo do militar foi abandonado, e teria ajudado a premeditar o crime.
As duas foram presas em flagrante por homicídio qualificado. A pena pode chegar a 30 anos de prisão. Segundo a Divicom, a cunhada de Cerqueira já confessou o crime. Os quatro homens que executaram o assassinato também entregaram as duas mandantes. A mulher do oficial, no entanto, ainda não confessou a participação na morte.

Enterro
O corpo do tenente-coronel Sérgio Cerqueira já foi liberado pelo Instituto de Medicina Legal (IML) e, de acordo com o Centro de Comunicação Social do Exército, será encaminhado para o Rio de Janeiro, onde nasceu e será sepultado. A comunicação ainda não o hoário do enterro na capital carioca nem o nome do cemitério.
Segundo a assessoria do Exército, o tenente-coronel se formou em 1993 na Academia Militar das Agulhas Negras e era especializado na cavalaria. Informou ainda que a corporação está apoiando os familiares e as investigações por parte da Polícia Civil.

O crime
O militar e a esposa foram abordados, por quatro criminosos, por volta das 22h dessa sexta-feira (15/5), no estacionamento da 208 Norte. O casal faria uma visita à casa de amigos que moram na quadra. As imagens do circuito interno de segurança de um dos prédios mostra o momento da abordagem e o instante em que a mulher é abandonada no local.
CORREIO BRAZILIENSE/montedo.com

5 comentários:

Milenka Escudero disse...

que pena,todo por el dinhero,aquela mulher nao penso em sua filha de 13 anos

Anônimo disse...

Tá na cadeia, vai ralar, vai gastar o que não tem com advogados, sem a pensão, semo seguro do FAM, e ainda deixou uma filha de 13 anos sem pai e mãe.

Aquela outra louca lá do ceára que matou o filho também tá na mesma situação.

Vão pagar caro.

Anônimo disse...

Por causa de uma merreca que deve ser um pouquinho menos do que o marido recebia por mês!

Anônimo disse...

As novas regras para pensão que irão ser implementadas para os segurados do INSS tem que ser estendidas também a serviço público.
Pensão vitalícia para o cônjuge sobrevivente somente se este tiver mais de 44 anos de idade.

Anônimo disse...

Provavelmente o anônimo das 22:00 hs não é casado, não tem filhos, ou se tem, não está nem aí para a família....
Porque se já ganhamos muito pouco, ao morrermos, quem vai amparar nossos dependentes? Essas novas regras implementadas aos segurados do INSS são absurdas, querem corrigir o erro de alguns, maltratando a maioria que não tem nada com isso... É triste pensar na hipótese de morrer e deixar esposa e filhos numa situação caótica...

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics