21 de maio de 2015

PF investiga líder de protestos por intervenção militar

Agência Estado
Capitão de Mar-e-Guerra Sérgio Luiz Zorowich (
São Paulo, 20 - O capitão da reserva da Marinha Sérgio Luiz Zorowich, um dos líderes dos protestos que pedem uma intervenção militar no Brasil, foi intimado para depor em um inquérito da Polícia Federal que, segundo ele, tem como objetivo enquadrar os defensores da volta do regime militar na Lei de Segurança Nacional. Zorowich, que mora em Santos, recebeu a intimação há cerca de dois meses para depor na semana que vem.
O depoimento faz parte do inquérito 0161/15-4 instaurado pela Polícia Federal. A intimação não especifica o motivo da investigação.
Segundo ele, sua advogada apurou junto à PF que o objetivo é enquadrar defensores da intervenção militar no artigo 23 da Lei de Segurança Nacional, que prevê pena de um a quatro anos de detenção para quem incitar "subversão da ordem política ou social" ou "animosidade entre as Forças Armadas ou entre estas e as classes sociais ou as instituições civis".
Procurada por meio da assessoria de imprensa, a PF não negou as afirmações de Zorowich e se limitou a dizer que não comenta investigações em andamento.
Dono de empresas que prestavam serviços à Petrobras e acabaram falindo, Zorowich concentra sua atuação nas redes sociais, onde tem milhares de seguidores e publica mensagens nas quais pede a ação imediata das Forças Armadas pata depor o governo do PT e chega a vincular a presidente Dilma Rousseff a grupos criminosos como o PCC ou terroristas como o Estado Islâmico. Para ele e seus seguidores, a tese do impeachment defendida por partidos de oposição é muito leve.
Em uma destas mensagens, em referência à Operação Lava Jato, escreveu: "que indiciamento que nada, vamos derrubar o governo pela força das massas e com apoio dos quartéis".
Indagado se as postagens não se enquadram no incitamento proibido pela lei, Zorowich respondeu: "não deixa de ser, não vou desmentir".
A Lei de Segurança Nacional foi criada durante a ditadura militar (1964-1985) para dar cobertura legal às ações das forças de repressão que investigavam, prendiam e torturavam integrantes de grupos contrários ao regime. A própria Dilma foi enquadrada na Lei de Segurança Nacional ao ser presa em São Paulo em 1970, quando militava no grupo armado VAR-Palmares.
"Não deixa de ser uma ironia que eu, defensor da intervenção militar, seja enquadrado em uma lei criada durante o regime", disse Zorowich.
ESTADO de MINAS/montedo.com

11 comentários:

Anônimo disse...

Lula incitou a violência e ameaçou o país com a bandidagem do MST. Quando é que vão indiciá-lo?

Anônimo disse...

ISSO SIM É QUE É REPRESSÃO EM PLENA DEMOCRACIA.

OU SERÁ MEDO DOS MILITARES ?

Anônimo disse...

Intervenção militar? Só quem não conhece bem a casa pra apoiar uma loucura dessa.
Quem diria hein.....para enquadrar os opositores os petralhas evocam até a tao mal falada lei da segurança nacional, dos tempos da ditadura.....então pra isso ela é boa, para ferrar e intimidar opositores...

3º Sgt QE R/1SIDNEY - PR disse...

Estamos condenados a viver na escuridão do país nos próximos 4 anos e a tendência é que cada vez mais, as coisas apenas... PIOREM! Vamos pedir à Deus que as consequências desses "TANTOS" reflexos negativos contra a população "DE BEM", não se transforme em uma guerra civil.

Daniel-MB disse...

Intervenção Militar só funciona em País culto e sério. Não é nosso caso!

Anônimo disse...

A PF vai ser cão de guarda dos PTralas agora? E a liberdade de expressão? É um tema a SER discutido sim! Após a primavera Árabe, com a queda de vários Ditadores o Exército que assumiu o poder naqueles Países!

Anônimo disse...

Desconsiderando o mérito de ser ou não pertinente o clamor pela volta dos militares, não deixa de ser interessante o apressado mover de autoridades da ativa, correndo para mostrarem à mídia que não são favoráveis a "volta", ante esses movimentos. O exercício mental mais interessante é imaginar o sentimento de abandono e não acolhida ou representatividade que o nobre Mar-e-
Guerra da Reserva deve sentir ao ser solenemente ignorado em sua militância. Sem ressentimentos, por favor.

Anônimo disse...

Com a palavra a OAB.

Anônimo disse...

Muitos dizem que não gostariam da volta dos militares,da boca para fora. Claro que ninguém é idiota para querer àquelas babaquices de se acharem donos da vida alheia, AI5, censura e tortura. Isso não voltará mais, embora os petistas estejam praticando para implantá-las. Mas quem não tem um gostinho,uma vontade de ver enxotados do poder essa gangue que se instalou no poder e está esfacelando o pais? Será que vão querer que fiquemos iguais a Venezuela na sua exemplar "democracia", "desenvolvimento econômico" e "liberdade de expressão"? Não vão investigar e enquadrar o Lula quando ele disse que colocaria um exército pronto nas ruas? Não enquadraram os ditos movimentos de sem terra quando invadiram e destruíram pesquisas e propriedades particulares em nome de um partido com bandeira cor de sangue e uma foice, símbolos de outro pais? O mundo gira para um lado e nós vamos para o outro.

Anônimo disse...

Quem pede intervenção militar observe a postura de nossos comandantes. Se não conseguem comandar suas próprias forças armadas, se não tem voz ativa nem mesmo para representar seus comandados, irão dirigir um país? Não senhores. Temos que lutar para um impeachment, ou outro mecanismo para tirar o PT do governo e alternar o poder, mas intervenção militar, com os generais de hoje, seria a pior alternativa possível. Eu tenho inclusive uma tese para acabar com o crime organizado, poderíamos trocar de chefes com os traficantes. Os chefes do tráfico viriam assumir o comando das instituições, já que eles em coragem moral de se impor se necessário, sabem como usar a força em proveito de seus interesses, sabem valorizar quem trabalha em seu favor, etc. E nossos chefes assumiriam o crime organizado, que rapidamente se desorganizaria, com reuniões infrutíferas, com normas e regras que engessariam todo o sistema de uma vez por todas. Vamos rir para não chorar.

Anônimo disse...

Infelizmente não se pode fazer nada, não adianta incitar o povo a protestar, apenas o PT pode e ninguém poderá fazer nada. Hoje os integrantes das Polícias nunca passaram pela Caserna(nem sabem o que é isso) são apenas civis que passaram nos concursos, então são ditos: "militares" sem regulamentos, são regidos pelo Direito do cidadão normal, por isso eles não seguem hierarquia, regulamentos, não usam fardas, apenas coletes e estão no poder, o poder estão com eles, a Ditadura acabou a mais de 30 anos, não adianta relutar, agora que comanda a música são eles. Um sábio tem condições suficiente para saber que só Congresso Nacional poderá mudar o destino do País e não haverá ditadura do mundo que mude, pois os USA está comando o mundo, vem de lá todas essas regras que nós no Brasil estamos seguindo, até mesmos as nossas Forças Armadas seguem estas diretrizes.Tudo está escrito no Livro de João, o Apocalipse da Bíblia Sagrada.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics