9 de maio de 2015

Wagner desmente reunião com Comandantes sobre cortes no orçamento da Defesa

Esclarecimento do ministro da Defesa aos leitores do Poder Aéreo
Ministro J Wagner em AH-2 Sabre em Porto Velho - foto Sgt Johnson - FAB
Ministro da Defesa, Jaques Wagner, a bordo de um helicóptero Sabre, da Força Aérea Brasileira
A Assessoria de Comunicação Social do Ministério da Defesa solicitou ao Poder Aéreo, na noite desta quinta-feira (08.05), por e-mail, a publicação do seguinte “Esclarecimento”:
“O ministro da Defesa, Jaques Wagner, que se encontra em viagem oficial à Europa para as comemorações dos 70 anos da vitória dos aliados sobre o nazifascismo, esclareceu hoje ao jornalista Roberto Lopes, que não esteve reunido com os comandantes das Forças Armadas, na semana passada, para tratar de contingenciamento do orçamento em até 50%.
Wagner informou não há nenhuma definição sobre os referidos cortes, e que aguarda a assinatura do decreto presidencial que estabelecerá o novo orçamento.
O ministro informou que tem conversado com a presidenta Dilma Rousseff sobre os principais projetos tocados pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica na tentativa de preservá-los.
Lembrou ainda que o setor de Defesa tem recebido os maiores volumes de investimentos nos últimos 12 anos em comparação ao passado atingindo a marca de 1,5% do PIB (Produto Interno Bruto).
Para ele, é necessário entender a necessidade do ajuste fiscal do governo, e visualizar que a possibilidade de contingenciamento de recursos é um desafio que será enfrentado pelo Ministério da Defesa, e todos os demais ministérios”.
Leia também:
Desastre: ministro diz que cortes na Defesa podem eliminar até 50% do orçamento
NOTA DO EDITOR
A mensagem se refere ao texto intitulado “Desastre: ministro diz que cortes na Defesa podem eliminar até 50% do orçamento”, publicado pelo Poder Aéreo na quinta (08.05). O texto causou ansiedade nas Forças Armadas porque revelava que Jaques Wagner só assegurava a continuidade, sem cortes, dos programas PROSUB (Programa de Desenvolvimento de Submarinos) e FX-2, de aquisição dos caças Gripen.
Na noite da quinta, em conversa telefônica com este editor, a chefe da Assessoria de Comunicação Social do Ministério da Defesa, jornalista Sônia Carneiro, explicou que será necessário aguardar o decreto presidencial que vai estipular o tamanho do ajuste fiscal em cada ministério, para que a Defesa, informada sobre a cota de sacrifício que lhe cabe, priorize os programas que serão mantidos a salvo da tesoura da área econômica do governo.
Segundo ela, em entrevista recente à Revista Época, Jaques Wagner mencionou, efetivamente, cortes “de até 50%” em seu orçamento, e se lembrou de citar o PROSUB e o programa FX-2, e só não mencionou os demais programas prioritários das Forças Armadas por uma falta de lembrança.(Roberto Lopes)
PODER AÉREO/montedo.com

11 comentários:

Anônimo disse...

Não vai cortar investimentos...já cortou!! Tomara ter $$$ para garantir nosso salário e para o FUSEX. " oremos "

Anônimo disse...

Mais uma vez blá,blá.....sem argumento pois:
O único ministério que enfrenta desafios todos os anos, com salários miseráveis, é o da defesa os outros fazem greve sempre que necessário.

Anônimo disse...

Só há notícia ruim, acho que a única notícia menos pior que recebi nos ṹltimos anos é de que foi autorizado o uso do guarda-chuva.

Anônimo disse...

A base aérea de Natal não tem combustível (diesel), outras viaturas à gasolina estão com O ipva atrasado, não tem: papel higiênico, verba para capacitação, água Sagitária etc.

Anônimo disse...

Vamos ao que realmente interessa
eu so quero o meio expediente para poder fazer um bico de segurança em supermercado. Eu Sgt 96 /10BI já inscrito no ChQAO . Só pra pegar os trinta dias. Ano que vem tem mais

Anônimo disse...

Mais um paisano passeando de helicóptero....

Anônimo disse...

Um governo atrapalhado e incompetente como o de Dilma, onde só faz cortes de orçamento na defesa e joga o dinheiro fora nos quarenta ministérios e programas de bolsas e só lembra das FFAA quando há trabalho braçal para substituir órgãos falidos, incompetentes e inflados com politicagem, deveríamos esperar o quê? Desmantelamento das instituições, empresas de ponta, inflação e descontrole total. Se ela insistir em ficar no poder até o fim do mandato, não sobrará um só projeto dos militares, por falta de dinheiro.Depois ainda vem o barbudo espumando mentiras para querer voltar ao poder.E tem gente que votaria nele!

Anônimo disse...

Jim das Selvas tentando convencer o macaco a deixar de comer bananas!

Anônimo disse...

Companheiro das 12:52, o negócio é fazer a prova do CHQAO, não passar de primeira e pegar mais trinta dias kkkk...

Anônimo disse...

Boa noite Montedo. A parte dos comentários é excelente.

Obs: Fazia tempo que não ria tanto como na matéria do guarda-chuvas.

Anônimo disse...

Nos quartéis falta papel higiênico, alimentação, combustível, material de expediente etc, e nossos chefes estão preocupados com o uso do guarda chuva.
Eu que estou cagando para tudo isso quero mesmo é o meio expediente que não vai demorar a chegar, para poder defender uma graninha extra, é como diz o velho ditado fazer do limão uma bela limonada, o Costa Concórdia está afundando, aos companheiros mais novos aproveitem o meio para estudar para concursos e abandonar o barco, deixemos os problemas para os acionistas, esses tem que correr atrás pq dependem disso para viver.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics