4 de maio de 2015

Fazendo caixa: governo do RJ quer vender prédio que abriga Casa da FEB

A guerra da memória
O ex-combatente Israel Rosenthal (Tiago Rogero)
Tiago Rogero
Enquanto o mundo se enfeita para comemorar os 70 anos do fim da Segunda Guerra, no Brasil, a memória dos nossos pracinhas está sendo relegada. Inaugurada em 1976 na Rua das Marrecas, 35, no Centro, a Casa da FEB (Força Expedicionária Brasileira), entidade de assistência aos ex-combatentes, vive um impasse. Lá dentro, no museu gratuito, está parte da memória de 25 mil brasileiros que, entre 1943 e o fim da Guerra, em 1945, lutaram na Itália contra o exército alemão.
Para fazer caixa, o governo do Rio quer vender o prédio. Há duas semanas, enviou a conta dos “aluguéis não pagos”: R$ 1,6 milhão. A entidade, hoje, se sustenta só com a cobrança de mensalidade, a R$ 26, de seus 400 associados. Já foram 10 mil. “O prédio nos foi cedido pelo então governador Carlos Lacerda”, lembra o tenente Israel Rosenthal, 94 anos, um dos cerca de 100 associados iniciais ainda vivos.
A Casa da FEB tenta agora, na Justiça, manter sua sede.
A coluna conversou com Patrícia Ribeiro, professora de História e autora da tese de doutorado “Em luto e luta: construindo a memória da FEB", pela FGV.

Apesar de vitoriosos, por que os pracinhas foram postos de lado?
Embora tenham sido recebidos com desfile, no Brasil, logo depois eles foram rejeitados pelo governo e até pelo Exército. Getúlio Vargas temia novos líderes militares e o Exército não tinha o que fazer com essa quantidade de pessoas. Então, eles foram desmobilizados de forma traumática. Só os oficiais continuaram nos quadros. E, com isso, os que mais sofreram foram justamente os que mais precisavam — os praças —, pela condição social não muito privilegiada.

Por que foi “traumático”?
Recebidos como heróis, eles foram depois esquecidos pela sociedade. Alguns viraram alcoólatras, outros tiveram traumas sérios com o que viram. Desamparados pelo poder público, eles criaram a Casa da FEB. A Itália valoriza muito mais a FEB que o Brasil. Lá, há até pontos turísticos por onde passaram os brasileiros, cantam seus hinos nas escolas. Agora, com a morte da maioria deles, quem vai cuidar dessa memória? Quem vai manter isso vivo?
Coluna do Ancelmo Gois (O Globo)/montedo.com

20 comentários:

Anônimo disse...

Hoje os heróis do brasil são outros. São os mensaleiros petistas que desafiam a justiça com o braço em riste e a capa da imoralidade sobre os ombros. Cada país tem os heróis que melhor lhe representam. A idiotice e a mediocridade são nossas maiores virtudes. Viva nossa sociedade imbecilizada.

Anônimo disse...

Vergonha maior do que a ação do governo do Rio é a omissão do Exército.

keko marques disse...

O tratamento às praças continua o mesmo. Passe para a reserva e vc saberá como é.

Anônimo disse...

Infelizmente o Brasil hoje homenageia pseudos guerrilheiros como heróis em detrimento a aqueles que realmente lutaram e lutam por uma pátria ! Será que hoje teríamos pessoas com forte patriotismo para ir a uma guerra para defender isso que se tornou o Brasil ! Brasil,mostra a sua cara e ame os seus filhos que não fogem a luta !

Anônimo disse...

Uma vergonha o governo do RJ, faz isso e depois fica pedindo ajuda as forças armadas pela incompetencia de sua policia não dar conta da criminalidade.

Anônimo disse...

Que pouca vergonha. Um pais que não valoriza suas Forcas Armadas e em especial nossos Pracinhas. O EB só é lembrado como "ditadores e torturadores" segundo a mídia atual..

LAMENTÁVEL.

Anônimo disse...

Eu já estou na reserva a algum tempo e estou muito bem. Acho que estou bem porque deixei de frequentar quarteis. Vou uma vez por ano me recadastrar e saio aliviado sempre. Liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós...

Anônimo disse...

CRIANÇAS ITALIANAS CANTANDO A CANÇÃO DO EXPEDICIONÁRIO DA FEB

https://pt-br.facebook.com/permalink.php?story_fbid=520952941377201&id=301193276686503

Anônimo disse...

Os verdadeiros herois como singelas medalhas na qual mereciam muito mais e ainda sendo despejados de um museu que lembra seus passados sofridos, porem de gloria e heroismo.
Uma vergonha acontecer isso.
Depois o governo do RJ ainda quer ajuda da FFAA...
Uma piada isso...

Anônimo disse...

VERGONHA NÃO É O GOVERNO PROPOR A VENDA E SIM ESTES CMT'S MAIS UMA VEZ FICAREM OMISSOS. .... Q HOMENS FRACOS DA P...... ESSES CARAS ME DÃO VERGONHA DE DIZER QUE SOU DO EB... VERGONHA!!!!

Anônimo disse...

Eu vou no quartel de vez em quando e sou bem tratado. Duvido que outras profissões tenham o mesmo cuidado

Ten Reis disse...

Ponham uma coisa na cabeça: para as FAs, não somos homens, somo apenas um número. Porque é que vocês acham que os comandantes falam: se não está satisfeito peça para sair", pois no dia seguinte já tem outro no seu lugar, simples assim...é desse jeito que somos "valorizados"... o pior é ter que ouvir isso da boca de tanto comandante incompetente que tem por ai.

Anônimo disse...

Fazendo isso com a memória dos libertadores da Itália, até hoje por lá reverenciados, isso é uma vergonha para o país inteiro, lamentável e injustificável.

Anônimo disse...

Quem fala"Se não tá contente pede pra sair" ,fala de bobalhão, pois não é o patrão e nem dono de nada, pode ser mais na escala hierarquica, mas é exatamente igual a você, só tem uma utopia que lhe impede de ver a realidade. Quando este embusteiro estiver ns reserva começará a enxergar e te tará rugir os seus direitos. É sempre assim

Anônimo disse...

Pior que o governo do RJ cobrar aluguel é os nossos comandantes que são omissos duas vezes, não pagaram o aluguel e agora não se manifestam!!! Aprendamos uma coisa ao sair do exército, devemos esquece-lo, o que passou passou, rei morto rei posto, somos só um número!!! sem sentimentalismos!!!

Anônimo disse...

Querem ver a diferença? Quem tem TV paga ou outro dispositivo e pode ver documentários e reportagens sobre outros países, fica envergonhado com o descaso, o esquecimento, o abandono dos monumentos e museus históricos do país.Aqui as coisas funcionam ao contrário onde se tenta valorizar atos terroristas do passado, valorizar nomes de bandidos e distribuir medalhas para guerrilheiros. Dinheiro só existe para ser roubado e desviado. Cultura, fica em quarto plano, se sobrar algum dinheiro. O resultado, é um país cada vez mais analfabeto, ignorante e sem história.

Anônimo disse...

Isso não me causa nenhuma surpresa.

As Forças Armadas e os militares aqui no Brasil são DESVALORIZADOS. Alguns ainda acreditam que a "pesquisa de credibilidade" significa valorização. Quando o cidadão dá nota 10 às Forças Armadas, em matéria de credibilidade, apenas está dizendo que acha que as Forças Armadas são honestas. Simplesmente isso.

Portanto, como eles - os cidadãos - vão defender, proteger, preservar algo de que não valorizam?

Agora o mais importante: sabem de quem é a culpa dessa DESVALORIZAÇÃO? Dos nossos comandantes, que em troca de "presentes" ("pontinhos", conceito, cargo em comissão, "mamatas" de todas as formas) vendem as próprias almas e honras, relegando as instituições militares a segundo plano que ficam à mercê de "políticos" e tecnocratas do governo, pois essas instituições militares já não mais possuem líderes que as defendam!!!

Anônimo disse...

UM MUSEU DO EXPEDICIONÁRIO COM AÇÃO DE DESPEJO, NOSSA SITUAÇÃO É DE DAR PENA, O QUE SERÁ QUE O NOSSO MINISTRO CIVIL E COM DIVERSAS ACUSAÇÕES TEM A DIZER?

Anônimo disse...

muito triste. infelizmente nós mesmos, os militares, não damos valor. quantos de nós que serviu ou serve no rio já pisaram na casa do expedicionário?
espero que o CML interceda junto ao governo do rj

Marcos Paulo Mendes Araújo disse...

Uma vergonha. Devemos exortar nossos pracinhas. Gente guerreira. Mais isso é típico dos nossos governantes sem memória. Vamos nos unir contra isso.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics