24 de maio de 2017

Gás lacrimogênio usado por batalhão do Exército em treinamento provoca suspensão das aulas em escola próxima em MG

ifet-viviaJuiz de Fora (MG) - As dependências do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste), campus Juiz de Fora, no Bairro Fábrica, foram evacuadas na tarde desta terça­feira (23) devido ao forte cheiro de gás lacrimogêneo que invadiu as instalações, obrigando a direção a liberar os estudantes. A substância escapou acidentalmente durante treinamento de rotina no 10º Batalhão de Infantaria Leve, unidade do Exército que tem sede próxima à instituição de ensino.
De acordo com a assessoria de comunicação do IF Sudeste, os estudantes sentiram um cheiro de queimado, e foi solicitado que deixassem as salas de aulas, por volta das 16h. Uma aluna, do curso de eventos, com problemas de bronquite, precisou ser medicada. Uma ambulância foi acionada e encaminhou a estudante para o hospital. Conforme a assessoria, ela passava bem e estava acompanhada dos pais.
As aulas no instituto foram dispensadas no período da tarde, mas voltaram ao normal no período noturno, ainda na terça­feira. A assessoria também enfatizou que não houve casos de desmaios e de outras pessoas que tivessem passado mal em razão do gás. Segundo o comandante do 10º Batalhão de Infantaria Leve, tenente-­coronel José Nelson Apolinário da Costa, no momento do transtorno, o Exército fazia um treinamento de rotina para atividades de instrução. “Estávamos dentro do nosso estande, que fica cerca de 700 metros de distância da comunidade. Antes de iniciar o uso do gás, adotamos todos os procedimentos do plano de segurança, como avaliar a direção do vento. No entanto, esta direção foi alterada no meio do treinamento, causando este desconforto.”
Ainda conforme o oficial, foram utilizados de dez a 13 granadas de gás durante a atividade, e nenhum militar foi atingido. “Fomos informados que o gás alcançou as dependências do IF Sudeste e, imediatamente, enviamos nossos médicos para avaliar a situação”, informou, acrescentando que as acrescentando que as medidas de segurança sempre são adotadas neste tipo de treinamento para evitar transtornos à população do entorno.
Um servidor do IF Sudeste contou à Tribuna que sentiu um cheiro muito forte espalhado por todo o campus. “Quando bateu o cheiro, não sabíamos o que era, e todo mundo ficou assustado. Minha garganta arranhou um pouco e fiquei com o olho lacrimejando”, relatou. A estudante do curso de Licenciatura em Física, Larissa Ferreira Eleotério, 23, disse que os alunos começaram a sentir um cheiro forte e saíram das salas. Logo em seguida, foram avisados por professores que seriam liberados. A também estudante do mesmo curso, Jenniffer Maria da Silva, 24, ressaltou que militares estiveram no campus para explicar a situação, que foi resolvida rapidamente.
O gás lacrimogêneo tem ação limitada e não é letal. As Forças Armadas utilizam a substância em várias ações, como na dispersão de multidões em conflito.
TRIBUNA de MINAS/montedo.com

2 comentários:

Anônimo disse...

Que isso, EB! Fazendo a criançada chorar????

Anônimo disse...

Abre sindicancia...
Cade o plano de segurança que tanto é cobrado antes das instruções.
Alguem é culpado e as crianças e funcionarios da escola são vitimas inocentes.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics