20 de agosto de 2015

Coreias trocam disparos de artilharia na fronteira

Coreia do Norte ameaça novos ataques se Seul não desligar altifalantes
Norte e Sul trocaram disparos de artilharia pesada por causa dos altifalantes anti-regime dos sul-coreanos. Seul promete que emissões vão continuar.
O exército sul-coreano disparou dezenas de obuses para o território norte-coreano esta quinta-feira, em resposta a projécteis lançados antes por Pyongyang. Segundo o Governo de Seul, o exército do Norte quis atingir os altifalantes de propaganda anti-regime que o Sul instalou do seu lado da fronteira, voltados para lá do paralelo 38.
A Coreia do Norte não respondeu militarmente aos obuses do Sul, mas, horas depois da breve troca de disparos, Pyongyang fez um ultimato ao vizinho: se não interromper as emissões anti-regime na fronteira, o Norte voltará a tomar medidas militares. Isto apesar de o regime estar disposto a “ter abertura para resolver o conflito”, de acordo com o Ministério da Defesa de Seul. A Coreia do Sul recusou já terminar as emissões.
Seul aumentou o alerta do seu exército para o nível mais elevado. “As nossas forças armadas intensificaram a sua monitorização e estão a vigiar atentamente os movimentos do exército norte-coreano”, disse o ministro da Defesa da Coreia do Sul, citado pela Reuters. A Presidente sul-coreana, Park Geun-hye, disse às altas patentes do exército para "reagirem com firmeza” a qualquer provocação de Pyongyang.
O primeiro disparo vindo do Norte utilizou uma munição de 14,5 milímetros, antiaérea, e foi seguida de vários tiros de artilharia de 76,2 milímetros, perto de vinte minutos depois. O exército sul-coreano disparou dezenas de balas de calibre 155 contra aquilo que estimou ser o local de lançamento do ataque norte-coreano. Nenhum dos ataques fez feridos ou danos graves, embora o Governo sul-coreano tenha ordenado a saída de cerca de 100 pessoas de uma área residencial próxima da zona ocidental da fronteira.
A Coreia do Sul retomou as emissões de mensagem anti-regime no dia 10 de Agosto, algo que não fazia desde 2004. As emissões são uma retaliação do Sul à explosão, no início do mês, de uma mina na zona desmilitarizada que divide os dois países. Dois soldados sul-coreanos ficaram feridos e, apesar de o Norte recusar responsabilidade, Seul acusa-o de ter plantado a mina. Pyongyang diz que as emissões equivalem a uma declaração de guerra e, também em retaliação, retomou as suas próprias mensagens de propaganda voltadas para o Sul da fronteira dois dias depois de o seu vizinho o fazer.
Há mais uma razão para as tensões renovadas entre Norte e Sul. Segunda-feira foi o primeiro dia de novos exercícios militares dos exércitos norte-americano e sul-coreano, que periodicamente ensaiam cenários de uma invasão vinda do Norte. Pyongyang diz que os exercícios são um acto de guerra e que visam preparar um ataque no seu território. Na semana passada, o regime exigiu que os exercícios não fossem por diante e ameaçou com “o mais forte contra-ataque militar” em caso de incumprimento.
A Coreia do Norte lança frequentemente pequenos ataques ao exército sul-coreano, especialmente em períodos de exercícios militares. Mas respostas armadas do Sul são mais raras. A última troca de tiros entre os dois países aconteceu em Outubro, novamente sem vítimas. Soldados do Norte aproximaram-se então da zona desmilitarizada e iniciaram uma pequena troca de tiros como resposta aos disparos de alerta lançados pelo exército sul-coreano.
A explosão da mina na fronteira no início do mês, que mutilou os dois soldados sul-coreanos, fez com que Seul alterasse as suas regras de ataque. Os seus soldados deixaram de ter de disparar tiros de aviso caso avistem militares do Norte dentro da zona desmilitarizada.
PÚBLICO/montedo.com

Um comentário:

Anônimo disse...

olha o tamanho do Alfa-Alfa-Uno, rsrsrs

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics