2 de agosto de 2015

Brasil nega ter invadido espaço paraguaio em ação do Exército




EDUARDO CUCOLO
DE BRASÍLIA
Incidente foi manchete no principal jornal do Paraguai
(reprodução: montedo.com)
O governo brasileiro negou neste sábado (1º) que militares brasileiros tenham invadido o espaço paraguaio durante atividades da operação Ágata, que tem como objetivo reprimir delitos na fronteira entre os dois países.
O Paraguai fez um protesto formal contra o Brasil alegando invasão de soberania do país, por afirmar que as ações ocorreram em águas paraguaias. Nesta sexta-feira (31), o embaixador brasileiro em Assunção foi convocado para ouvir as queixas do governo do país vizinho.
O Ministério da Defesa informou neste sábado que todas as ações referentes à operação foram realizadas do lado brasileiro e que não houve incursão do lado paraguaio.
A reclamação dos vizinhos se refere a dois episódios. Na noite da última terça (28), segundo o governo brasileiro, três barcos de contrabandistas foram apreendidos do lado brasileiro. No momento em que as embarcações eram rebocadas, uma lancha do Exército foi atacada e houve troca de tiros. Os militares não foram feridos e saíram em busca dos atiradores, que não foram encontrados.
Leia também
Após tiroteio entre militares do Exército e contrabandistas, Paraguai protesta por violação da soberania fluvial
O jornal paraguaio "ABC Color", ao tratar do mesmo episódio, disse que eram seis embarcações, que estavam a 100 metros da costa paraguaia, na altura da cidade de Salto del Guairá, que faz fronteira com os municípios brasileiros de Mundo Novo (MS) e Guaíra (PR).
No dia seguinte, segundo o mesmo jornal, o confronto foi entre militares dos dois países. O Ministério da Defesa informou que o comando da operação Ágata desconhece esse incidente, e que nenhum militar brasileiro participou de qualquer atividade contra o Exército vizinho.
Ainda de acordo com o ministério, o embaixador do Brasil no Paraguai já informou ao governo vizinho que, mesmo assim, foi aberto um inquérito para apurar as ocorrências.
A Defesa divulgará na próxima segunda-feira (3) o balanço da operação Ágata, que terminou nesta sexta (31).
Folha/montedo.com

2 comentários:

Anônimo disse...

Normal demais essas denúncias. É só começar a combater os crimes na fronteira deles que os cartéis do crime começam a dizer mentiras nos jornais amigos para tentarem acabar com a operação. Os tiros contra os militares brasileiros certamente foram só para provocar e fazer os militares cometerem algum deslize. Tem que continuar metendo bala e prendendo quem faz e os que ajudam do nosso lado. As máfias poderosos com certeza estão instaladas por lá.

Ten Reis disse...

Todos sabem que a principal renda do Paraguai é o contrabando, não é novidade para ninguém, e toda vez que ocorre um confronto com contrabandistas o Paraguai sempre chora, não pela soberania, mas pelo prejuízo que estão tendo com essas operações...tonto é quem ainda cai nesse choro.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics