23 de abril de 2016

Coronel do Exército morre em acidente durante competição de Orientação em SC

O coronel Torrezam durante o percurso, pouco antes do acidente fatal

Rio Negrinho (SC)  - Um coronel do Exército faleceu na tarde deste sábado (23), durante uma etapa do Campeonato Brasileiro de Orientação, realizada no município do norte catarinense. O militar participava do chamado percurso longo, quando caiu em um barranco de pedra, vindo a falecer em função dos traumatismo sofridos.
Itamar Torrezam era um atleta experiente, com quase quarenta anos como orientista. Ele pertencia a arma de Infantaria e estava na reserva desde 2002. Sua ex-esposa, a Major Médica Carla Maria Clausi, é a primeira a comandar uma unidade do Exército. Ela é diretora do Hospital de Guarnição de João Pessoa.
A Confederação Brasileira de Orientação divulgou nota de pesar e confirmou a realização da segunda parte da competição neste domingo, em homenagem ao atleta falecido.

14 comentários:

Edmilson Braga disse...

o Cel Itamar Torrezan comandou o Camando de Fronteira Rondônia 6º BIS, entre os anos de 93 e 94, uma pena resta lamentar e me solidarizar junto a sua família.

Eduardo dos Anjos disse...

Quando eu participava das várias competições de orientação fazendo parte da equipe do CMS e FA, nos idos de 1980, foi quando conheci o então Cap Torrezan, que me ensinou muita coisa e macetes respeito de orientação. Militar altamente técnico e conhecedor do esporte, sempre incentivou os mais jovens a praticar este esporte. É lamentável que tenha ocorrido uma acidente fatal justamente com ele e praticando o esporte que mais gostava. Minhas sinceras condolências à sua digníssima família. Ten Anjos

Christian Bernhardt disse...

Nossa que triste notícia... fiz parte da CDE em 2007 e o Cel Torrezam sempre nos emprestava prismas, emits, cavaletes e dava todo o apoio e ajudava a montar as pistas.

Nos recebeu inclusive em sua casa para um delicioso jantar e fomos muito bem recebidos em sua casa.

É triste saber da morte de um grande atleta, militar e pessoa.

Meus pêsames! Vai com Deus guerreiro!

Maia disse...

Corrigindo apenas que a ex esposa não é a primeira mulher a comandar uma unidade do Exército.

Anônimo disse...

Lamentável. Deus console a família e dê forças para continuar.

Rodrigo Rocha Correa disse...

Dono da pagina favor corrigir o posto da TC Carla clausi

Ligia Almeida disse...

Era pai de um grande amigo ( irmão) do meu namorado, nós sempre frequentavamos a chacara da familia onde ele morava, estamos muito triste com a notícia.

Anônimo disse...

Maia , me desculpe , mas vc só pode ser um infeliz !! diante a uma tragedia dessas vc vem discutir se ela foi ou não a primeira mulher a comandar? Bizonho vc!!! Desnecessário e egotista seu comentário!!

Rogerio Bernardi disse...

Meus sentimentos a família

Bernadete Da Luz Andrade disse...

Bernadete L Andrade,
Muito triste o acontecimento filho, filha e genrro esao muito abalados com o acontecimento, nos estávamos no local da competição, que Deus o acolha em sua nova morada vou guardar a linda imagem dele sempre sorrindo. Meus pêsames a família

Edmilson Braga disse...

O Cel Torrezan comando o 6. BIS nos anos 92 e 93, e 93 e 94 como comentei anteriormente acima.

Jorge disse...

Lamentável. Conheci o Cel Torrezam e sua digníssima esposa, Maj Carla, durante viagem de serviço à Bruxelas em 2004. Fica aqui a minha manifestação de pesar à família pela perda traumática e que Deus os console. Cel Luis Ribeiro (CML).

Anônimo disse...

É interessante notar como o espírito de solidariedade cristã está sendo relegado a segundo plano. Pois, os comentários em posts de efemérides de militares são focados em fatos irrelevantes em relação ao próprio falecimento do militar. Cito dois exemplos:

1. Um post anterior sobre a condenação de assassinos de um oficial QAO, em Fortaleza, Ceará, recebeu inúmeros comentários sobre o erro do serviço de identificação do Exército em ter impresso na identidade do oficial falecido como de "Material Bélico" e não como de QAO;

2. Esse agora do falecimento do coronel, recebe comentários sobre a correção do posto da ex-esposa e que ela não é a primeira mulher comandante.

Senhores, nem na morte estamos respeitando a dor familiar e a memória do falecido. Estamos a todo o tempo nos fixando em bobagens e coisas insignificantes.

Peço desculpas a quem não concorda, mas precisamos - a sociedade inteira - fazer uma reflexão sobre que seres humanos estamos nos transformando (isso se ainda nos resta algo de humanos).

P.S.: sugiro a leitura do livro "A condição humana", obra da filósofa Hannah Arendt. E Percebam que estamos nos transformando em produtos de consumo de nós mesmos.

Erminio M. Berni disse...

Pois é, indio veio vc partiu antes, mas como sempre foi um bom amigo, lembro com saudades de nossos papos em Guajará-Mirim junto com a Carlinha, então não tem muito a dizer, nos encontramos por ai pq, a infantaria não morre, apenas se reagrupa no inferno para seguir lutando, inté bode veio

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics