23 de abril de 2016

Coronel do Exército morre em acidente durante competição de Orientação em SC

O coronel Torrezam durante o percurso, pouco antes do acidente fatal

Rio Negrinho (SC)  - Um coronel do Exército faleceu na tarde deste sábado (23), durante uma etapa do Campeonato Brasileiro de Orientação, realizada no município do norte catarinense. O militar participava do chamado percurso longo, quando caiu em um barranco de pedra, vindo a falecer em função dos traumatismo sofridos.
Itamar Torrezam era um atleta experiente, com quase quarenta anos como orientista. Ele pertencia a arma de Infantaria e estava na reserva desde 2002. Sua ex-esposa, a Major Médica Carla Maria Clausi, é a primeira a comandar uma unidade do Exército. Ela é diretora do Hospital de Guarnição de João Pessoa.
A Confederação Brasileira de Orientação divulgou nota de pesar e confirmou a realização da segunda parte da competição neste domingo, em homenagem ao atleta falecido.

13 comentários:

Edmilson Braga disse...

o Cel Itamar Torrezan comandou o Camando de Fronteira Rondônia 6º BIS, entre os anos de 93 e 94, uma pena resta lamentar e me solidarizar junto a sua família.

Eduardo dos Anjos disse...

Quando eu participava das várias competições de orientação fazendo parte da equipe do CMS e FA, nos idos de 1980, foi quando conheci o então Cap Torrezan, que me ensinou muita coisa e macetes respeito de orientação. Militar altamente técnico e conhecedor do esporte, sempre incentivou os mais jovens a praticar este esporte. É lamentável que tenha ocorrido uma acidente fatal justamente com ele e praticando o esporte que mais gostava. Minhas sinceras condolências à sua digníssima família. Ten Anjos

Christian Bernhardt disse...

Nossa que triste notícia... fiz parte da CDE em 2007 e o Cel Torrezam sempre nos emprestava prismas, emits, cavaletes e dava todo o apoio e ajudava a montar as pistas.

Nos recebeu inclusive em sua casa para um delicioso jantar e fomos muito bem recebidos em sua casa.

É triste saber da morte de um grande atleta, militar e pessoa.

Meus pêsames! Vai com Deus guerreiro!

Maia disse...

Corrigindo apenas que a ex esposa não é a primeira mulher a comandar uma unidade do Exército.

Anônimo disse...

Lamentável. Deus console a família e dê forças para continuar.

Rodrigo Rocha Correa disse...

Dono da pagina favor corrigir o posto da TC Carla clausi

Ligia Almeida disse...

Era pai de um grande amigo ( irmão) do meu namorado, nós sempre frequentavamos a chacara da familia onde ele morava, estamos muito triste com a notícia.

Anônimo disse...

Maia , me desculpe , mas vc só pode ser um infeliz !! diante a uma tragedia dessas vc vem discutir se ela foi ou não a primeira mulher a comandar? Bizonho vc!!! Desnecessário e egotista seu comentário!!

Rogerio Bernardi disse...

Meus sentimentos a família

Bernadete Da Luz Andrade disse...

Bernadete L Andrade,
Muito triste o acontecimento filho, filha e genrro esao muito abalados com o acontecimento, nos estávamos no local da competição, que Deus o acolha em sua nova morada vou guardar a linda imagem dele sempre sorrindo. Meus pêsames a família

Edmilson Braga disse...

O Cel Torrezan comando o 6. BIS nos anos 92 e 93, e 93 e 94 como comentei anteriormente acima.

Jorge disse...

Lamentável. Conheci o Cel Torrezam e sua digníssima esposa, Maj Carla, durante viagem de serviço à Bruxelas em 2004. Fica aqui a minha manifestação de pesar à família pela perda traumática e que Deus os console. Cel Luis Ribeiro (CML).

Anônimo disse...

É interessante notar como o espírito de solidariedade cristã está sendo relegado a segundo plano. Pois, os comentários em posts de efemérides de militares são focados em fatos irrelevantes em relação ao próprio falecimento do militar. Cito dois exemplos:

1. Um post anterior sobre a condenação de assassinos de um oficial QAO, em Fortaleza, Ceará, recebeu inúmeros comentários sobre o erro do serviço de identificação do Exército em ter impresso na identidade do oficial falecido como de "Material Bélico" e não como de QAO;

2. Esse agora do falecimento do coronel, recebe comentários sobre a correção do posto da ex-esposa e que ela não é a primeira mulher comandante.

Senhores, nem na morte estamos respeitando a dor familiar e a memória do falecido. Estamos a todo o tempo nos fixando em bobagens e coisas insignificantes.

Peço desculpas a quem não concorda, mas precisamos - a sociedade inteira - fazer uma reflexão sobre que seres humanos estamos nos transformando (isso se ainda nos resta algo de humanos).

P.S.: sugiro a leitura do livro "A condição humana", obra da filósofa Hannah Arendt. E Percebam que estamos nos transformando em produtos de consumo de nós mesmos.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics