1 de agosto de 2015

Acredite, se quiser. A manchete é essa: "Crueldade: Exército brasileiro tortura e mata coelho".

Leiam a matéria. Comento no final.

Crueldade: Exército brasileiro tortura e mata coelho
Imagens são extremamente violentas e mostram um soldado, coagido por superiores, matando um coelho à paulada para comer os seus olhos.
Crueldade: Exército brasileiro tortura e mata coelho
Os abusos praticados pelo Exército brasileiro contra o animal vieram à tona por meio de um vídeo, nesta semana. A gravação foi feita em Porto Velho (RO), durante um treinamento de sobrevivência na selva.
“Eu quero ver o olho desse coelho pular fora”, ordena um dos militares. Ele instrui o rapaz a segurar o animal com uma mão e dar o golpe com a outra. Ao hesitar, o soldado é ridicularizado e coagido a agir. “Está com medo de machucar o coelho? Está com dó? Pancada única, anda logo”, diz um dos superiores, enquanto outro zomba: “Por que tu tá tremendo?”.
O coelho é enfim atingido com um golpe na cabeça, que faz os seus olhos saltarem. Os militares cortam os olhos do animal imediatamente e forçam o soldado a comer, parabenizando-o em seguida. O coelho continua vivo, agonizando.
Assista o vídeo, em reportagem da Rede TV-SP.
“É uma técnica de extrema violência contra um animal indefeso”, lamenta Rosangela Ribeiro, gerente de programas veterinários da World Animal Protection.
Para ela, “as cenas mostram uma incitação à violência e ao sadismo, que não se encaixam em uma instituição pública”.

Carta ao Ministério
Na quinta-feira (30), a World Animal Protection enviou uma carta ao ministro Jaques Wagner, solicitando que o Ministério da Defesa apure o caso e garanta o tratamento ético a animais em todas instituições brasileiras.
“Sabemos que os animais são seres sencientes, são tutelados pelo Estado e possuem direitos”, lembra Rosangela Ribeiro, “cabe a nós assegurá-los”.

Sindicância militar
O caso está sendo investigado por uma sindicância militar, que reconheceu a autenticidade das imagens e informou que elas foram gravadas em junho deste ano.
Em nota, afirmaram que soldados são frequentemente submetidos a testes para aprender a obter alimentos da natureza. Segundo o alto comando do Exército, todavia, o comportamento dos militares no vídeo não condiz com as normas da instituição.
“Torturar e matar um animal dessa maneira configura maus-tratos”, critica Rosangela Ribeiro, citando a lei de crimes ambientais.
De acordo com o artigo 32 da Lei Federal nº 9605/98, praticar ato de abuso, maus tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos é crime.

Faça sua parte
Ajude-nos a divulgar o caso e a cobrar mudanças na conduta moral do Exército brasileiro. Compartilhe a notícia e use a hashtag: #ExercitoSemCrueldade.
PROTEÇÃO ANIMAL MUNDIAL/montedo.com

Comento
A patrulha do politicamente correto há muito assumiu contornos surreais. O vídeo registra uma oficina comum em instruções de sobrevivência. Não se trata de crueldade pura e simples com o coelho e sim de uma atividade desagradável, mas necessária à formação militar. Tratar o fato como tortura de animais é um flagrante exagero.
O Exército, por sua vez, surfa na onda dos 'certinhos' e diz que vai abrir sindicância. Sindicar o quê, cara pálida? Além do tradicional embuste e gritaria, não há nada demais registrado no vídeo. O milico que nunca comeu um olho de coelho 'in natura' que atire a primeira pedra.

Pensando bem
Não é de hoje que viramos uma tropa de escoteiros.

21 comentários:

Anônimo disse...

Antes de qualquer providência, essa ong toda poderia ser convidada a ficar em contato com a natureza realizando o estagio de adaptação à vida na selva. Ai teria mais conhecimento sobre o assunto para melhor espalhar as ideias sobre a realidade de uma guerra. Fácil falar de estômago pleno. A fome é a pior situação do ser humano. Erro de equipe da aula deixar se fazer imagens, e pior divulgar. A Selva nos une.

Anônimo disse...

Ôpa! espera aí Montedo!
Todos nós militares sabemos que é necessário a instrução de sobrevivência incluindo as TÉCNICAS de obtenção de alimentos com MORTE DE COELHO, GALINHA E OUTROS.
Agora, ficar de brincadeirinha quando o instrutor deveria se ater à técnica!!?? Muito amadorismo nessa instrução.
Devemos respeito ao alimento, ao animal sacrificado pra nos manter vivos. Qualquer tribo, povo ou nação tem essa consideração!
Ficou nítido que a atenção estava voltada ao medo do instruendo do que a correta aplicação da técnica.
Por essas e outras que acontece abusos onde instruendo acabam morrendo na mão de instrutores nada profissionais.
Vc deve lembrar o caso dos quatro alunos do Guerra na Selva que morreram na piscina porque os instrutores resolveram baixar o nível da água, e lotaram a piscina de alunos, impedindo que eles se apoiassem nas bordas.
O instruendo deve aprender a técnica com profissionalismo, e não servir de chacota pra turma de amadores.

Anônimo disse...

como já comentei há tempos, maldita mídia que extrapola o contexto da realidade...Vamos divulgar a execução de frangos, bois, porcos para suprir o mercado de carnes no Brasil...De repente todos os brasileiros se tornarão vegetarianos pela imagem chocante das cenas...

Anônimo disse...

Iria comentar, mas como o comentário "2 de agosto de 2015 00:12" já disse tudo, passo só para ressaltar sua observação. Parabéns..

Anônimo disse...

Esse Exército tá muito atrasado... Já existem aplicativos de celular prá pedir comida e esse povo ainda tá matando coelho a paulada...

Anônimo disse...

Isso ai é o que dá quando uma equipe de instrução fica de brincadeira numa atividade que deve ser levada dentro do rigor da técnica.....Esse instrutor estava querendo se aparecer e expor o instruendo ao ridículo......O Cmt também deve ser responsabilizado por ter colocado uma equipe de amadores para lhe dar com coisa séria.....Chacota, já basta a que é feita com nossos salários......Instrução de sobrevivência e PG, dentre outras NÃO SE FILMA!!!!!1Sgt

Anônimo disse...

Porque a P. Da instrução foi gravada? Mania essa de registrar tudo, até o que não se deve!

Anônimo disse...

Para matar um animal que servirá de alimento na sobrevivência e para matar a fome extrema na floresta não precisa de sadismo. Para ensinar a prática de eliminar um sentinela inimigo não precisa matar um aluno. Para mostrar que uma armadilha funciona para matar não precisa entrar nela. Uma perguntinha: para quê tantas filmagens? Isso é piquenique de escoteiros? Eu contei uns cinco filmando tudo. Deve ter outra maneira mais "humana" de tratar os animais que serão sacrificados. Quando for na real, na selva, perdidos, em missão, qualquer animal "comível" vai ser morto, não importa os meios, mas sem sadismo.

Anônimo disse...

Nada justifica o modo como foi conduzidava instrução, que estavava uma galhofa.
Correção de atitudes, maturidade passaram longe nesse dia.
Filmar pra quê, com que propósito, autorizado por quem?
Subtenente Aloprado.

Anônimo disse...

Sindicância? Ah sim, só se for pra apurar quem gravou e divulgou as imagens.Ou alguém espera outra conclusão?

Anônimo disse...

Novos tempos, o incompetente filma a própria desgraça. Fico pensando se filmassem a instrução do pico do gavião de 88, e o que havia no sopão, quem estava lá sabe. kkkkkkkkkkkkk

keko marques disse...

Estive por 7 anos na SELVA, e nunca vi um coelho dando sopa. A não ser um, que apareceu no pnr uma vez, e eu peguei pra criar.

Anônimo disse...

Qualquer instrução, por mais polêmica que seja, ministrada com seriedade da equipe não da problema. Só da problema quando o instrutor fica de gracinha e algum desinformado alem de registrar ainda divulga.

Anônimo disse...

Quem deixou filmar isso eh um mero amador.

Anônimo disse...

Final da sindicância: o culpado é o coelho. Quem mandou ele aparecer por lá?

Anônimo disse...

Concordo com o 2 de agosto de 2015 19:35, se eu for nomeado para sindicante eu vou jogar a culpa no coelho...

Anônimo disse...

Concordo totalmente com Anônimo 2 de agosto de 2015 00:12

Muitos ignorantes culpando a filmagem. Até parece os corruptos da Petrobras culpando os DELATORES. A filmagem só registrou o que aconteceu, ou seja, a incompetência da turma de instrução. Se tivesse tudo sido feito com profissionalismo, a filmagem não causaria polêmica alguma.
Quem não deve não teme filmagem alguma.
Fez M..., assume instrutor!!! Ou suma do EB, já temos amadores demais por aqui. Dê a vez a profissionais de verdade.

Anônimo disse...

Caro montedo e colegas, nos somos amadores de escoteiros e não escoteiros. As FFAA acabou a muito tempo, pois hoje não pode se fazer nada ou é IPM, Sindicancia, entre outros e por motivos banais. Onde qualquer ONG de direitos humanos, direitos animais, direitos ambientais fica metendo o fedelho. Logico que entendo que o respeito pelo vida do animal é importante não fazendo o animal sofrer, mas são instruções importantes. Daqui a pouco estaremos formando militares jogando video game de combate. Vejo muitos escoteiros fazerem campos muito mais ralados que os nossos, com instruções muito mais profissionais e não ralando os alunos por bobeira de ego onde o aluno somente sai sugado e sem saber nada de conhecimento tecnico.
As FFAA esta virando brincadeira onde qualquer um mete o dedo, processa e faz o que quer com a entidade militar e nossos comandantes deixam calados...
Por que isso só acontece aqui não vejo noticias de ONGs metendo fedelho em FFAA de outros paises??? É que aqui é facil e tudo mundo deixa e fica calado..

Anônimo disse...

Chacota? Não vi isso no video, o instruendo, colado é estimulado pelos métodos tradicionais (tomando carga) não vi humilhação e muito menos alguém querendo aparecer, me desculpem os moralistas acima.

Anônimo disse...

O pior de tudo é que tem comandante que ainda endossa esse "politicamente correto".

Por isso, que hoje na tropa, quando você chama a responsabilidade um subordinado, de forma ríspida (a nossa tradicional "mij..."), o militar faz cara de coitadinho, chora e diz logo que vai procurar seus "direitos"!!!

Verdadeiro Exército de formaturas e aparências que se está produzindo.

Jose Livramento disse...

Na GUERRA TEM MC DONALD'S?????

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics