12 de setembro de 2015

Anjos de farda: Exército e Marinha levam assistência hospitalar à áreas de difícil acesso no MS

Marinha e Exército realiza inúmeros atendimento em áreas com difícil acesso


Swellen Freitas Agostini
Corumbá (MS)  - O navio da Marinha do Brasil, "Tenente Maximiano" realizou nos últimos 15 dias, na parte norte do Rio Paraguai, atendimentos de assistência hospitalar, contando com equipe médica formada por dois médicos, dois dentistas, cinco enfermeiros e um técnico em higiene bucal da Marinha e Exército.
Durante a ação foram realizados 183 atendimentos médicos, 90 atendimentos odontológicos e distribuídos cerca de nove mil medicamentos e 100 quilos de roupas. O trabalho atual ressalta a integração dos militares das Forças Armadas na busca de proteção e cuidado com a população da fronteira oeste.

As Instituições militares realizaram os atendimentos nas localidades de Porto Jatobazinho, Porto Paraguai Mirim, Porto Barra de São Lourenço, Fazenda Amolar, Porto Chané, Porto Tamarineiro, Porto Santa Catarina e Codrasa.
Correio de Corumbá/montedo.com

6 comentários:

Anônimo disse...

Bom dia a todos, eta nossas forças armadas! desvalorizadas por este governo corrupto, mas na contramão dessa bagunça, mostrando que com poucos recursos, mas trabalhando de maneira séria e atacando nos focos dos problemas, continuamos ajudando o nosso povo brasileiro, que tão sofrido, se vê a mercê desse descaso, faço parte dessa família que tanto me orgulha, e espero que no momento certo, caso seja necessário, botaremos nosso país no rumo certo, são essas ações é que nos fazem diferente, só que essas ações deveriam ser mais exploradas por nossos meios de acesso a mídia, que muitos brasileiros não ficam sabendo de nossas ações, volto a repetir, enquanto nas outras instituições qualquer apreensão se faz um alarde danado, e com isso fazem seus nomes, temos que divulgas mais nossas atividades, pois só colocá-las nos sites militares, na minha opinião fica muito restrito, bom final de semana a todos.

Anônimo disse...

Desde quando me conheço por gente, ouvi e vejo essas ações merecedoras da gratidão do povo brasileiro.Ações como essas em áreas remotas, principalmente da amazônia, são a única oportunidade das populações locais de terem um atendimento médico hospitalar, coisa que só são prometidas pelos governantes locais na época de eleições.Quando o Estado se ausenta, ONG's e outros grupos internacionais se instalam e promovem alguma assistência sem "segundas intenções". As Forças Armadas, apesar das dificuldades crescentes e salários decadentes, sempre estarão presentes para o bem estar dessas populações.Quem tiver uma oportunidade de participar para conhecer esse povo brasileiro, verdadeiros heróis esquecidos, e as belezas da nossa terra, não pensem em dificuldades e participem. Vale a pena.

Anônimo disse...

Faço coro com o anônimo de 12 de setembro de 2015 08:10 e endosso suas palavras.
As FFAA são um "sonho" para muitos brasileiros. O ingresso nas FFAA é "vendido" como um IDEAL, uma conquista, realização profissional e pessoal.
Os comandantes deveriam se esforçar para tornar isso uma realidade, orgulho de seus membros; tratamento, treinamento, salário de elite.
Um corpo íntegro, saudável, qualquer membro que lhe falte, qualquer membro atingido, torna-se deficiente, com limitações.
As FFAA ainda têm, dentre as instituições da República, o maior índice de confiança e respeito pela população. É um sentimento de paternidade, proteção, apoio, abraço, confiança, credibilidade, LIDERANÇA! Não deixem isso morrer! Cada membro deve ter seu valor reconhecido. AVANTE!

Marinho disse...

cadê o exército do Stédile???

Anônimo disse...

As FFAA se resumiram em assistencia social, isso demonstra que o fim das ffaa seria bem muito grande pra o Brasil,e as verbas gastas com MD seria melhor distribuida entre a saude e educacao ja que as ffaa so fazem isso, e pra fazer isso os orgaos da saude e educacao farao tbm.

Anônimo disse...

Acho muito bom que EB, MB e FAB participem de atos como estes para essas populações abandonadas, onde só mesmo as FFAA têm coragem de atuar. Porém vejo que as autoridades que teriam obrigação de fazer este serviço, por exemplo prefeitos, se acomodam, tornando esses atendimentos obrigatoriedades dos militares. Isto não está correto! Também não está correto, enquanto as Forças cuidam da população, deixarem seus integrantes, principalmente os praças, serem destratados quando procuram atendimento nos seus respectivos hospitais. Muitos dos atendentes ficam mandando as pessoas fazerem um plano de saúde particular para terem atendimento decente. Ora! Os militares são descontados em seus contracheques para serem atendidos decentemente. Por que, então, não deixam de descontar e criam um convênio com algum plano como a maioria das empresas privadas?

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics