11 de setembro de 2015

O Fator Camarinha: saiba como Dilma voltou atrás face seus militares encolerizados

Claudio Tognolli
Vou te contar o que foi revelado a este blog por um militar de alta patente: como Dilma foi alertada a voltar atrás na briga que comprou com militares. A dica veio de um conselheiro (militar), que a ela disparou: “Presidente, cuidado com o fator Camarinha…o Sarney sabe muito bem o que é isso..”
Antes de te explicar o que é o Fator Camarinha, vamos relembrar a crise de Dilma com os milicos.
Para tentar reverter o problema criado com os comandantes militares, o ministro da Defesa, Jaques Wagner, vai assinar uma portaria devolvendo ao titulares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica o poder de editar atos relativos a pessoal militar –como transferência para a reserva remunerada de oficiais superiores, intermediários e subalternos, reforma de oficiais da ativa e transferências para o exterior.
Os militares já dispunham, classicamente, desse poder. Mas como Dilma dispõe da singular capacidade de pisar na bola com ela mesma, na semana passada a secretária geral do Ministério da Defesa, Eva Chiavon, pediu à Casa Civil que encaminhasse o decreto 8515, a tirar poder dos comandantes. E impôs que a presidente Dilma Rousseff assinasse o decreto antes do 7 de setembro.
A publicação do texto no Diário Oficial da União (DOU) foi na sexta-feira.
Publicar um decreto deste teor, tirando poderes da cúpula militar, e sem comunicar aos comandantes, foi considerado “inaceitável”. Os milicos coçaram o coldre (afinal sob Dilma eles também viraram homens de gatilho fácil…)
O ministro da Defesa Jaques Wagner entrou na área, labutando naquilo a que chamaram de “operação absorvente”: para evitar maior derramamento de sangue….

O fator Camarinha
O ex-chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (EMFA), Tenente-Brigadeiro do Ar Paulo Roberto Coutinho Camarinha, morreu a 30 de abril de 2013, aos 89 anos, no Rio de Janeiro. Foi sobre um episódio a ele sucedido que aconselharam a Dilma.
Paulo Roberto Coutinho Camarinha foi o brigadeiro mais famoso depois do outro brigadeiro, Eduardo Gomes (candidato à Presidência em 1945).
E Paulo Roberto Coutinho Camarinha protagonizou a mais aguda crise militar desde a abertura política.
Quando a inflação corria solta sob Sarney presidente, um instrumento calibrava os salários: chamava-se URP (unidade de referência de preços). Por ela, salários de todo o Brasil (incluindo de servidores públicos, como militares) eram reajustados mensalmente, para se cobrir a corrosão inflacionária.
Sarney resolveu cortar a URP. Salários iriam para o espaço. O efeito foi algo inesperado: nivelou os destinos de sindicalistas e militares. Todos passaram a lutar ombro a ombro. Camarinha foi capa de “Veja”, batizado de “O brigadeiro da URP”. Nunca antes na história desse país (nem sob Vargas) um milico havia sido tão elogiado por sindicalistas.
O alinhamento ao “peonato” custou caro ao Tenente-Brigadeiro do Ar Paulo Roberto Coutinho Camarinha. O presidente Sarney o demitiu a 17 de junho de 1988. “Não posso admitir que minha autoridade seja questionada”, disparou Sarney contra o military defenestrado por ter se aliado com os “peões”.
Eis o que me mandou sobre o episódio o militar de alta patente:
Esse é o “Fator Camarinha”: se Dilma não tivesse voltado atrás de ter tirado o poder dos militares, iria ser peitada por eles, publicamente. Teria de reagir inovocando a autoridade (como fez Sarney). Ato contínuo, teria de demitir milicos: algo nada potável para quem está sendo rifada a cada dia por um oponente diferente…
Yahoo/montedo.com

15 comentários:

Anônimo disse...

Isto aqui está mais é parecendo “fofoquinha de maricotas”. Também, Sarney não demitiu militar nenhum. Pelo que entendo, quando se demite alguém, este deixa de ter vínculo com a empresa e não recebe seu salário da mesma. Foi isto que aconteceu com o brigadeiro? Ele ficou desempregado? Não! Então que demissão foi essa? Essas autoridades, quando punidas, são na verdade premiadas. Vejam os juízes, por exemplo, punição é sinônimo de aposentadoria, ou seja, passam a ganhar sem precisar trabalhar. Demitidos são só os pobres "MORTAIS".

Lauro Costa disse...

O erro do Urubu é pensar que o boi está morto!!! Muitos falam mal dos comandantes militares por não se manifestarem publicamente a respeito das mazelas causadas por esses "governos" ao país, só temos sobre isso algumas notas de alguns generais da reserva; mas poucos dão crédito depois que vestem o pijama. Pois a voz de um líder militar ecoa melhor dentro da farda.Foi um erro dos "infiltrados" no Ministério da Defesa acreditar na morte do boi, pois o mesmo foi acordado por uma manada de bezerros espalhados pelo Brasil e pelas redes sociais e terão que frear o estouro da boiada. Obrigado Blog do Montedo, site Sociedade Militar e Grupo no Facebook Família Militar Nacional por nos manter informados.

Whisky Echo disse...

Na realidade não devolveu nada, porque o decreto 8515 continua valendo ela apenas concordou em "Devolver as atribuições" via Portaria delegando aos militares o que já era deles. E como todos sabem portarias podem ser revogada a bel prazer da presidente. É só alguem ir contra a sua vontade que ela revoga a portaria e faz valer o decreto 8515. Mais uma vez os lobos vestem pele de ovelha e o rebanho faz de conta que não reconhece o lobo.

daniel camilo disse...

O correto é esse Decreto deve ser REVOGADO. Tenho certeza que "nas entrelinhas" desse Decreto há assuntos mais importantes que o PT vai mudar nas Forças Armadas. O PT não dá mole. Essa ideia de que Dilma é tola não convence pois quem manda nela é o Lula, o Foro de São Paulo e a Unasul. Na Venezuela foi assim! Reafirmo: estamos sendo enganados. O Decreto deve ser revogado para nossa garantia e sossego.

Anônimo disse...

...se Dilma não tivesse voltado atrás de ter tirado o poder dos militares, iria ser peitada por eles, publicamente... Ah isso eu duvido!!!


Rosseau

Anônimo disse...

OLHA ESSA ....

11 SET
Categorias federais suspendem greve após 50 dias

MUDANÇA EM PAUTA
O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), declarou ontem que vai votar na próxima semana o projeto de lei que aumenta de 70 para 75 anos a idade da aposentadoria compulsória para o funcionalismo público de todo o país. Está em análise se a Casa vai incluir servidores do Judiciário.

AMPLIAÇÃO PREVISTA
A PEC da Bengala, aprovada pelo Congresso em maio deste ano, ampliou a idade de aposentadoria compulsória de ministros de tribunais superiores e do Tribunal de Contas da União. A medida não contemplava o funcionalismo público das demais áreas. O tema tem apoio do pessoal da base e da oposição.

Anônimo disse...

==> IMPORTANTISSIMO. ( NÃO ADIANTA VER NA IMPRENSA E NOS SITES UM ASSUNTO DA CASERNA E NÃO DIVULGAR. NÃO FAZ SENTIDO. )

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Licenças Especiais não gozadas: Advogado sustenta perante o TRF4 o direito dos militares

http://www.odireitodomilitar.blogspot.com.br/

Anônimo disse...

LÍDER o Brigadeiro Camarinha!!!
Brigou pelo salários dos militares, que no final das contas é o dele também.
E não perdeu nada ao peitar e ser afastado do rei do Maranhão, senhor feudal, Sarney, que todos já conhecem bem a conduta.
Não se apegou ao cargo e a proximidade do poder.
Parabéns a FAB por ter tido em seus quadros personagens como o Brigadeiro Camarinha!

Amauri disse...

No próprio Decreto Presidencial nº 8515 já está previsto a SUBdelegação das competências aos Comandantes das respectivas Forças. O próprio Ministro da Defesa já emitiu esclarecimento oficial q fará tal ato em Portaria Ministerial em data oportuna.

Anônimo disse...

Alguns pontos: 1)Na casa onde todos mandam mais que a presidente, o resultado é desastroso, verdadeiro "tiro no pé";
2)Sarney foi um "exemplo". Vejam como deixou o seu Estado, Maranhão, e seu "adotado, Amapá.Pobreza generalizada e ele e sua família mais ricos;
3)Na época do Camarinha os militares tinham mais poder e não eram comandados por um civil alinhado com a esquerda atual;
4)Essa medida, da presidente, saiu tardia e não teve o efeito que eles planejaram, pois antes estouraram todas essas ações e condenações do lava jato e o petrolão;
5)Se apenas foi delegado os poderes aos militares, então, a qualquer momento pode ser retirado deles novamente. Basta trocar o Ministro da Defesa por um esquerdista "roxo", como qualquer um desses líderes de movimentos "guerrilheiros" atuais fantasiados de movimento sociais.
Esperamos sinceramente que os atuais comandantes tomem medidas antecipadas e não deixem a situação se agravar.

Anônimo disse...

Um DECRETO que é APROVADO, na calada da noite, sem os principais titulares da pasta saberem de nada, se não é GOLPE é o quê?
Ah... tá... presente de papai noel para a tropa. Tá explicado!

Amauri disse...

Como bem colocou o comentarista das 10:19, O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), resolverá a "choradeira" daqueles milicos q acreditam q "perderam" atribuições de competência "exclusiva" dos comandantes militares [prerrogativas de Ministros de Estado (no caso específico, do Ministro da Defesa)]!!!! Ele colocará, na próxima semana, o projeto de lei que aumenta de 70 para 75 anos a idade da aposentadoria compulsória para o funcionalismo público de todo o país. Sendo q na terça-feira (15/09/15) consultará os líderes partidários. Excelente notícia para os "Chefes" pois poderão aproveitar + um bom tempo das regalias [PNR reformados anualmente, diárias p/ as visitas oficiais, movimentações bienais (na pior hipótese), cartão corporativo, carros oficiais, motoristas, seguranças, incremento de despesa com alimentação, assistentes, assessores, ajudantes, etc)!!!

Anônimo disse...

"se Dilma não tivesse voltado atrás de ter tirado o poder dos militares, iria ser peitada por eles, publicamente."
Sério!? pagaria para ver.

Anônimo disse...

Resumo da "ÓPERA": País de ALICE: A presidente faz de conta que manda; os subordinados fazem de conta que recebem ordens; o Congresso faz de conta que ajuda; o Lula faz de conta que não é mais o presidente; as empresas estatais fazem de conta que funcionam; o TCU faz de conta que as contas estão corretas; o TSE faz de conta que os candidatos são todos honestos;e, os militares fazem de conta que tem bons salários.

Anônimo disse...

se Dilma nao tivesse voltado atras da decisao de tirar o poder dos comte militares por ser fraca, nada teria acontecido, o EB ia dizer braco forte mao amiga, a Marinha ia dizer deixa que Deus castiga, ja FAB huumm sei la nao ia da em nada mesmo.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics