25 de novembro de 2015

Bingo! Batalhão do Exército deve ser desativado após a Olimpíada

A matéria confirma a informação publicada  no blog neste domingo (22):

Depois dos Jogos OlímpicosAs ações que envolvem unidades envolvidas diretamente com a Olimpíada só seriam implementadas após os Jogos.

56º BI pode ser desativado após Jogos Olímpicos
O comandante do 56º Batalhão de Infantaria (BI) do Exército Brasileiro, tenente coronel Cleiton Souza Cruz, está preparando a defesa de permanência da unidade em Campos, a ser entregue a 9ª Brigada de Infantaria Motorizada, no Rio de Janeiro, na próxima sexta-feira (27). Segundo Cruz, o 56º BI poderá ser desativado após os Jogos Olímpicos de 2016, conforme proposta apresentada durante a 302ª Reunião do Auto Comando do Exército (ACE), realizada em 30 de outubro deste ano, em Brasília. Um movimento nesta segunda-feira no calçadão Boulevard Francisco de Paula Carneiro, no centro de Campos, chamou a atenção da população para o possível fechamento da unidade.
O comandante esclareceu que, através da documentação da 302ª Reunião, os generais solicitaram que ele fizesse uma espécie de argumentação, defendendo ou não, a permanência do batalhão em Campos. “Na minha primeira argumentação defendi pela permanência. O batalhão tem história e uma ligação muito forte com a cidade. Campos é uma cidade muito boa e tenho militares que gostam da cidade”.
Leia também
Cortando na carne: Exército deve desativar unidades e reduzir número de recrutas nos próximos dois anos
Abaixo-assinado e reportagens
Segundo Cruz, a proposta de desativar o 56º BI foi da Secretaria de Economia e Finanças do ACE em função da Lei Orçamentária Anual (LOA) do Governo Federal. “Dentro da LOA, o governo anunciou que haverá muitos cortes dentro das Forçam Armadas para o período de 2016 e 2017, com reflexos para o Exército, que terá que listar o que é prioridade”, ressaltou.
De acordo com Cruz, o fechamento do quartel poderá causar um impacto negativo para Campos e região. “Nós temos no 56º BI 1.700 usuários do sistema de saúde, que são os ativos, inativos, pensionistas e dependentes. Caso feche o batalhão, este público terá que buscar pelo atendimento em outras unidades mais próximas. Campos é uma referência nacional, pois muitas pessoas de outros municípios e estados são atendidos no 56º BI, e isso faz parte da minha defesa”, lembrando que a despesa com a folha de pagamento de pessoal é de R$ 75 milhões por ano.

Movimento
Segundo o organizador do movimento, Joilson José Terra, estão sendo recolhidas assinaturas que poderão chegar às mãos da presidente Dilma Rousseff. Segundo Terra, o abaixo-assinado e reportagens de jornal do movimento anterior serão levados ao comandante do 56º BI, tenente-coronel Cleiton Sousa Cruz, para que ele encaminhe ao Ministério do Exército.
O DIÁRIO/montedo.com

14 comentários:

Anônimo disse...

poderiam fazer uma desativação em alguns quarteis da vila militar-RS que sao ociosos pro efetivo que tem e de algumas cidades do RS.
mas isso aumentaria nosso soldo?

Sgt

Anônimo disse...

Montedo poderia ficar melhor de acabasse com os PTTC verdadeiros (vampiros), estes senhores já trabalharam demais agora merecem o devido descanso, a economia seria tremenda é muito dinheiro gastos com os PTTC sem necessidade, não sei o que estes senhores ainda querem dentro dos quarteis, vão cuidar da saúde da família. A Presidenta da República deveria ver isto tb e o dinheiro deveria ser usado para compra de equipamentos e armamento já que o nosso fuzil 7,62 mm, já esta ultrapassado. Fica a DICA ok

Anônimo disse...

Tenho lido muitas criticas contra os PTTC, mas o que vi antes de ir prá reserva, são muitos militares preguiçosos, sem iniciativa, que já chegam das Escolas cansados e pasmem, tirando o corpo fora. Não são voluntarios para nada, a não ser que tenha diárias, fora isso, não podem nada e utilizam as suas familias como escudo, para sairem mais cedo, dispensas, ferias, transferemcias, uma vergonha.

Militares com 5 .. 10 anos de serviço, que reclamam o tempo todo, estragando o ambiente de trabalho e não fazem nada para melhorar para a coletividade.

Saem dos alojamentos, não apagam uma luz, jogam papeis e outras coisas no chão, não possuem higiene, e outras barbaridades.

Na Seção, acham que ao fazer um DIEx, já ganharam o dia. Não fazem nada sem que alguem mande. Muitas vezes nem a sua mesa de trabalho arrumam ou passam um pano, e quando o fazem, chamam um soldado. Computador,teclados empoeirados, gavetas cheias de lixo, etc .. celotex amarelados, desatualizados, ficam no Cel e redes socias o tempo todo.

O comarada reclamam anos, metem o pau no chefes e no EB e não prestam um concurso.

Além de correrem para o médico, quando tem marchas, acampamentos, TRL, etc ... uma vergonha.

Requerimentos, direitos de companheiros sob a sua responsabilidade,ficam engavetados, prejudicando direitos de outros. Mas quando o direito é do carcará sanguinilento, ai de carneiro, vira leão.

Um nojo !!!!

Anônimo disse...

pelos comentários que vi estou começando a entender a frase:" arma que atira no praça tem divisas no cano." Os problemas a meu ver são mais profundos e os praças brigam entre si. Dividir para conquistar!!

Anônimo disse...

Primeiramente, esses argumentos fraquinhos de que a cidade é boa, os militares, obviamente, gostam dela e a organização militar faz parte da história não vai convencer e nem economizar verbas na manutenção das outras mais importantes. Infantaria no litoral, na vida boa? Manda lá para o Mato Grosso, Pantanal, para o sul. Podem até ir para a Amazônia, desde que tenham um excelente plano de acionamento e transporte(??).
Outro ponto: tem um "Anônimo" que vive "assombrado" com o pessoal PTTC. Em alguns setores, realmente, tem gente "batendo cabeça" por falta do que fazer e ficam só fofocando,falando de futebol e no "zap-zap".Soube que ha um ano atrás, houve uma fiscalização séria da CGU, se não me engano, e foi constatado que muitos dos "tempo certo" tinham extrapolado o tempo máximo de permanência e estavam indevidamente enquadrados no PTTC.Por isso, foram reformuladas as regras, ficando mais rígidas e fáceis de fiscalizar, pelo menos na FAB foi assim. Mesmo assim, muitos oficiais mal entram na reserva e já estão nas seções, de paisano. Os graduados, se pretenderem, e alguns setores estão precisando por falta de especialistas que estão pulando fora, tem que cumprir a "via-sacra" das burocracias e muito poucos conseguem.

Anônimo disse...

Fica outra dica tambem: Somente os petralhas muito puxa-sacos e baba-ovos escrevem "presidenta". Vai cuidar da sua vida e deixa quem quer trabalhar em paz, seu comedor de pao com mortadela.

Anônimo disse...

Atenção "O Diário". Já não existe Ministério do Exército há muito tempo. O papel da imprensa é informar, para tanto deve manter-se informada.

Anônimo disse...

Tá bom demais pela ninharia que tiramos e pela quantidade de aporrinhação. Vejo, nos PC's, camarada o dia inteiro ocioso. Meu camarada, ninguém aqui é patrão nem empregado de ninguém, somos funcionarios da nação com poucos elementos com uma real capacidade de gestão, em todos os níveis. Temos muitos chefes, mas a qualidade, hum......Ta todo mundo pensando só no seu, e cada um por si, se ainda não percebeu.

Anônimo disse...

Concordo Realmente se acabassem com os PTTC sobraria muito dinheiro para ser empregado na força, como equipamento, melhoria nas instalações e por ai vai.
Os PTTC já deram sua contribuição para a força tem lugar que estão batendo cabeça agora e descansar um poquinho.

Anônimo disse...

...é uma OM muito tranquila com vários militares oriundos da própria cidade de campos (não querem ser transferidos). Afastada do comando da Brigada a OM esta imune ao peso do fardo que o GUEs/9ª Bda carrega por estar na capital e ser o depósito de problemas de pessoal do CML. Isso torna a OM um excelente local para se descansar e curtir a vida no interior, apenas isso.
Um tiro de guerra no local cumpriria muito bem a missão desse batalhão.
Chega de acochambração.

Anônimo disse...

Onde tem fumaça tem fogo, de um dia pro outro ela será extinta !!!

Cap Com 2002

Anônimo disse...

Vocês podem até não acreditar, mas existem setores extremamente importantes onde os militares executam serviços não só para a área militar como também para o civil, como exemplo temos o do controle de tráfego aéreo. A quantidade de formandos não conseguem suprir a demanda e a debandada geral. Além, disso, um novinho demora anos para adquirir experiência e realizar os cursos necessários que o capacitem para exercer cargos de supervisor e outros.Os antigões estão sufocados com os excessos de responsabilidades e trabalho e não pensam duas vezes quando completam o tempo mínimo para irem para a reserva. Os cargos de chefia esse setor não fica atrás. Falta gente que entenda do setor. A solução, temporária, é o PTTC ou contratações extras como foram feitas durante a copa do mundo. Mesmo assim, depois dos cortes do governo federal, são quase impossíveis.

Anônimo disse...

Quer melhorar o EB? Falta verba? Manda embora todos os PTTC, Oficiais Temporários, Sargentos temporários e reduz o efetivo de EV pra 1/4 do atual. Ia sobrar mais dinheiro e aparecer menos missão rolha, o adestramento melhoraria e muito. Chega desses batalhões de faxina e aspones de Brasília!!!

Anônimo disse...

UAU!!! Temos um adminstrador com A maiúsculo aqui. É o comentarista de 30 de novembro de 2015 15:28. Cara, onde você concluiu teu Curso de Adminstração? Na Bolívia? Vem cá, lá não te ensinaram o significado da expressão "VAI RACHÁ UMA LENHA!"

Com certeza você deve ser muito bom mesmo. Faz o seguinte, se inscreve no PLAMOGEx. Quem sabe você não vai para Brasília também...

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics