5 de novembro de 2015

Tenente da Marinha está em coma há trinta dias após passar mal em treinamento na selva amazônica



Tenente da Marinha fica em coma após treino em selva do AM
Coma já dura um mês; pai suspeita de negligência durante treinamento.
Marinha diz que foi instaurado Inquérito Policial Militar para apurar caso.
Leandro Tapajós Do G1 AM*
Tenente Guillermo Portugal ficou em coma após treinamento na selva (Foto: Reprodução/Facebook)Angústia, revolta e esperança. Essas palavras podem definir os sentimentos de familiares do tenente da Marinha Guillermo Portugal, de 24 anos. Ele ficou em coma após participar de um treinamento na selva, em Manaus, no dia 30 de setembro.
O atendimento ao tentente demorou 7 horas. Ele passou mal em uma área do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) e foi transferido de helicóptero para o Hospital Militar de Área na capital, onde segue internado. A Marinha informou ao G1 que um inquérito apura o caso.
De acordo com o pai do tenente, Saumir Portugal, o filho foi diagnosticado com traumatismo craniano e rabdomiólise - doença que atinge os músculos e pode causar insuficiência renal.
"A única coisa que diziam é que ele estava caminhando, passou mal, teve duas convulsões na selva e foi levado para o hospital. Aconteceu durante o treinamento", disse o pai do tentente ao G1.
Portugal disse ainda que o filho estava muito machucado e sujo. "Com traumatismo craniano, com rabdomiólise, com os rins parados, completamente sujo, cheio de marcas roxas, com um arranhão enorme no braço esquerdo, com o olho roxo, eu não entendo", afirmou.
Ainda de acordo com Saumir Portugal, a família - que vive no Rio de Janeiro - foi avisada sobre o ocorrido no dia 1º de outubro. Ele reclama da demora no socorro do filho.
Uma carta assinada pelo comando da Marinha foi entregue aos pais do tenente. O G1 teve acesso ao documento. A carta cita que Guillermo participava da Operação Tucunaré, que faz parte do currículo do Curso Especial de Comandos Anfíbios e prepara Oficiais e Praças para o planejamento e a execução de Operações Especiais de Fuzileiros Navais.

Demora no atendimento
Segundo o documento, o tenente começou a passar mal por volta das 16h, mas só deu entrada no hospital após cerca de 7 horas. Ele apresentou convulsões às 17h15. A aeronave decolou para o resgate às 19h50, mas precisou reabastecer. A área onde o tenente passou mal é de difícil acesso. Guillermo foi içado da mata para o helicóptero às 22h40. Segundo o documento, ele deu entrada na emergência do hospital militar às 23h15.
"O pessoal do Exército que o recebeu diz que ele chegou num estado lastimável. Foi o termo deles. Ele não pôde ser levado ao CTI, precisou, antes, ficar um tempão na emergência para ser higienizado, e disseram que a expectativa dele era nenhuma, que teria que chamar um padre", afirma Saumir.

Tratamento
Os familiares relatam que ainda têm esperança de que o tratamento faça o tenente melhorar. "Ele está em coma, sedado, mas já começaram a tirar essa sedação. Foi feito uma traqueostomia, ele está fazendo diálise. A gente está lutando contra problemas nos pulmões. Foi feito um pequeno edema cerebral por causa da porrada que ele levou. Ele estava com um corte muito profundo na cabeça então o neurologista disse que a princípio esse edema não vai afetar nenhuma função dele, acho que não terá nenhuma sequela", acredita o pai.
A família diz que há falta de especialistas para atendimento. "A gente encontrou várias dificuldades, por exemplo: o hospital não tinha pneumologista, a família teve que correr atrás de dois pneumologistas porque ele está muito lesionado. Agora a gente está com outro problema lá com fisioterapeuta ", revela pai do tenente, que acrescenta: "as pessoas do CTI do hospital do Exército estão tratando ele da melhor forma possível, estão fazendo tudo dentro das possibilidades deles. Eles estão em uma luta árdua".
Investigação
A Marinha informou, por meio de nota, que "lamenta profundamente o ocorrido e, desde o dia 30 de setembro de 2015, vem prestando o apoio necessário ao Tenente Portugal e à sua família, que se encontra em Manaus. As informações disponíveis foram fornecidas à família".
A nota cita ainda que foi instaurado um Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar as circunstâncias do ocorrido durante o curso. A investigação tem prazo máximo de 60 dias para ser concluída.
Para o pai do tenente é preciso garantir a segurança dos militares que participam do treinamento na selva. "Agora, não havia médico nenhum com eles lá na manobra. É um curso altamente agressivo", finaliza.
G1/montedo.com

22 comentários:

Anônimo disse...

Algum Guerra na Selva pode argumentar esse TRAUMATISMO CRANIANO e hematomas?
Pode isso Arnaldo?

Anônimo disse...

Eu não me assustaria se, no próximo turno do COS, o uso do capacete passasse a ser obrigatório.

Anônimo disse...

De que adianta a Marinha lamentar o ocorrido se nem o ocorrido é relatado? O tenente foi espancado pelos colegas ou por seus superiores? Mandaram descer o cacete, foi?
Porque não transferem ele para o Sírio Libanês? Tem um hospital público muito bom, excelente, em Jundiaí, O Hospital Regional de Jundiaí. Não vale à pena o transporte? Fica muito caro?

Christian Bernhardt disse...

Fui sargento do Exército durante 14 anos....dentro destes destaco que servi 4 anos no 1o BIS em Manaus, e 2 anos no 19o BIMtz em São Leopoldo, ambas Unidades de Pronto Emprego. Isso me dá uma certa experiência em atividades militares e operações.

Dito isso, não consigo relacionar a ideia que apanhar durante um curso te fará um melhor combatente. Já vi muito militar que apanhou ser um zero a esquerda e muitos que nunca apanharam serem "casca grossa" ao extremo.

Esta mítica das tropas de elite brasileiras que curso bom é aquele em que o aluno apanha e leva porrada tem de acabar. Pois todo mundo aqui que é militar sabe muito bem o que acontece nesses cursos: a porrada come solta.

Um colega meu, por exemplo, teve de abandonar um curso desse tipo depois que teve o tímpano estourado depois de uma porrada de um dos instrutores.

Já conheci muito colega com Curso de Comandos que se orgulha que sua maior qualidade é ter apanhado muito durante o curso, como se isso fosse fazer dele um bom combatente. Eu sempre respondia nesses casos: e nadar bem você nada? Sabe atirar com precisão? Sabe se orientar na selva ou em qualquer parte sem exitação? Você é um combatente inteligente e astuto?

Pois é senhores... não estou dizendo que os cursos operacionais devam ser de banquinho... temos que carregar peso sim, fazer marchas sim... nada diferente do que faríamos em uma situação real... agora só não concordo com espancamentos. Todos nós militares, seja no Curso de Cabo, Sargento ou Oficial, aprendemos uma regra básica: NÃO DEVERÁ OCORRER CONTATO FÍSICO ENTRE O ALUNO E INSTRUTOR.

Este Tenente em questão apareceu no hospital com traumatismo craniano, olho roxo, marcas roxas pelo corpo... percebem as peças do quebra-cabeças se juntando? Aliado à fadiga natural que uma operação na selva proporciona não poderia haver desfecho diferente.

Temos de erradicar essa história de que soldado bom é soldado forte e burro. Um soldado astuto é infinitamente mais perigoso que um burrão.

Realmente rezo para que este Tenente se recupere deste baque.

Boa sorte companheiro.

Anônimo disse...

É sempre a mesma notícia se repetindo, gente mal preparada pra ministrar instrução e falta de planejamento...Lamentável que continue acontecendo.

Graciano Pontes disse...

Professor Saumir Portugal, é com grande tristeza que vejo esta noticia, referente ao que houve com seu filho. Logo o Senhor, que sempre prestou inúmeros serviços, mesmo que de maneira indireta, às Forças Armadas Brasileiras, ministrando suas aulas de História do Brasil e aprovando, por mais de vinte anos, diversos alunos do Curso Equipe Tubarão - A fera da EsSA - para o concurso da Escola de Sargento das Armas. Agradeço ao Senhor e aos professores Pádua, André Landeira e Avilla, por terem feito parte desta história também. Agora, como pai, imagino o que o Senhor deva estar passando e só peço ao nosso Deus que dê forças ao Senhor e que o seu filho melhore e volte logo para casa. 2o Sgt Com Graciano Pontes (Romerito-CFS 2004) - 1a Bda Inf Sl - Boa Vista, RR.

Anônimo disse...



Perdão Montedo!

Mas para mim MEU COMANDANTE CHAMA-SE GENERAL MOURÃO!

Anônimo disse...

Pessoal, só relembrando. Ele estava fazendo o COMANF da Marinha má área do CIGS, e não o COS. Logo creio que quem ministrava as instruções era o pessoal da MB... vamos ficar atentos a notícia, para que não sejamos "Inocentes Úteis"...

Anônimo disse...

Ao anônimo das 10:13:
Todos que já passaram pelo CIGS quando estavam frequentando algum curso de Op Esp( Cmdos, FÉ, C Prec, Comanf), militares que serviram ou servem no CIGS, sabem muito bem que a Eqp do referido Centro de Instrução somente ministra as instruções, todo o contato de justiçamento, esporros , entre outros, é feito pela Eqp de Instrução do Curso que o militar está frequentando. O CIGS simplesmente apoia com as instruções de Vida na Selva. Podem ter certeza que se houve algum excesso, não foi por parte dos militares do CIGS.
Certas coisas é melhor se informar antes de sair comentando asneiras.

Anônimo disse...

Christian Bernhard, parabéns pelo comentário de 5 de novembro de 2015 17:05.
Esse negócio de dar porrada, tortura e treinamento até à exaustão é coisa de comando recalcado e estressado. Não é o primeiro caso e isso vem se repetindo há décadas.

Anônimo disse...

Pessoal, olha só. Fiz o COS na década de 90 e fui monitor anos depois. Ao todo foram quase cinco anos no CIGS, fora os anos no BIS. Afirmo categoricamente que a equipe de Instrução do CIGS é extremamente profissional, técnica e competente. Nunca encostamos a mão em aluno algum. Eu mesmo quando aluno não levei um tapa sequer. Nem por isso meu curso foi fácil ou os cursos em que fui monitor foram fáceis para os alunos. Negativo! Eu tenho quase certeza de que o Tenente não teve contato com o pessoal do CIGS, já que é normal ceder áreas de instrução para outros cursos e outras Forças. Pelo que entendi (acho que foi isso que aconteceu) o Ten Portugal estava sendo adestrado pelo pessoal do COMANF (Fuzileiros Navais). Em outras ocasiões já aconteceu também de ministrarmos instrução para alunos desses cursos (COMANF, CAC, etc...), mas sem contato físico algum. Ministrávamos instruções relacionadas à vida na selva e os alunos ficavam sob supervisão direta de seus instrutores originais.
De qualquer maneira, desejo pleno restabelecimento ao jovem Tenente e que logo possa retornar ao convívio de seus familiares.

SELVA!!!

keko marques disse...

O curso é o ComAnf da MB.

Anônimo disse...

Já fui da Marinha, e posso afirmar com certeza que o curso COMANF é porrada e tapa na cara o curso inteiro. Com certeza, quem bateu no tenente ae foram os fuzileiros navais e não os militares do CIGS, que apenas ministraram a instrução.

COMANF disse...

Aqui vai a visão do casca grossa:
Todos sabem que existem apenas três cursos operacionais que os oficiais podem se gabar, isto é serem respeitados pelas praças - 1º precursor pqdt, 2º CAC curso de açoes de comandos ambos do EB, e o mais temível de todos o COMANF, posso afirmar que sair comandos não é nada fácil e dificílimo é sair anfibíos. O Ten em questão foi definhado aos poucos e sucumbiu no CIGS, ele tem que entender que todos nós temos o nosso limite. Ele teria que solicitar desligamento quando chegou ao seu limite porém nao solicitou e lá parceiro os instrutores só fazem algo quando o cara literalmente apaga. Acredito que esse tenente subestimou seu próprios limites a cabeça tava boa mas a carcaça não suportou. Ser Anfibíos é para poucos, torço por sua recuperação, e espero que o naval possa em outra oportunidade realizar o COMANF e que um dia possa operar como um anfíbio.
O EB nao tem nada haver com isso pois apenas cedeu as instalações para a MB.

Anônimo disse...

Tenham Fé e Coragem! Em lugar de massacrar seus companheiros, façam um bom treinamento invadindo os acampamentos da organização clandestina do MST, Via Campesina e Liga dos Camponeses. Há campos de guerrilha clandestinos no Sul? Invadam também. Bater em garimpeiro e madeireiro deve ser moleza, porque é só isso que vejo.

Anônimo disse...

Se vc postar uma foto com uma arma mesmo de brinquedo na mão no seu face, a policia vem te buscar em casa, a lei diz que somente militares ou policiais podem usar armas, então pergunto PORQUE ESSE GRUPO MST PORTAM ARMAS MILITARES?

https://fbcdn-sphotos-g-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xaf1/v/t1.0-9/11048625_1569121983356797_3684491082440361953_n.jpg?oh=13f2345579887a274b1323d2f5b737cc&oe=56C89796&__gda__=1455813409_bb0e40d82c2fde3482b1e6eadf9cd21a

Amauri disse...

Excelente comentário do Sr Christian Bernhard!!!!

Anônimo disse...

Muito embuste e nenhuma Gramática. Depois reclama do "Faça na caveira e nada na carteira". Vai estudar que você vai ficar bem mais feliz com os resultados. Sou " apenas Pqdt e Salto Livre Avançado, porque a vida me levou para outro caminho e me afastou do meu sonho de aluno e cadete da AMAN, que era o Prec, mas estou satisfeito demais com tudo o que vivi com a minha qualificação. Outra coisinha: já vi muita "árvore de natal" colar as placas em face de ameaças reais, então, menos, amigo...beeeeemmmmm menos. "Te vejo lá embaixo! Bom salto! Entendeu? Não, né? Precisa ter " cheiro de nuvens" pra compreender a saudação.

Anônimo disse...

Afinal, esse curso é para aprender a guerrear na selva ou para aprender a torturar? Que eu saiba, os índios sabem muito mais, com muito menos "equipamento", sem roupas e não crescem levando tapas e surras.

Anônimo disse...

Um bom treinamento é necessario para se tornar um militar de forças especiais é claro. Porem não devemos esquecer que treinamento não é somente o fisico e sim deve se ter o treinamento intelectual coisa que falta muito nas instruções das FFAA do Brasil. Sendo que somente se vê relação do militar.
Falta modernização e profissionalismo nas forças armadas e forças auxiliares na hora de formar um militar, coisa que nas forças auxiliares já vem mudando porem nas FFAA não.
Qual a necessidade de ferir um irmão de farda?
O que isso ira agragar na sua formação?
Coisa que temos que pensar muito...
Cade o comando para avaliar estas coisas...
Boa sorte militar, esperamos que sua saúde se restabeleça em breve.

Anônimo disse...

Desejo melhoras ao tenente. Existe um termo usado na selva q diz q o aluno está "zumbizado",isso é grave, e mtas vz mascarado pelo próprio aluno na ânsia de concluir o curso. Precisa de ter um médico sempre por perto com condições de raciocínio.
SELLLLLLVA! !!

Uoleston Rodrigues disse...

Muitos falam em agressões ao Ten.Portugal mas ele não fez o curso sozinho então uma pergunta porque só ele sucumbiu ? Praças e oficiais fazem o curso juntos o curso é rigoroso os Militares são preparados para invasão por terra, ar e água e em toda invasão corre-se o risco de ser capturado e o inimigo não vai ser cordial, então o treinamento beira a realidade é muito tapa na cara e tortura psicológica más deixar olhos roxos e traumatismos craniano isso jamais . Força ao Ten. Portugal !! Adsumus

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics