13 de novembro de 2015

Campo Grande: Exército mantém civil preso na sede do CMO após discussão com soldado

Ele teria recebido orientação de parada mas insistiu em seguir com o carro
Arlindo Florentino
Um bancário de 31 anos de idade está detido em uma das celas do CMO (Comando Militar do Oeste) desde a tarde de quinta-feira (12), sob a acusação de de ter desacatado um militar que fazia guarda na entrada da unidade militar.
De acordo com o bancário, que há seis anos trabalha em uma agência localizada junto ao prédio do CMO, ele estava deixando o seu local de trabalho quando recebeu a determinação do militar para que aguardasse. No entanto alegando que não vinha nenhum carro naquele momento ele tentou avançar, mas o militar colocou alguns cones e postou-se na frente de seu carro sendo iniciada uma discussão.
O bancário afirma que o soldado chamou seus superiores e ele acabou recebendo voz de prisão. Logo depois foi encaminhado ao Hospital Militar onde foi submetido ao exame de corpo de delito, sedo levado posteriormente para o quartel. A princípio teria ficado em uma sala e depois encaminhado a uma cela onde passou a noite.
O departamento jurídico do banco foi acionado, mas dependia dos trâmites do exército na homologação da ocorrência, para tomar as providências cabíveis.
Por seu lado, o responsável pelo setor de comunicação social do CMO afirmou que o caso ainda está em apuração e que uma nota oficial deverá divulgada no período da tarde. Quanto a permanência de um civil detido em uma instalação militar, foi informado que pelo fato da ocorrência ter acontecido em uma área de segurança, é prerrogativa da instituição tomar esta atitude.
midiamax/montedo.com

14 comentários:

FAMÍLIA MONTEIRO disse...

Crime propriamente militar. Se considerarmos que todo mundo pode fazer o que quiser com a guarda do quartel. Onde vamos parar? Não tenho informações sobre o assunto, mas não é nenhum absurdo. Vá à uma delegacia e alopre com um delegado, vá à um tribunal e desacate um juiz ou vá a um Btl da PM e tente descartar a guarda....qual a diferença? Nenhuma. São autoridades constituídas e com responsabilidades.

Anônimo disse...

estamos abaixo da critica e os func do BB sabem disso. bata palmas pela reação pois já senti na pele isso e o mandante fica quieto pois esta devendo ao banco.
e viva isso,viva aquilo,e viva ate brasilia q vai prender a quarda pedir desculpas ao coitadinho bancario e ate dar-lhe uma medalha de merito militar.
q seus desdobramentos seja publicado.

Anônimo disse...

A segurança é a principal regra e todos estão sujeitos.
Sou de acordo com a prisão se ocorreu algo de errado.
A guarda é a responsavel e tem que se ter respeito a ela.

Anônimo disse...

Desconheço a situação na íntegra, mas tenho certeza de que o militar não faria nada que prejudicasse a si mesmo. Já passou da hora de ensinar a esses almofadinhas que quartel não é qualquer lugar e que militar não é palhaço. Infelizmente muitos daqueles que supostamente jogam no nosso time vão criticar a ação do militar, mas da minha parte dou os parabéns!

Anônimo disse...

Excelente! Se fosse no Rio de Janeiro ou em São Paulo...rapidamente alguns advogados e juizes e a "imprensa comprada" tentariam liberar o fora da lei imediatamente.
Desacatou : Lavra o APF por desacato , remete ao Juiz DA AUDITORIA MILITAR de Plantão e aguarda a decisão...simples assim. E se ofendeu a com outros xingamentos muito comuns nesses casos, poe também na conta.
Mais uma prova de que ter frequentado bancos escolares não quer dizer que o sujeito vá respeitar as leis e os seus limites como cidadão civilizado.

Anônimo disse...

Muito bom.
Guarda não e penico.
Para aqueles que adoram mijar o Cmt da Gda, existe casos que também enquadra-se o militar mijador. Ser superior hierárquico não da o direito de inventar motivo para mijar o militar de serviço, ainda mais quando não ha motivo.

Anônimo disse...

Crime IMPROPRIAMENTE militar, companheiro, tanto que foi civil o autor.

Anônimo disse...

Se praticado por civil CONTRA o militar em sv, ou no desempenho de sua função, é crime militar. E tb na esfera civil, por desacato a servidor público.

Anônimo disse...

Se fosse nos EUA ele estaria agora morto cheio de balas de fuzil e o soldado recebendo uma medalha ! No Brasil,os "direitos humanos" deverá entrar com uma representação e o soldado será punido !

LUIZEDZ disse...

Simples, estamos na era em que a banana esta comendo o macaco!

Anônimo disse...

O pior que o funcionário do BB estudou três anos na AMAN.

Tina Santos disse...

Se fosse o militar que tivesse agredido o civil, tomaria-se as mesmas medidas? O civil pode ser preso pela autoridade militar (exército) quando este não tem autoridade de policia? Agradeço o esclarecimento.

Anônimo disse...

Só para esclarecer : o crime militar pode ser próprio ou impróprio. Próprios são aqueles cujo agente só pode ser o militar (ex: deserção). Impróprios o agente pode ser militar ou civil (ex: desacato a militar).

FAMÍLIA MONTEIRO disse...

Concordo o crime é impropriamente militar, é que é tão raro que eu nem me lembrava, fui consultar o CPPM e o CPM e é exatamente como o companheiro aí descreveu!

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics