15 de novembro de 2015

Brasil foi alvo de mesma manobra naval dos EUA que irritou China

Notícia recuperada (30/10)
FERNANDO CAVALCANTI
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA
O Brasil foi alvo da mesma operação da Marinha americana que irritou autoridades chinesas nesta semana, quando o navio USS Lassen navegou a menos de 12 milhas marítimas das ilhas artificiais do arquipélago Spratly, mostram documentos americanos.
Segundo relatório publicado no site do Departamento de Defesa americano, no ano fiscal de 2014, encerrado em outubro do ano passado, os EUA realizaram operações do tipo FON (Freedom of Navigation, liberdade de navegação) em 19 países, incluindo Argentina e Brasil.
As operações FON são parte de uma política adotada pelos EUA em 1979 para desafiar pretensões territoriais consideradas por eles excessivas.
Anualmente, a Marinha americana adentra essas águas –geralmente de países pouco amigáveis aos EUA, mas também de nações neutras ou aliadas– para impor sua liberdade de operação.
No caso da operação no Brasil, foi desafiada a exigência de que as Marinhas estrangeiras peçam permissão para realizar manobras militares na Zona Econômica Exclusiva brasileira (ZEE).
O Brasil, que ratificou a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), entende que as disposições do tratado não autorizam outros países a realizar na ZEE exercícios ou manobras militares, em particular as que impliquem o uso de armas ou explosivos, sem aval do Estado costeiro.

SEM SABER
Procurada, a Marinha brasileira afirmou que "teve conhecimento dos navios de guerra dos EUA que navegaram nas águas jurisdicionais brasileiras em 2014, inclusive participando de exercícios com navios brasileiros, que foram divulgados para a imprensa nacional à época e acompanhados pelo Comando de Operações Navais durante o trânsito".
Os americanos, porém, esclarecem que não se trata do exercício conjunto feito regularmente entre EUA e diversos países, Brasil entre eles.
A porta-voz do Departamento de Defesa americano, porém, afirma que os Estados Unidos "não notificam os Estados costeiros quando conduzem manobras militares nas suas ZEE, porque a lei internacional não o requer".

A Zona Econômica Exclusiva brasileira é uma área oceânica aproximada de 3,6 milhões de quilômetros quadrados. Somada a ela, há a área da Plataforma Continental reivindicada pelo Brasil nas Nações Unidas, chegando ao total de 4,5 milhões de quilômetros quadrados.

Nesta semana, a reação de Pequim ao desafio dos EUA foi designar dois destróieres para acompanhar o navio americano –um deles, com poder de fogo equivalente.
Apesar da disparidade entre os contextos das duas operações, para o Brasil seria impossível montar uma resposta semelhante. A Marinha brasileira tem recursos limitados para patrulhar uma área dessa extensão.
O Pro Super, programa de reaparelhamento dos meios de superfície, ainda não saiu do papel, e a atual frota de escoltas brasileiras está desgastada, limitando o poder de ação do Brasil nessas águas.


O QUE O BRASIL DIZ
Convenção da ONU sobre o Direito do Mar não autoriza outros Estados a realizar na Zona Econômica Exclusiva (ZEE) manobras militares sem consentimento do Estado costeiro

O QUE OS EUA FIZERAM
Incursões na ZEE brasileira em retaliação à exigência do Brasil de que as Marinhas estrangeiras peçam permissão para manobras militares. Os EUA não informaram qual navio foi utilizado nem o ponto exato da zona onde a operação foi realizada.
FOLHA DE SÃO PAULO/montedo.com

5 comentários:

Anônimo disse...

Enquanto o Brasil fica fazendo teatro de FFAA e somente brincando e fazendo embuste, outras FFAA extrangeiras estão de olho...
Brasil que se cuide, pois o Brasil pode ser pacifico, porem os outros não sabemos e nem conhecemos as intenções...
Cada dia que passa fico mais preocupado com noticias desta magnitude e com a falta de preparo, equipamento e preocupação que o governo brasileiro tem com as FFAA.

Anônimo disse...

Uma coisa é irritar a China, outra coisa é desafiar o Brasil, cuja Marinha só tem de novo é o que servido em banquetes e festas "militares". Digo isso com profundo pesar.

Anônimo disse...

Vocês acham que o Lula e a Dilma estão sucateando as FFAA a mando de quem?! Aquela história, que está contada abaixo, sobre a Argentina desafiar a China, deve ser uma metáfora sobre o Brasil, não é?!

Anônimo disse...

O fato é que o Brasil só será potência bélica quando tiver a sua própria indústria de navios de guerra e de aviões de combate. Enquanto não acontecer isso, vamos viver de sucata das potências militares. Investimento em educação e pesquisa pode ajudar no desenvolvimento de tecnologias que possam nos levar a esse patamar.

Anônimo disse...

... Os estados unidos cobiçando o mundo ...

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics