18 de dezembro de 2015

Após tarde de bebedeira, subtenente do Exército e policial civil morrem em troca de tiros

Tiroteio com morte de policial e subtenente ocorreu após tarde de festa
Viviane Oliveira e Luana Rodrigues
Campo Grande (MS) - O tiroteio que terminou com a morte do policial civil Dalmir Martins da Silva, 50 anos, e do subtenente do Exército, Denivaldo Teixeira Santos, 58 anos, ocorreu após 7 horas de festa. Eles participavam de confraternização em uma garagem de compra e vendas de veículos na Rua Dona Henriqueta Vicente de Almeida, próximo a Trindade, Vila Ieda, em Campo Grande.
A festa começou por volta do meio-dia e o crime ocorreu às 19h30. Uma testemunha que estava na festa e pediu para não ter o nome divulgado, contou que todo ano o proprietário do estabelecimento faz um confraternização para reunir amigos com mais de 30 anos de amizade.
Todos estavam consumindo bebida alcoólica, quando por volta das 17h o policial Dalmir foi embora, mas retornou cerca de 90 minutos. Ele chegou dizendo que havia pegado carona com um vizinho para voltar à festa, porque não conseguiu sair de casa com o seu carro, pois um caminhão estava estacionado em frente ao portão da residência dele, que também fica na Vila Ieda.
Conforme testemunhas, o subtenente passou a provocar o policial dizendo que se fosse ele "metia bala em todos os pneus do veículo". Por causa disso, os dois começaram a discutir, quando o policial sacou a arma da cintura, apontou para o rosto do subtenente e pediu para ser tirado do local, caso contrário mataria Denivaldo.
O dono da garagem, então, abraçou Dalmir e o levou para a frente do comércio dizendo que o levaria embora. Porém o policial percebeu que o subtenente se aproximava com uma arma na mão e também tirou a pistola da cintura. Os dois ficaram de frente e um passou a atirar contra o outro. Eles morreram antes da chegada do socorro. Testemunhas disseram que as duas armas foram descarregadas.
Hoje de manhã ainda foi possível ver as marcas de tiros no muro e em alguns veículos do comércio. Segundo testemunha, os dois não eram amigos, apenas se conheciam por causa da amizade em comum que tinham com o dono do comércio.
O caso foi registrado como homicídio qualificado por motivo fútil na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Vila Piratininga. O subtenente do Exército aparece como autor no registro policial.
Campo Grande News/montedo.com

4 comentários:

Anônimo disse...

Caro Montedo Trata-se na verdade.do 2° ten QAO mnt com, na reserva desde 2004 (inf pessoal DGP)

Anônimo disse...

Retrato da infinita estupidez humana.

Anônimo disse...

Bebidas .... algo desnecessário.

Anônimo disse...

O proprio regulamento de armamento diz que é proibido militar e policiais estarem armados e fazerem uso de bebida alcoolica. Ambos estavam errados, bebendo e armados.
Infelizmente um problema pois bebida alcoolica e arma, da mesma forma que volante não da certo.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics