17 de dezembro de 2015

Caos na saúde do RJ? Chamem as Forças Armadas!

Pezão quer médicos das Forças Armadas e da PM nos hospitais
A solicitação foi encaminhada ao Ministério da Defesa
POR ANTÔNIO WERNECK / CARINA BACELAR / DARLAN DE AZEVEDO
RIO - Num cenário de crise na saúde, em que funcionários estão com salários atrasados e faltam desde materiais básicos a refeições, o governador Luiz Fernando Pezão decidiu recorrer à ajuda militar. Ele pediu o reforço de médicos e enfermeiros das três Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica) para unidades da rede estadual. A solicitação foi encaminhada ao Ministério da Defesa. Além disso, Pezão convocou profissionais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.
- Fiz o pedido diretamente ao ministro da Defesa (Aldo Rebelo). Eles ficariam de prontidão para uma eventual necessidade. O pedido foi feito, mas ainda não recebi uma resposta - contou o governador. - Já estamos mobilizando também médicos e enfermeiros da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.
O GLOBO procurou o ministro da Defesa para comentar o pedido, mas ele estava viajando. Já a assessoria de imprensa do Exército disse que não havia sido informada sobre a questão.
Antes de o governo solicitar o apoio dos militares, em conversas com entidades da classe médica o secretário estadual de Saúde, Felipe Peixoto, cogitou "referenciar" os hospitais mais prejudicados - isto é, fechar suas emergências e suspender a transferência de novos pacientes para as unidades. Os atingidos seriam os hospitais Getúlio Vargas (Penha), Albert Schweitzer (Relengo), Alberto Torres (São Gonçalo), Adão Pereira Nunes (Duque de Caxias) e Azevedo Lima (Niterói).
Segundo fontes da Secretaria de Saúde, seriam necessários ao menos R$ 500 milhões, até o fim do ano, para aliviar a situação dos hospitais. A pasta deve virar o ano com R$ 1 bilhão de dívidas (restos a pagar). Dos R$ 5 bilhões do orçamento da saúde estadual de 2015, só R$ 3,5 bilhões foram pagos.
Enquanto a ajuda não vem, a situação dos hospitais inspira cuidados. Integrantes do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio (Cremerj) se reuniram ontem com cem profissionais do Getúlio Vargas. Ali, as cirurgias eletivas (não emergenciais) do setor de ortopedia foram suspensas, já que, por falta de pagamento, parte dos médicos contratados pela organização social Pró Saúde cruzaram os braços. A unidade ameaça suspender também os atendimentos de emergência e os procedimentos do setor de pediatria, segundo informou o Cremerj.
- Eles chegaram a dizer que, caso a situação permaneça, a perspectiva é fechar a emergência - disse o vice-presidente do Cremerj, Nelson Nahon. - Achamos que seria errado referenciar as emergências. Os pacientes vão para onde? É colocar em grave risco a população.
A entidade recebeu uma carta assinada por médicos do Hospital Adão Pereira Nunes, informando que 30 pacientes aguardam cirurgia ortopédica na unidade. Os procedimentos foram suspensos por falta de insumos. No hospital de Caxias, os profissionais também são contratados da Pró Saúde. Tanto ali como no Getúlio Vargas, segundo o Cremerj, os médicos estão sem receber há dois meses.
A precariedade também marca o dia a dia no Hospital Alberto Torres. Pacientes e funcionários relatam problemas no estoque de medicamentos, horários irregulares para almoço (por falta de comida) e escassez de materiais essenciais para a realização de cirurgias. Os terceirizados são funcionários da organização social Instituto Sócrates Guanaes (ISG), que, desde 2012, administra, além da unidade de São Gonçalo, o Centro de Trauma, na mesma área, e o Hospital Estadual Prefeito João Batista Cáfaro, em Itaboraí.
A emergência do Alberto Torres funciona com problemas. Na quarta-feira à tarde, a médica responsável pelo atendimento passou mal e, por mais de uma hora, ela ficou sem substituto no setor.
Os funcionários terceirizados contam não ter recebido o pagamento referente a novembro.
- Estamos tentando trabalhar, mas ninguém conversou até agora conosco sobre a previsão para os pagamentos. Muitos colegas abandonaram seus postos, pois não têm mais como arcar com passagens e almoço, nem como trabalhar em condições tão precárias - contou uma funcionária da área de enfermagem.
De acordo com familiares de pacientes internados no hospital, as cirurgias estão atrasadas.
- Meu marido está desde domingo aguardando que os médicos operem o braço dele. Ele precisa de cinco pinos, mas eles nos dizem que não existe previsão para realizar a cirurgia, porque não há bisturi e outros materiais - contou a dona de casa Adriana Guimarães, de 48 anos.
Algumas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) já pararam por falta de condições de trabalho e por atrasos tanto nos vencimentos de médicos, como nos de agentes de segurança e recepcionistas. "Esta UPA não está funcionando por falta de pagamento de salários!", informa um cartaz afixado no portão da unidade de Realengo.
Em relatos enviados ao Sindicato dos Médicos do Estado do Rio de Janeiro, profissionais reclamam da falta de condições de trabalho nas UPAs do governo estadual. "A unidade tem problemas estruturais. Macas quebradas na sala amarela, falta de antibióticos e outras medicações na farmácia, aparelhos antigos na sala vermelha. Não temos a menor segurança e por diversas vezes há tumultos e agressões físicas e verbais contra os funcionários", contou uma plantonista da UPA Duque de Caxias I, em Parque Lafaiete. Ela acrescentou que os atendimentos serão restritos a pacientes em estado grave. A unidade é administrada pelo Instituto Data Rio.
Em nota, a Secretaria estadual de Saúde disse que, "diante da crise financeira do estado, vem reunindo esforços, dia a dia, junto às secretarias municipais de Saúde, ao Ministério da Saúde, a outros órgãos do governo do estado e até à iniciativa privada, para manter suas unidades funcionando, no intuito de minimizar ao máximo possível os transtornos à população". O órgão afirmou que o cenário só deverá se normalizar com repasses para o Fundo Estadual de Saúde.
O GLOBO/montedo.com

17 comentários:

Anônimo disse...

Os médicos dos hospitais de guarnição mal conseguem nos atender, imagina o RJ todo. Chama os médicos cubanos que a Dilma cabou tanto que estava trazendo.

Anônimo disse...

Parece até que as unidades de saúde das Forças Armadas estão uma beleza! Acham que tem gente sobrando lá, pensam que a qualquer hora que um militar ou alguém da sua família chega lá é atendido na hora em qualquer situação. Está faltando gente, é só ver o sistema de marcação de consultas. Os médicos militares estão caindo fora, procurando melhores salários fora das Forças!

Jonecy disse...

Só prestigiam as Forças Armadas quando estão na merda, fora disso é só animosidade.

Anônimo disse...

E O Rio de Janeiro continua lindo...que beleza de cidade...fala sério, não temos médicos nem pra nossos dependentes, ainda mais essa agora...

Anônimo disse...

Seria a evidência da farsa do "Mais Médicos"?

Anônimo disse...

Na horas do ônus,chamem as Forças Armadas ; na hora do bônus,não temos dinheiro para reajustar os salários das Forças Armadas ! Estou para marcar uma consulta na endocrinologia no Hospital Naval Marcilio Dias mas a agenda só abre em janeiro e para marcar para maio de 2016 ! Governador incomPeTente que que torrou bilhões com Copa do Mundo agora corre o pires ! Deveriam processar o Cabral e o Pezão !

Anônimo disse...

E o pior é que tem militares, especialmente generais, que afirmarão que essa também é uma missão das Forças Armadas!!!

Anônimo disse...

Na bunada não vai dinha?

Anônimo disse...

Nos hospitais da Aer. (Afonsos, Galeão e Central), para sermos atendidos, temos que madrugar nas filas, pior que um hospital do estado ou do município. Na Base Aérea de Santa Cruz, existe uma construção inacabada de um hospital, que pelo tamanho, ajudaria bastante se estivesse funcionando e, milagrosamente, com médicos, o que na verdade acho que será o mais difícil de tudo. A vergonha maior é o fato de todos os meses vir descontado Fundo Hospitalar no nosso contracheque. Nada é de graça, não!!!

Anônimo disse...

Meu pai em novembro marcou consulta com cardiologista na Policlínica Naval de Niterói para maio de 2016, porque não tem agenda, alias quando chega com os exames o mesmo cardiologista fala que os exames são muito antigos. Portanto, como as Forças Armadas podem ajudar se nem mesmo consegue atender o seu público interno.

Anônimo disse...

Esta é a cara do Brasil atual, com esse governo incomPeTente que só roubou e continua roubando, e o dinheiro não volta para os cofres públicos a tendência é só piorar. Tem que tirar esses corruptos do poder. "Limpeza Já", fora corruPTos.

Anônimo disse...

Descambou para a irresponsabilidade. Não posso acreditar que isso vá acontecer pois se alastrará por todo o pais.O contingente de médicos não dá conta da demanda.Estão pedindo demissão em massa por causa dos baixos salários e a "aporrinhação" da vida militar que atrapalha até a disponibilidade deles nos consultórios. Para conseguir marcar consultas as pessoas tem que ir de madrugada para uma fila imensa, na data de abertura das agendas, e torcer para conseguir marcar.Depois disso só se estiver em emergência no pronto atendimento.Fui fazer uma esteira ergométrica de manhã cedo, às 11:30, o médico, que estava saindo de plantão, pediu para voltar às 17:30hs pois tinha quer resolver um problema no COMAR. Ele ainda atendeu a tarde no consultório da unidade cumprindo o expediente e ficou lá para zerar as esteiras.Voltei e, quando estava me preparando, ele foi chamado pelo Diretor e,às 18;20 aproximadamente, e, Finalmente, terminei lá pelas sete e tantas. E ele ficou lá com olho de zumbi, de tão cansado.Qual é o incentivo que ele tem para permanecer?

Anônimo disse...

"Estão cumprimentando com chapéu alheio!!!" Aí é fácil!

Marcos Pinto Franca disse...

Olá , adjunto do comando ! Me ajude a conseguir ortopedia aqui na Vila Militar , meu joelho doi desde junho , a última vez o soldado na cara de pau disse que eu tinha que chegar as cinco da manhã , e ainda o Governador do Rio onde se roubam milhões da saude , vide as prisões da semana passada , vem pedir médico do Exército , é muita cara de pau !
Subtenente Eng Marcos Pinto

Anônimo disse...

Simples: os hospitais do Rio estão entregues a OS (organizações sociais) que embolsam milhóes por mês (a propina tb deve ser milionária). Ocorre, no entanto, que a economia do Rio é capitaneada pela indústria do petróleo, que está enfrentando um período difícil. Assim, estáo atrasados os pagamentos das OS, que suspenderam os contratos, e o caos se instalou. Chamar médicos das FFAA é um pedido desesperado, até pq o Pezão (ou seria "mãozão") não deve ter a menor noção das enormes carências de pessoal dos sistemas de saúde das FFAA.

Anônimo disse...

Se isso acontecer vai se instalar um caos no FUSEX , que já não consigo segue atender a demanda dos militares.Acredito que FA não apoiará essa irresponsável solicitação do Governo do Rio , porém a nossa presidente é quem manda é dela já não sabemos o que pode decidir.

Anônimo disse...

Baixei hospital, problema cardíaco, fiquei uma noite na UTI, depois "acampei" na enfermaria. Depois de três dias,todo dia chegava um e perguntava o que eu tinha e porque ainda estava lá.Estava aguardando o cardiologista fazer a visita e dar alta. Fiquei uma semana e não vi a cara dele. Os outros médicos falavam com ele por telefone, "zap-zap", tarô, sei lá. Quando consegui marcar consulta era um,quando consegui a consulta da volta,era outro. Se demorar mais um pouco não acho nem mais o hospital.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics