16 de fevereiro de 2016

Serviço Militar inicial para mulheres está na pauta do Senado

Mulheres poderão ter direito a optar por serviço militar
Projeto que dá às mulheres o direito de prestar o serviço militar (PLS 213/2015) está na pauta da reunião de quinta-feira (18) da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) e será votado em caráter terminativo. A comissão realizará reunião deliberativa após sabatina de indicado a embaixador do Brasil na Coreia.
O projeto altera a Lei do Serviço Militar (Lei 4.375/1964) para garantir às mulheres a prestação voluntária do serviço, com alistamento no Exército, na Marinha ou na Aeronáutica no ano em que completarem 18 anos.
A proposta tem caráter de ação afirmativa, conforme sua autora, senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), proporcionando às mulheres a oportunidade de seguir a carreira militar.
Favorável ao texto, a relatora, senadora Lídice da Mata (PSB-BA), apresentou emenda para determinar que “as despesas decorrentes da prestação voluntária do serviço militar por mulheres serão custeadas com recursos orçamentários específicos”.
Como explica, haverá necessidade de construção de alojamentos e vestiários apropriados, além da confecção de vestimenta específica para as mulheres, entre outras despesas.
Ainda conforme emenda da relatora, os órgãos responsáveis pelo serviço militar terão até dois anos após a publicação da nova lei para oferecer o serviço às brasileiras.


Alteração da LSM, conforme o projeto
"O artigo 2º da Lei 4.375, de agosto de 1964, passa a vigorar com a seguinte redação:
“Art.2º.................................................................................................................§1º......................................................................................................................§2º....................................................................................................................   § 3º É permitida a prestação voluntária do serviço militar por mulheres, nos      termos desta Lei e de seu Regulamento.
  § 4º As despesas decorrentes da prestação voluntária do serviço militar por       mulheres serão custeadas com recursos orçamentários específicos. (NR)”

agênciasenado/montedo.com

19 comentários:

Anônimo disse...

Como pode cair numa armadilha dessa o nosso povo! Carreira militar para mulheres já existe, basta fazer concurso. Vão, agora, aproveitar o desconhecimento da população para dizer que ser soldado é seguir carreira. Mentira!!! Estão querendo é mais escravos para cuidar dos seus senhores, quem sabe até sexualmente. Sempre defendi as mulheres quando algum machista diz que mulher é mais burra que homem, mas neste caso está sendo indefensável! Infelizmente, existem mulheres que se empolgam com farda, porém logo isto passa, cai na rotina e estressa. Pensem numa coisa: tudo que o governo ou banco oferece com muita facilidade, desconfie!!!

Anônimo disse...

Asneiras feministas! Dinheiro jogado fora com banheiro feminino e outras coisas só para uso de mulheres, no momento em projetos e salários estão comprometidos nas FA.

Anônimo disse...

Mulheres na tropa como combatentes?
Vejo problemas serio a vista, pois com sargentos e oficiais do seguimento feminino já existe problemas, imagine como soldados.
Quero ver as mulheres no quarto de hora com um fuzil de pé, vai alegar que esta de TPM? Que vai estragar o cabelo na chuva?
Esperemos para ver no que vai dar...

Anônimo disse...

Acho bom , mesmo. Vai ter mulher muito mais eficiente que muitos marmanjos por aí. As mulheres são imprescindíveis na vida, até na guerra, mesmo que seja contra um inseto.

Marinho disse...

tremei-vos feminazis!!

Anônimo disse...

Se nem os homens estão querendo mais servir por serem severinos da patria, imagina as mulheres...
A maioria sas mulheres são dificeis de se lidar em questão de pressão de trabalho, teremos grandes problemas a frente com esta lei.
Vão alegar TPM, que não podem tirar serviço por estragar o cabelo, que não podem com o fuzil, TFM é muito puxado entre outras que já vejo acontecer com sargentos e oficiais femininas.

Anônimo disse...

Querem escravas também agora?kkKkkkkk, quero ver qual mulher de posse de suas faculdades mentais irá se submeter a trabalho quase escravo, privação de seus direitos civis e liberdades para usar uma farda e ganhar 600 reais. Isso é demagogia, se aproveitar da falta de informação para conseguir mão de obra. Vejo todos os anos, nas CS, jovens olhando vídeos institucionais, mostrando cursos operacionais, missões de paz, patrulhas fluviais, noto até certo entusiasmo nos mais necessitados economicamente, pois acham que poderão à partir dali, seguir carreira e executar tudo aquilo....logo essa emplogacao se desvanece diante de uma escala de 3X1, 640 reais mensais, uma alimentação precária, muita faxina, trabalhos que não cabem a um soldado do EB, haja vista o estado de penúria de nosso exército, resultando na impossibilidade de terceirizar serviços que não são inerentes a um soldado, sendo que nas outras forças existem empresas contratadas para esses fins(faxina, abrir cancelas...). Um soldado profissional, existe para manusear armamento, explosivos, sofisticados materiais de comunicações, viaturas bélicas e aperfeiçoar suas qualificações militares, como em exércitos de verdade, não para servir de mão de obra barata e substituta para marketing político. Tomara que se vigorar essa medida, que esclarecam a essas jovens,onde elas estarão indo....

2015 JS disse...

Eu quero colocar essas mulheres na hora, vou leva-las marchando na rendição.

Ubirajara Felix disse...

Sejam bem vindas,o que vale e a competência seja homem ou mulher.

Anônimo disse...

Mais uma mochila pesada para eu carregar, affi.

Anônimo disse...

Vai ser tanto mimimi quando for escalada prá fazer cri-cri, faxina, transportar material, pintar meio-fio. Quero só ver. Como dizia um antigo Comandante: TTPDM (Tem Tudo Prá Dar M).

Anônimo disse...

Na PM não tem? Nos Bombeiros também? Porque não nas Forças armadas? A Marinha tem cabos e a FAB já teve. Se na PM elas conseguem dar conta aqui no Brasil, então uma guerrinha a mais não fará mal.

Unknown disse...

Eu aprovo totalmente existe concursos? sim existe mas n seria muito mais fácil se alistar? Se caso não conseguisse ainda haveria a opção do concurso ( mais uma chance de mostrar que n somos o sexo frágil como muito pensam) .... Pra quem n sabe e fala besteira d q as mulheres iriam servir só de simples soldados eu deixo a seguinte questão em caso de o país entrar em guerra as mulheres teriam o poder de se candidatarem voluntariamente aos serviços militares em defesa ao seu país.... Aí eu pergunto n seria mais fácil a mulher ter tido o preparo físico antes de guerra por meio do direito de alistamento aos 18 anos? Enfim essa é minha opinião é vc tem o direito de concordar ou n.

Drikinhah Coelho disse...

Aposto que tem muitas mulheres que puxam hora melhor que muitos soldados..... Se suportamos a dor de um parto o que seria o peso de um fuzil?

Cara de Tigre disse...


Político é uma racinha medíocre mesmo, principalmente quando são esquerdistas e feministas. Ora, várias om´s mal tem o gás na hora do rancho, vários batalhões caindo aos pedaços, tendo só a fachada bonita. Material de faxina virou produto de luxo, viaturas baixadas por todo lado, om com mais de 500 militares que não tem uma ambulância e aparecem as doutoras legisladoras querendo verba pra smi feminino.
O pior é saber que nenhum dos comandantes tem testosterona suficiente para contestar.

Ten Cara de Tigre

Anônimo disse...

Vou urgente fazer Direito, vai ser uma mina de ouro as ações por assédio e outras coisas até mais graves, vou ficar milionário...

Anônimo disse...

Afirmativa e desigual, já que é voluntário. Imaginem dois recrutas um do sexo masculino e outro do sexo feminino: o do sexo masculino, por ser obrigatório por Lei, será um tutelado do Estado, até que por livre eespontânea vontade resolva permanecer nas FA. O recruta do sexo feminino, irá imcorporar como agente do Estado, já que será desobrigado a prestar o Serviço Militar...

Anônimo disse...

Quartel das FFAA não é lugar de mulher, em especial na area combatente.
Como um comentarista diz na Policia militar e bombeiro tem mulher, mas são funções diferentes e são funções urbanas e não em campo de combate em selva entre outros onde a mulher requer cuidados diferenciados e vai querer privacidades.
Me desculpem mas lugar de mulher não é nas FFAA, já trabalhei com varias e é bastante dificil lidar...

Anônimo disse...

Alegaram que uma vez que as mulheres estão presentes na Policia Militar e Bombeiros, nada impede que também estejam presentes como Soldados nas Forças Armadas. Mas o serviço desenvolvido pelas mulheres "Soldados" Policias Militares e Bombeiros, é diferente das atividades de Soldado do Exército. Estes executam as mais diversas atividades braçais, faxina de banheiros coletivos, capina de mato, transporte a braço de volumes pesados, ou seja muitas atividades que exigem mais capacidade física que intelectual. E com a exigencia e cobrança muito maior que as que trabalham profissionalmente como auxiliar de serviços gerais em empresas privadas

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics