8 de fevereiro de 2016

Pai de cabo da Marinha morta em assalto no Rio vai processar o Estado

Enterro da militar Monique Nascimento no Cemitério de Raiz da Serra, em Magé. Cerimônia teve honras militares
Cíntia Cruz e Fabiano Rocha
A família da cabo da Marinha Monique Santanna dos Santos Nascimento, de 23 anos, morta numa tentativa de assalto, na noite desta quinta-feira, em Cascadura, Zona Norte do Rio, vai processar o Estado. O pai da vítima, Osanildo Magal, disse que tomou a decisão porque atribui às autoridades a falta de segurança na cidade:
— Temos o direito de ir e vir, mas não temos condições de exercer porque a criminalidade está acima de tudo. Eles têm o direito de andar armado e tirar uma vida por dinheiro. Então o Estado é responsável.
O corpo da militar foi sepultado na manhã deste sábado no Cemitério de Raiz da Serra, em Piabetá, Magé, Baixada Fluminense. Cerca de 200 pessoas foram se despedir da jovem, que foi enterrada com honras militares.
— Ela era uma guerreira, que sempre teve foco na vida. Mesmo sendo a caçula, sempre me dava conselhos — disse a irmã mais velha de Monique, Natália Santanna dos Santos Nascimento, de 30 anos.
Monique estava em casa, na noite da última quinta-feira, quando dois bandidos armados abordaram um grupo de amigas dela que colocavam as malas no carro —- elas viajariam para Cabo Frio, na Região dos Lagos, onde passariam o carnaval. Atraída pelo barulho, a garota saiu de casa e foi até o portão. Ao abri-lo, fez um barulho que chamou a atenção dos criminosos. Foi quando um deles atirou e a acertou no peito.
Depois de ferida, a jovem ainda foi levada para o Hospital municipal Salgado Filho, no Méier, também na Zona Norte, mas não resistiu ao ferimento. As amigas da jovem não se machucaram. Os dois bandidos fugiram.
As investigações do caso ficarão a cargo da Divisão de Homicídios (DH). A assessoria de imprensa da Polícia Civil informou que, de acordo com o delegado Fábio Cardoso, titular da unidade, “um inquérito foi instaurado para apurar as circunstâncias da morte de Monique Santanna dos Santos Nascimento. Foi realizada pericia no local e testemunhas estão sendo ouvidas. Diligências estão sendo realizadas em busca de informações que ajudem nas investigações".
EXTRA/montedo.com

9 comentários:

Anônimo disse...

Claro que vai processar... Para que mais serve um filho(a) morto(a) se não para garantir alguma indenização financeira? Afinal, "não tem valor que vai trazer meu filho de volta".

Anônimo disse...

Deveria também processar além do Estado,os "direitos humanos",a deputada chorona Maria do Rosário,o pessoal do PSOL e todos estes cretinos que defendem bandidos ! Quando um militar mata um bandido,são estes que aparecem pedindo "justiça" ! Meus sentimentos a família desta jovem !

Anônimo disse...

Esse comentarista perdeu a noção das coisas. Aliás, mostra sua visão distorcida da justiça. Vê o mundo como se todos fôssemos sem escrúpulos. Não consegue entender que processos buscam sobretudo atender aos objetivos punitivo, pedagógico e desestimulado da ação ou, como no caso, da omissão do estado em nos proporcionar um mínimo razoável de segurança. Por esse tipo de mentalidade é que estamos neste esgoto.

Anônimo disse...

Queria saber daquele comentarista (9 de fevereiro de 2016 08:43), se ele pensou a mesma coisa em relação ao Amarildo. Como aqui se trata da família de uma cidadã do bem, então, não deveria exigir indenização?! Vá chupar um parafuso até virar prego, ô meu!!!

Anônimo disse...

Tem que processar mesmo !!! O brasileiro é muito passivo. Pagamos nossos impostos, é dever constitucional do Estado garantir Educação de qualidade, saúde e segurança. Se todos que sofrerem com a omissão do Estado tomassem essa atitude, hoje nós viveríamos outra realidade. Talvez tivéssemos um retorno parecido com a dos países do primeiro mundo. Pagamos os impostos mais caros do mundo e não temos nenhum retorno. Logo
Vaí pra onde esse dinheiro ????

Anônimo disse...

Isso msm, eu também deveria cobrar na justiça toda vez que preciso trocar a suspensão do meu carro (uma vez por ano), tudo esburacado. Se eu não pagar o IPVA, meu carro é apreendido. ...

Anônimo disse...

A Marinha, o Exército e a Aeronáutica, deveriam manter um sistema de inteligência secreto e interligados entre si, para agirem nesses casos e em casos que envolvam pessoas públicas no desvio de dinheiro ou outro crime qualquer. Não simplesmente para bisbilhotar a vida dos funcionários militares.

Anônimo disse...

O Estado é responsável para dar segurança ao cidadão e manter os meliantes presos. Se não faz, deve ser processado, sim. Se um bandido é fugitivo e lhe assalta, o Estado é responsável. Dinheiro não traz ninguém que morreu de volta, é apenas uma forma paliativa de amenizar as despesas causadas pelo ato do infrator. As pessoas perdem um parente e ainda tem muitas despesas com o funeral. Condenado mesmo, são os familiares que ficarão sem os seus filhos e pais que foram assassinados.Não ha recompensa justa nesses casos.Se é para chorar, que chore os familiares dos bandidos, mas até os pais deles também sofrem.

Anônimo disse...

Meu amigo, quando alguém processa o Estado por ineficiência da segurança pública, está não só lutando pelo seu direito, como de toda a sociedade. Há um livrinho barato chamado "A luta pelo Direito", que interessa não só a estudantes de Direito,mas sim a todos nós, cidadãos. Se vc se interessar, certamente vai ampliar os seus horizontes acerca do tema.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics