6 de setembro de 2015

Guerra de travesseiros deixa trinta cadetes feridos em West Point

Guerra de travesseiros anual deixa feridos em academia militar dos EUA
 Uma guerra de travesseiros anual entre novatos na Academia Militar dos Estados Unidos ficou violenta e deixou 30 cadetes machucados, informou o superintendente da escola neste sábado.
O evento, parte da tradição para os estudantes do primeiro ano na academia West Point, Nova York, tem a intenção de ajudá-los a relaxar e conquistar espírito de equipe, após um verão preparando-se para um programa severo, de acordo com declaração do tenente-general Robert L. Caslen, Jr., superintendente da academia.
"Assumo total responsabilidade por todas as ações que ocorrem aqui em West Point para incluir o evento de 20 de agosto de 2015", disse Caslen. "Continuamos comprometidos com o desenvolvimento de líderes de caráter."
A disputa ficou sangrenta após muitos cadetes colocarem capacetes e outros objetos duros dentro das fronhas dos travesseiros, o que resultou em concussões, um nariz quebrado, um ombro deslocado e outros ossos quebrados, segundo o comunicado de Caslen e notícia do jornal New York Times.
Todos os feridos, incluindo 24 com concussões, voltaram ao campus e "ações apropriadas" serão adotadas quando a investigação for finalizada, disse Caslen.
O tenente-coronel Christopher Kasker, um porta-voz da academia, disse ao Times que não há planos de cancelar a tradição.
A guerra de travesseiros acontece desde pelo menos 1897, de acordo com o Times, citando um inquérito do Congresso sobre trotes, em 1901. A luta de 2013 foi cancelada depois que um cadete colocou um cofre em uma fronha durante o evento de 2012 e machucou outros cadetes, segundo o jornal.
Reuters/montedo.com

4 comentários:

Anônimo disse...

Trapaceiros existem em qualquer lugar do mundo...

Anônimo disse...

Idiotas fazendo idiotice...só pode dar M...

Anônimo disse...

Exercito de verdade é assim e comandante assume a situação...
O Brasil tem que parar que não pode isso e aquilo, formamos militares e não soldadinho de chumbo. Fud... os direitos humanos.
Se não treinar os militares devemos então dar aula de arte cenicas aos militares para poder encenar caso tiver uma guerra, Pois em uma guerra o inimico é implacavel e sem dó. E não adianta dizer que o Brasil é pacifico, pois outros paises não são e estão de olho em nós...
Tambem não adianta dizer que na hora treina que não dá tempo. A verdade é que nos damos chance ao azar.

Anônimo disse...

Só podia ser coisa de um Exército destes, sucateado; mal treinado; mal pago; mal comandado; que não respeita o direitos humanos nem o das "minas"; não apreende com as experiências do passado; é desafiado mesmo por vizinhos; não vai a guerra há setenta anos e, suas condecorações são dadas a presidiários. Ainda bem que não sou yanke, sou das respeitadíssimas Forças Armadas do Brasil!

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics