5 de maio de 2016

Almirante é alvo de sindicância por suposto pagamento de propina

Marinha abre sindicância para investigar propina da Engevix
ÉPOCA revelou que José Antunes Sobrinho, sócio da Engevix, diz ter pagado a lobistas e autoridades para reformar fragata
DANIEL HAIDAR
A Marinha abriu uma sindicância para investigar o relato de José Antunes Sobrinho, sócio da Engevix, de que pagou propina a um almirante, a autoridades e a uma dupla de lobistas argentinos para que a construtora ganhasse um contrato US$ 160 milhões apra reparar a fragata Warao, da Marinha da Venezuela. O caso foi relevado por ÉPOCA na semana passada.
Em seu relato, Antunes afirma que pagou aos lobistas argentinos para obter o contrato com os venezuelanos. Na parte brasileira, Antunes diz que teve de pagar ao contra-almirante Mário Ferreira Botelho, diretor do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, para alugar um espaço e a infraestrutura para que a fragata ficasse atracada na zona portuária do Rio. Em nota enviada a ÉPOCA, a Marinha informou que desconhecia as irregularidades, mas que tomará providências para averiguar os crimes relatados.
Em depoimentos a procuradores da República e documentos enviados aos investigadores da Operação Lava Jato, conforme ÉPOCA revelou, Antunes fez acusações contra o vice-presidente, Michel Temer (PMDB), o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), o ministro da Secretaria de Comunicação Social do Governo, Edinho Silva, a ex-ministra-chefe da Casa Civil no governo Lula, Erenice Guerra, e o ex-marido da presidente Dilma Rousseff, Carlos Araújo. Antunes também disse que houve pagamento de propinas para conseguir o contrato com a Marinha venezuelana e garantir que a armada bolivariana teria onde atracar o navio em águas brasileiras.
ÉPOCA/montedo.com

9 comentários:

Anônimo disse...

E qual a novidade nesta terra do nunca antes.......
Mas tudo dentro da lei e devidamente declarado.

charles ribeiro disse...

Não é novidade, altos escalões da Força envolvidos em corrupção. Vamos ajudar o Brasil a crescer como vinha sendo, gerando empregos para o povo brasileiro e melhor qualidade de vida, assim diminuindo a violência onde ricos e pobre sofrem com esses tipos de atos promíscuos, maléficos, satânico e egoístas. Vamos deixar de se apropriar de bens de uma maneira ilícitas, é dar exemplo mundo afora que o nosso Brasil tem condições de se torna um dos melhores países para se viver, para isso nossos entes que fazem parte da federação deixem de ser individualistas e egoístas, pensem mais nas pessoas que estão passando fome, ricos e pobres morrendo tendo em vista o aumento da violência e por falta de médicos nos hospitais públicos.

Anônimo disse...

Nossos oficiais? Não creio.

Anônimo disse...

Brasil, um grande país, diversidade cultural, com riquezas, mas lamentavelmente possui uma imensidão de corruptos, em todos os níveis, em todos os escalões, sem exceção. Poderíamos estar numa situação bem melhor, com melhores salários, melhor situação na saúde, educação, etc. Urge nosso país mudar as leis e punir com rigor todo corrupto que pisa o solo pátrio, que com sua sórdida atuação, causa tanto mal a todos.

Anônimo disse...

E o fio da meada ainda não acabou. Nesse espinhel ainda vai vir mais peixões.

Anônimo disse...

Início dos anos 2000 numa OM do nordeste: o então comandante ficava trancado no seu PC e determinava que praças não poderiam ser recebidas diretamente por ele; deveriam (as praças) procurar os seus superiores e estes é que levavam as demandas ao comandante. Até aqui tudo perfeito, conforme o figurino. No entanto, descobrimos que esse comandante evitava praças por ser extremamente "sangue azul" e tinha declarado que não gostava de praças, pois "praça é golpista" (golpista, na visão dele, no sentido de "criminoso" mesmo). Pois bem, o seu subchefe (na época Major), o Fiscal Administrativo (capitão prestes a ser promovido a major), o Almoxarife e o Aprovisionador (o mesmo tenente) formavam uma verdadeira quadrilha (com a participação de um fornecedor. Fornecedor esse que fornecia de tudo. Era incrível que a empresa dele fornecia tudo, pois "ganhava" todas, repito, todas as licitações). Quadrilha essa descoberta e "punida". Punida entre aspas porque estávamos no ano de 2000/2001, portanto ainda não se punia com severidade oficiais. É tanto que as punições não foram para as suas alterações, foram punições para "inglês ver". Os respectivos oficiais seguiram suas brilhantes carreiras normalmente. Hoje, dois deles já na reserva, como coronéis, residem ainda no nordeste (numa capital), num bairro nobre, são vizinhos de ricos empresários e industriais, têm um patrimônio indiscutivelmente incompatível com as suas remunerações ao longo da carreira (incluindo as movimentações que tiveram) e estão "felizes para sempre". Para esses, o crime compensou.

Em resumo, militar - seja oficial ou sargento - é brasileiro, veio da mesma sociedade; sociedade que, infelizmente, é conivente com a corrupção. Desvio de caráter não é e nunca foi exclusividade de praça ou de oficial, mas em ambos os círculos hierárquicos nós sabemos que existem representantes.

P.S.: antes que apareça algum "alienado" aqui e diga "se você viu tudo isso, por que não denunciou?", esclareço que nessa época eu era apenas um simples lobinho ainda acreditando no sistema e com a "fé na missão", e ficava sabendo dessas tramóias pelas declarações dos "antigões".

Anônimo disse...

A Marinha do Brasil esta cada dia mais suja, temos diversos almirantes envolvidos em problemas judiciais, vergonhoso isso acontecer...

Anônimo disse...

Pau que bate em Chico, bate em Francisco! Mas o STM vai dar um jeitinho de safar o rapaz da "Acadimia"!

Anônimo disse...

Colaboraçao com o blog


http://www.defesa.gov.br/noticias/20361-dilma-atende-aldo-rebelo-e-amplia-gratificacao-para-militares-das-forcas-armadas

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics