21 de maio de 2016

Grupo armado invade Base Aérea de Fortaleza e rouba armamento

Quatro fuzis e uma pistola são levados da Base Áerea de Fortaleza
Dois soldados foram presos, suspeitos de envolvimento na ação
Fortaleza (CE) - Três fuzis e uma pistola foram furtados da Base Aérea da capital cearense na noite desta sexta-feira, 20.  Seis homens chegaram em dois veículos, renderam os sentinelas e levaram o armamento.
Cinco homens participaram da ação, sendo que quatro entraram na Base Aérea e um permaneceu do lado de fora. Três militares foram rendidos. Os criminosos estavam armados com revólveres e as armas foram levadas do Corpo da Guarda.
Dois soldados da Aeronáutica foram detidos, e confessaram envolvimento no roubo do armamento. A Aeronáutica abriu um Inquérito Policial Militar para investigar a ação.
Foram roubados três fuzis HK33, uma pistola 9 milimetros e dois carregadores. O armamento não foi recuperado. (com informações de O Povo e Diário do Nordeste)

9 comentários:

Anônimo disse...

Tá feia a coisa...o despreparo dos quadros é gritante, já passou da hora dos comandantes reverem a formação dos Oficiais e Sgt, bem como as dos Cb e Sd...está mais fácil assaltar um quartel do que roubar a bolsa de uma velhinha

Anônimo disse...

Serviço militar obrigatório, guardas com instalações inadequadas, escalas apertadas, entre outros só para apontar alguns problemas.

Coiote disse...

Há vários áudios nas redes sociais, inclusive de, supostamente, militares do comando da FAB de Fortaleza e o próprio site do G1, deram noticiais que as armas haviam sido encontradas, contudo, neste site a notícia é que não foram.

Afinal as armas foram ou não recuperadas?

Anônimo disse...

O grande problema é que quem tira o serviço, está preso a procedimentos criados por quem está em casa dormindo e invariavelmente do serviço só conhece por ouvir falar.

Anônimo disse...

Isso mostra o grau de segurança e protocolo para casos como esse.Para entrar até em unidades hospitalares, ha registros a base da caneta, sem câmeras, sem barreiras físicas fortes e para sair, às vezes, em algumas unidades, pedem para abrir até o porta malas do carro. Somos todos suspeitos, mas para a bandidagem, isso é brincadeira de criança.Agora, haja reunião, sindicância e mijada para os que não tem nada haver com isso.Continua tudo igual!

Anônimo disse...

Cara...isso é quase inevitavel...foi os proprios sentinelas estao envolvidos.

Anônimo disse...

São quatro ou três fuzis, tá meio confuso está notícia....

Esses editores de hoje são formado "nas coxas"

Anônimo disse...

Senhores, pelo menos nesse caso, teve a participação de militares que devem ter passado todas as informações sobre o momento propício para a ação. Ainda não vi, li, ou ouvir falar numa ação direta de bandidos que entraram num quartel das Forças Armadas com a "cara e a coragem". Dificilmente eles vão querer trocar tiros com a guarda. Quando acontece casos como esse de Fortaleza, eles contam com a participação de militares que às vezes até se encontram de serviço no dia e facilitam a ação. Com informações detalhadas, sabem que não encontrarão resistência.

O grande erro é na seleção, formação e acompanhamento dos nossos militares, especialmente os temporários (soldados, cabos, sargentos e oficiais). Claro que existem desvios de caráter entre os militares de carreira, mas estes pelo menos não querem perder os empregos.

A seleção de soldados, por exemplo, em muitos casos é feita na chamada "peixada", ou seja, os pais dos conscritos procuram militares do quartel para "darem uma força" para os filhos serem incorporados. Já vi recrutas incorporarem dessa maneira e causar problemas sérios de indisciplina no quartel, mas o militar que o apadrinhou tira logo o corpo fora. E o incrível é que os pais, na maioria dos casos, alegam que querem os filhos no quartel porque "não conseguem discipliná-los em casa"!! São problemas em suas casas e os pais querem "lavar as mãos" e entregar o problema para o Exército!!!

A formação dos nossos soldados, com algumas exceções, está sendo feita atualmente na base da brincadeira e improvisação. Tudo bem que os militares estão insatisfeitos, mas isso não pode ser transferido para a negligência na formação dos jovens soldados, que não tem culpa das nossas insatisfações. Normalmente, os militares mais indisciplinados e não profissionais são nomeados para compor a equipe de instrução.

O acompanhamento nunca existe. E não falo aqui da 2ª Seção, mas de todo militar "antigo" (soldado EP, cabo, sargento, oficial) que esteja trabalhando diretamente com os mais novos. Ninguém observa ou fiscaliza os comportamentos. Não se investiga suspeitas e indícios de desvios de comportamento.

Aí, como consequência, lemos notícias como estas de Fortaleza. No fundo, no fundo a culpa é de todos os militares do quartel.

P.S.: as informações (seleção, formação e acompanhamento) descritas acima são resultados de observações feitas de fatos ocorridos nas últimas três OM em que este militar serviu.

Paranaense disse...

Senhores! Estamos voltando a década de 70. Com o impedimento da ex-guerrilheira, o terrorismo voltará com força total. Coisas do PT & Cia. Realmente o pessoal que tira serviço está despreparado para esse tipo de situação. Vale lembrar que nessa hora, direitos humanos, é tiro na testa para não estragar o couro.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics