30 de maio de 2016

Com a palavra, o Adjunto de Comando

Recebi na área de comentários este artigo de um Adjunto de Comando.
Trata-se de um texto lúcido e esclarecedor de quem está vivenciando esse momento de transformação.
Vale a leitura.

Caro Montedo
Tenho acompanhado algumas postagens relativas ao novo cargo criado pelo Exército Brasileiro, o Adjunto de Comando, e verificado que muitos ainda não entenderam a importância que este cargo representa para a Instituição, principalmente para nós, os graduados.
Estamos hoje fazendo parte do sistema decisório de nossa Instituição. Quando digo isso, não estou me referindo ao poder de tomar decisões, mas sim, a possibilidade de representar o círculo das Praças no assessoramento dos Comandantes e seus Estado-Maiores, por ocasião das tomadas de decisão em relação as Praças, coisa que não acontecia pouco tempo atrás.
Este foi um importante passo que o Exército deu, visando a valorização de seus integrantes, bem como o comprometimento de todos com os assuntos relacionados a Força.
É lógico que ainda levará muito tempo para que o novo cargo funcione da maneira que todos esperamos, quando se tenta mudar a cultura, as mudanças serão mais lentas e demandarão mais envolvimento de todos para que estas mudanças atinjam sua plenitude. Por isso, é necessário que cada um de nós façamos a nossa parte.
Bom, em relação ao artigo que o Sr elencou como pauta, gostaria de fazer alguns comentários:
Primeiro, estamos vivendo a implementação do novo Cargo e os militares estão sendo selecionados pelo perfil, o que é o muito justo, no meu ponto de vista. Entretanto, os comandantes também estão levando em consideração o relacionamento interpessoal que cada um destes militares possui. Eles sabem que, de nada adianta ter um militar com o perfil alto, se ele não possui um livre trânsito em seu círculo hierárquico, sendo justamente por isso que este cargo contempla os ST e Sgt e não os Of QAO. Se me permite comentar, até agora não tivemos notícias de nenhum Adjunto de Comando que esteja sendo visto com maus olhos pelos militares das Unidades já contempladas pelo cargo.
Em toda mudança, quando o ambiente não está totalmente preparado para ela, terão que ocorrer alguns ajustes, posso garantir que, todos aqueles que estão ocupando o novo cargo estão sendo orientados para não atuar como mais um assistente. Poderão haver alguns equívocos, mas estes estão sendo corrigidos.
Em todas as OM que já possuem o Adjunto de Comando, salvo algumas poucas exceções, este está recebendo e divulgando informações sobre o que vai pela carreira das Praças e já possuem este canal de comunicação para a transmissão destas informações.
Ainda a respeito de nossa carreira, estamos trabalhando em sugestões para que os órgãos responsáveis pelas mudanças sejam alimentados de informações para que nossas necessidades e anseios sejam atendidos. Poucos dias atrás, realizamos uma reunião com a presença dos Adjuntos de Comando de minha Brigada, onde discutimos, levantamos ideias e confeccionamos uma proposta para a nova carreira das Praças, contemplando menores interstícios e novas graduações, desvinculação da carreira e desverticalização salarial. Trabalhamos pensando no ideal, se será utilizada ou não, só saberemos no futuro, porém fizemos nossa parte.
Por último, o aumento de militares temporários se fará necessário sim, para que possamos cumprir nossa missão constitucional. Do ponto de vista de um Adjunto de Comando, não importa se o militar é ou não de curto ou longo prazo. Não podemos esquecer que somos todos temporários, uns com mais, outros com menos tempo de serviço, porém devemos cumprir nossa missão sempre. O Adjunto de Comando fará seu trabalho levando em consideração todos os militares, isso inclui: Soldados, Cabos, Sargentos, Subtenentes e até mesmo Oficias.
Sei que vou receber críticas em relação ao assunto remuneração, coisa que é normal em seu Blog caro Montedo. Porém, podem todos acreditar ou não, mas todo dia converso com o Comandante da Brigada a respeito das necessidades de PNR, da defasagem salarial, dos altos aluguéis que pagamos, sobre as dificuldades de proporcionarmos uma boa educação a nossos filhos, sobre as dificuldades de darmos uma vida digna à nossa família, entre outros assuntos relativos a nós, Praças. Estou fazendo a minha parte e sei que os militares que estão ocupando o Cargo fazem também. Como escrevi anteriormente, se irá ou não fazer a diferença, o futuro dirá. O que importa é que estamos fazendo a nossa parte e honrando nosso círculo, se fazendo presentes e buscando espaço dentro da Instituição.

Lembre-se: 
Hoje sou eu quem está ocupando o Cargo de Ajunto de Comando, amanhã será Você!
Adjunto de Comando de Brigada

37 comentários:

1 sgt inf disse...

Com toda sinceridade, eu naum preciso fazer curso e nem usar um brevê diferente para expor as necessidades dos praças...nossos anseios são muito bem claros e amplamente divulgados para os nossos superiores. O q falta nao eh informação, e sim AÇÃO! !!

Com adjunto de comando ou sem adjunto de comando, naum há o que se falar em mudança. Tudo vai continuar da mesma forma como sempre foi.

O maximo q poderá vir a melhorar, naum passará de beneficios dentro da propria OM do militar adjunto de comando junto aos demais praças, ou seja: trocar o chuveiro quebrado, lavar as roupas de cama, mudar o horário de ronda, fazer mais churrascos, deixar o praça trocar serviço, entre outras coisas nesse mesmo nivel de importância.

AMPLEXOS!!!

Anônimo disse...

Concurso interno para oficial e fim da graduação de subtenente

Anônimo disse...

OS ASSUNTOS ABAIXO FORAM TRATADOS NA ÚLTIMA RACE OU NÃO ? ALGUÉM SABE ALGO ?

RACE - foram citados vários aspectos, dentre eles:

Criação de um posto de Gen de 1 estrela.

Todos os Of terão de ter uma especialidade.

Vai mudar a ECEME para Cmdo e para EM.

Major QAO, quesito ser capitão QAO com mais de 720 dias além dos 30 anos, com CHQAO.

Aux moradia nao foi falado nada

CPEAE obrigatório pra sair Gen. Quem fizer terá que aplicar 2 anos o conhecimento.

Estágio probatório de Aspira muda de 6 meses pra 1 ano e meio.

Eceme previsao de aumentar as vagas

Quem estiver em Brasilia (em PNR) acima de 10 anos poderá ser movimentado. esses 10 anos é no caso de praças, Oficiais menos

Habilitação em Idiomas obrigatório pra sair Gen.

O ultimo ano de Ten vai ter um curso pra habilitar a sair Cap (EAD).

Tem chancer de aumentar o tempo de serviço pra 35 anos. Eles estão lutando pra evitar, mas a pressão é grande. A luta esta grande com esse negocio de 35 anos. Foi falado que aposentadoria integral foi luta ganha por eles.

Marinha e Aeronautica a vinda pra Brasilia nao esta condicionada a PNR. Pode acontecer o mesmo com o EB.

Pode aumentar a poncentagem de valor pago referente a curso.

Previsao de Gen de uma estrela também.

A representação para militares será paga independente se o cara está ou não na guarnição. Se estiver em missão ele recebe.

Cpeax primeiro ano de Cel e após comando de OM. O cara com faculdade, cursos etc o EB vai incentivar o mesmo a seguir nesse rumo. Vai chegar uma hora que todos vão ser obrigados a escolher. Se vai poder sair Gen

Prioridade para o PLAMOGEX dentre todos os planos que o militar se inscrever.

Prioridades para cursos para quem tiver servindo na sede do curso (ex: curso pqdt a prioridade é pra quem tiver servindo no RJ)

Início das publicações de transferência primeira quinzena de julho. Começando por ida para Guarnição Especial.

Parecer do Cmt desfavorável 99% de chance de não ser atendido nas opções.

Publicação Boletim DGP somente as sextas, salvo casos especiais que poderá ser publicado seg ou quarta.

Quem pedir para ficar mais um ano em Guarnição Especial ficará!

Nivelamento com proposta NÃO voltará.

Anônimo disse...

SUGESTÕES AOS ADJ CMDO ...

** QUE TAL FALAREM SOBRE VALORIZAÇÃO E MELHORIAS REAIS PARA A TROPA E A FAMILIA MILITAR ?

A MINHA SUGESTÃO DE PAUTA SERIA:

- construção de pelo menos 50 PNR para ST/Sgt por GU em até 5 anos;
- auxílio-moradia;
- reajuste anual entre 30% em uma única parcela;
- data base no Dia do Exército;
- pagamento das férias não gozadas do ano de recruta, cujos militares que incorporaram até 1983, não era dado esse direito. Em 2013/2014, alguns inativos receberam e outros não. Uma boa parte do pessoal da ativa gozaram e receberal 1/3 em dindim e já outros dançaram, pois foi revogada pelo Gen Enzo no apagar das luzes ou seja aos 44 min do 2º tempo;
- salário familia para cada filho até os 14 anos de idade, no percentual entre 5% a 10% do soldo cada um;
- volta do posto acima na passagem para a inatividade ( não teve transição );
- quando construir qualquer OM, começar pelos PNR, que atendam 80% do efetivo pelo menos;
- diminuição dos intersticios ( aumentados em 50% em 2002 por Portaria, após a perda de um posto acima pela MP do Mal-LRM );
- em todas a reuniões Cmdo RM ou DE ou Bda ou AD, os Cmt deverão obrigatoriamente apresentar indicadores de endividamento da tropa sob seu Cmdo nas dezenas de entidades consignatárias ( SPP da OM );
- nas RACE, indicadores fornecidos pelo CPEx, situação todo EB;
- o desconto do FUSEx e Pensão militar sobre o soldo e não sobre o bruto (atualmente, um militar do mesmo posto ou grad, paga pelo mesmo atendimento um valor diferenciado, pois um ganha mais do que o outro );
- volta do direito da viúva do militar falecido no serviço ativo, revogados pela Port 080-DGP, que dava direito a viúva de receber além das 4 ajudas de custos, o transporte da bagagem, carro, moto e as passagens, para o local que indicasse residir sem o esposo falecido;
- determinação para que aquela representação parlamentar de militares que trabalham no dia a dia no Congresso, não visem apenas os interesses da Instituição, mas também da "familia militar";
- proibições dos expedientes desnecessários e sem recursos para manter;
- determinar uma data para ser entregue uma NOVA LRM para o Presidente TEMER;
- desconto do FUSEx e Pensão Militar deve ser sobre o SOLDO, como era antes da MP do Mal;
- aumentar de 4 ajudas de custo para 10, quando o militar ir prá reserva. Atualmente, um militar temporario recebe 7 ou 8 remunerações;
- atualização da tabela de bagagem, Auto e moto, não atualizadas desde Dez 1994 (o frete deve ter aumentados mais de 600% nesse periodo de 20 anos);

*** O valor da indenização é para o militar custear o transporte da sua bagagem e não JUNTAR 3 ou 4 militares para alugar UM caminhão.
- Etc ...

Anônimo disse...

Resposta dos " chefes", às demandas deste "espantalho" criado pelos sabichões: CICA.
O autor do texto usou de muita retórica, mas não consegue, alcançar coraçoes e mentes, pois se este é um mero " leva e traz, das necessidades dos graduados, o que é que há de diferente do que fazem a enxurrada de S2 existentes nas OM?
Senhores, os chefes não fazem nada "de graça". Qual será, objetivamente, a finalidade deste leva e traz?
Será que este adjunto de comando de brigada, levou aos demais companheiros de farda o que está sendo "aventado" nas reuniões de adjuntos de comando, ou fica tudo só na "turma e entre os chefes". Se for assim, já começou mal.

Anônimo disse...

E digo mais: quanto maior o reconhecimento dos praças a quem estiver ocupando esse cargo, maior vai ser a representatividade dele junto ao Comando.

Sgt QE 87 Aman

Anônimo disse...

Parabéns Adj Cmdo....
Estou com vc....
2°Sgt 2002

Anônimo disse...

O Exército não segue uma evolução lógica, ou seja, muda o comando mudam as diretrizes, portanto tudo o que é muito importante hoje, depois de amanhã passa a ser sem valor. Cada General deseja deixar a sua marca, mas não há uma continuidade nessas ideias, como se cada um considerasse a sua ideia a melhor em detrimento a todas as demais. Portanto, muito em breve esse cargo também cairá por terra, assim como tantas outras grandes novidades que envelheceram antes mesmo de dar frutos.

Anônimo disse...

NAUM aprendeu a escrever, só a reclamar.

1 sgt inf disse...

E vc naum aprendeu a pensar...logo, é um beócio!!!

Anônimo disse...

Quanto à forma de escolha, pelo perfil, seria o ideal se realmente o perfil fosse a realidade que, como sabemos, na maioria das vezes não são. Um que é "PEIXE" de, por exemplo, um General, quem serve na Gu de Brasilia e outros tem perfil diferenciado. Tem que criar uma "Comissão de Avaliação" nas OM, composta por Of, St e Sgt de carreira, aí sim seria um perfil mais justo.

Anônimo disse...

Muitas reuniões e poucas ações !!!

S Ten /93

Anônimo disse...

Mas quando que as coisas irão melhorar?
Porque é sempre o mesmo discurso, todos fazem suas partes da melhor maneira possivel, mas nunca é o suficiente. Os verbos são sempre no gerundio, estudando, verificando, analisando, etc. E na reunião de comando, 98% das propostas envolvem os oficiais, principalmente os de alto escalão.
Adjunto de Comando: farinha pouca, meu pirão primeiro.

Anônimo disse...

Falaram alguma coisa dos 28,86%? Já que não temos direito a quase nada, que pelo menos paguem o que já nos devem!

Marcos disse...

Repito aqui no Blog do Cap Montedo , na minha OM o S4 e o S1 são Of do QAO , isso deveria ser motivo de orgulho mas na visao " lei de Gerson / tropical / Macunaima, é motivo de chacota, tal qual está sendo o Adj de Comando , daqui a uma geração quem sabe isso muda para um pensamento mais primeiro mundo .
Sten Eng Marcos Pinto, RJ

Anônimo disse...

Impressiona saber que nossos Chefes precisaram criar um Cargo para dizer-lhes o que acontece com os praças do Exército Brasileiro, como se não soubessem. Aí para isso escolhem o mais pucha-saco para ocupá-lo. VERGONHA. O PAÌS não precisa disso.

Anônimo disse...

Achei muito boa a idéia de criar o Adjunto de Comando, mais uma manicaca para colocar na farda...

Anônimo disse...

Maj QAO, chega a ser hilário. Srs., façam concurso, não queiram alçar postos sem as condições necessárias para tal.
ST MB Mnt Auto/92

Anônimo disse...

Pessoal, por favor!
Existem dois tipos de militares no exército:
As praças e os Oficiais...
Praça foi formado para carregar o piano junto com o Soldado...
E Ganhar menos que um aspirante à Oficial a vida inteira...
Conselho, querem ter melhora de salário, uma escala de serviço melhor,
Remuneração melhor para transferências...
Façam o QCO, ou peça baixa.
Melhorias vão ocorrer, mas só quando a galinha criar dente...
e o outra, esse Adjunto de comando vai servir para 'entregar' praça...

Sgt QE Eng disse...

O Sgt do Quadro Especial não existe....

Sgt QE Eng disse...

O adjunto de comando é o subão das antigas. Só que o adjunto fará política.

Anônimo disse...

Infelizmente existe sim, apesar da constituição do Brasil afirmar que servidor federal só poder estabilizar através de concurso úblico, o EB que foi uma mãezona, neste caso: Além de estabilizar os Cabos, os promoveu a 3º e 2ºSgt, sem concurso, sem curso e sem estarem qualificados para o cargo, na minha opinião, uma verdadeira aberração...

Anônimo disse...

Senhoras e senhores, cada postagem que chama a minha atenção eu procuro enriquecer e fazer comentários também.
Estamos vendo muito Bla Bla Bla, e na boa tem familiares meus que estão se aposentando e zombando da velha fala "ESTÁ EM ESTUDO ISSO OU AQUILO".
Percebo que policiais militares quando completam o tempo para passar a inatividade suas OMs colocam eles de férias, e nas férias lhe promove ao posto acima. Interessante que a força auxiliar sem fazer nenhum "estudo" conseguem tomar decisões que para as forças armadas, pelo amor de Deus, passam dezenas de anos para realizar um "ESTUDO".
Cheguei a conclusão que só temos "B U R R O S" (sem desmerecer os coitados dos animais) na liderança e chegando mais a cada ano. Ora se não podem mudar nada, porque precisam do Congresso Nacional para realizar alguma mudança, então vamos parar com esta historia de estudo (pura mentira), cala a boca e vão observar a situação de seus militares que está precária.
Já falei em outra ocasião e torno a falar, acaba com concurso externo para escolas de sargentos, façam isto com os que já estão dentro da caserna, outra fez torno a citar a Policia Militar, só tem concurso aberto ao publico externo para oficiais, os praças tem um plano de carreira satisfatório e internamente vão acendendo as graduações superiores, o que custa fazer assim?
Boa sorte a todos.

Anônimo disse...

Como gosto deste blog porque é o lugar dos anonimos, e porque sempre tem alguém "formado por militares" sem formação nas escolas de sargentos que encistem em falar dos sargentos do quadro especial. Pessoas sem formação e pior, dizem que foram formados na escola de sargentos das armas. Perguntas básicas companheiros: 1) Quem definiu a concessão dos cabos a estabilidade foi decreto lei e não peixada (como ocorre em vários lugares que sgt temporários foram passados através de falcatrua no "concurso" que estes tantos falam que passaram em concurso); 2) Quem forma estes "concursados" na escola tem pós-graduação para ensinar? (me cite um por favor); 3) Com quase trinta anos de serviços prestados as forças armadas, conheci vários sgt qes que são orgulho para o Ministério da Defesa e por outro lado me debarei com vários malandros que usavam a força como cabide de emprego, e olha que muitas foram as resmas de papel e tinta de impressora que foram gastas com impressão de apostilhas baixadas na internet para o "concursado" estudar para cair fora, isto é corrupção descarrada. Senhores e senhoras gastem seu precioso tempo com brilhantismo da farda que vocês festem, sejam mais inteligentes tente construir algo, ajudar alguém, plantar uma arvore, escrever um livro, formar uma família a luz da Bíblia, ter filhos e educá-los, façam a diferença.

Anônimo disse...

da Breve, então ta valendo.

Anônimo disse...

O assunto não é esse, mas a cada publicação sempre surge os invejosos. O mais impressionante é que, ainda existe pessoas arrebentando o cotovelo de tanta dor em relação aos 2º Sgt do Quadro Especial.

(Anônimo disse...
Infelizmente existe sim, apesar da constituição do Brasil afirmar que servidor federal só poder estabilizar através de concurso úblico, o EB que foi uma mãezona, neste caso: Além de estabilizar os Cabos, os promoveu a 3º e 2ºSgt, sem concurso, sem curso e sem estarem qualificados para o cargo, na minha opinião, uma verdadeira aberração...

30 de maio de 2016 13:43)

Companheiro: Se não esta te afetando em nada, fica na tua, ou procura teus direitos. Corre atrás do que você acha certo, proteste contra essas promoções, faça um documento a quem de direito, contrate um advogado, mas, te digo uma coisa, se não for fazer isso, pare com essas inveja, isso não é bom pra tua saúde, só vai te fazer mal. Acaba afetando até o convívio familiar, pois, o invés de dar atenção pra família ou ao trabalho, fica se preocupando com algo que não lhe diz respeito. A, e em ultimo caso, (vaza), se está sendo prejudicado, tem coisas melhores fora do EB.

Anônimo disse...

Concordo com as informações dadas pelo Adj Cmdo, porém deixo aqui alguns pontos que, penso eu, precisam de maior reflexão:

1. Valorização das praças (no EB) como profissionais, somente ocorrerá quando se mudar a cultura dos tais "valores tradicionais", pois que esses "valores" são responsáveis ainda em caracterizar - na visão dos oficiais - as praças como "escravos" e os oficiais como "nobres, gentleman". Ou seja, somente quando ensinarem na Academia que praça é auxiliar, no sentido de contribuir e não como subserviente analfabeto, é que teremos um início da valorização das praças. Percebamos que a verdadeira valorização vai acontecer quando mudar essa cultura anacrônica, do século XIX; não se muda apenas com remuneração (já flagrei 2º tenente humilhar um subtenente na frente da tropa; independentemente do subtenente ter abaixado a cabeça, a questão é a postura do jovem tenente frente a um profissional com mais de 20 anos de serviço). Você conversa com qualquer jovem que vai prestar o concurso para a EsPCEx ou que já é aluno dessa escola e percebe que ele enxerga um praça como um militar profissional como qualquer outro. Porém, quando o Aspirante chega na tropa, com raríssimas exceções, você descobre nele um verdadeiro "senhor de engenho" no tratamento com as praças. Por isso que deve mudar o conceito que é dado às praças na Academia;

2. É triste saber que somente agora, com a figura do Adjunto de Comando, nossos comandantes ficarão sabendo de nossa realidade (das praças), como necessidades de mais PNR, interstícios entre as promoções, remuneração, etc. Pois, sempre foi atribuição do comandante conhecer seus comandados, suas necessidades e problemas. É só ler o "velho e bom" RISG e está lá, dentre as atribuições do Comandante (e isso, desde o comando de subunidade!); e

3. Infelizmente, o sistema é muito injusto, por isso, fica muito difícil acreditar na isonomia da seleção para essa função de Adj Cmdo. Explico: como todos nós sabemos o que ocorre na prática, no dia a dia, sabemos que comandante nenhum vai querer selecionar um Adj Cmdo que não seja "fiel" a ele (fiel aqui significa aquela figura que já existe há muito tempo no EB, a praça que a tudo concorda com os oficiais e que são contra os próprios pares, vivem "queimando" companheiros para se promover).

Bem, são essas as minhas dúvidas e itens para reflexão dos Adjuntos de Comando. No mais é torcer para que eu esteja errado e que a função contribua para a melhoria da vida das praças.

Anônimo disse...

Sobre os comentários anteriores de alguns companheiros:
O EB poderia solucionar boa parte dos problemas de falta de PNR se usasse os muitos terrenos que possui sob sua jurisdição para manobras patrimoniais com outras instituições ou leiloasse para iniciativa privada...boa parte desses terrenos são áreas isoladas, servem só pra criar postos de guarda ou inço ! Não resolvem a questão dos PNR, pra praça principalmente, por que quem pode deliberar já tem o seu...

Anônimo disse...

Mais 1 FE (Fora da Escala).
Reinvidicação:
Quem participa de escala com horários na madrugada (Ronda, Permanência Gda e Quarto de Hora), seja liberado do expediente no próximo dia útil, ou receba 10% Representação.

Anônimo disse...

Ilário ver vc falar em "malandros concursados que usam a força como cabide de emprego" você nunca estudou para concurso meu caro QE, vc ganhou uma promoção política a 2Sgt com curso de formação de cabos. Vc ganhou sua vaga por predileção de comandante. Leia mais, corrija sua caligrafia é vá para a reserva.

Amauri disse...

A criação de uma "Comissão de Avaliação" nas OM para fins verificar o militar mais adequado para o cargo de Adjunto de Comando (pelo menos foi o q entendi) proposta pelo comentarista do dia 30 de maio de 2016 07:48 é muito interessante. Porém não entendi o porquê dela ser composta por Of, St e Sgt de CARREIRA!!!! Os Sgt QE, Cb e Sd, tb, merecem participar de tal comissão!!!!

Anônimo disse...

Uma ajuda de um amigo chamado "Aurélio"
a) anonimo, seria anônimo;
b) encistem, seria insistem;
c) a estabilidade, seria à estabilidade;
d) orgulho para o ministério da defesa!!!! Bom, está definição não consta no Aurélio;
e) debarei, seria deparei;
f) descarrada, seria descarada;
g) festem, seria vestem; e
h) arvore, seria árvore.

Ok amigo?

2° Sgt QE / 91

Anônimo disse...

Boa Tarde!

Não sei o que mais afetou ao “corretor ortográfico” acima (comentário do dia 30 de maio de 2016 22:30), se os erros de português ou as verdades inseridas no texto.
Admiro o conhecimento e respeito quem faz uso dele, porém, fico impressionado ao ver um “corretor ortográfico” cometer erros em sua correção, isto é hilário (aprenda a escrever primeiro, antes de corrigir alguém).
Pois bem seu “corretor”, irei me expressar, dentro do vernáculo da língua portuguesa, e partilhar com vossa senhoria, se digne de me dirigir ao ilustre “corretor”.
A insatisfação gerada dentro dos quarteis não é nem de longe culpa de quem vem de escola de sargentos ou de quem foi alcançado por alguma portaria ou decreto lei e conseguiu a estabilidade (a titulo de conhecimento, isto ocorreu dentro de vários órgãos da administração pública no Brasil), vemos que por não existi politicas publicas de interesse dos militares das forças armadas que lhes garantam qualidade de vida tanto para si quanto para seus dependentes ou familiares, vem ocasionando certos conflitos internos, que não podemos mencionar neste blog. Porém nobre colega, já a muito vemos dentro das instalações militares um povo desmotivado e sem inspiração para trabalhar, gerando uma sobre carga na minoria (as vezes os mais modernos). Isto deixa claro que são sequelas da situação atual vivida por cada um nós.
Como melhorar isso?

“Se quisermos alcançar resultados nunca antes alcançados, devemos empregar métodos nunca antes testados.” Francis Bacon – Político, ensaísta e filósofo inglês. Considerado o fundador da ciência moderna.

Temos dentro de nossos quarteis excelentes mentes ao nosso favor, porém estas mentes são egoístas, só pensam nelas. Além de criarmos o cargo de Adjunto de Comando deveríamos elaborar métodos convencionais para aplicação imediata para nossos militares (oficiais e praças, de general a soldado). Precisamos unir forças em uma só direção, a qualidade de vida para todos os militares sem discriminar ninguém, quem entra na vida militar já chega aqui com sonhos, não podemos acabar com estes desejos patrióticos. Assina: Militar Praça de 19xx.

Anônimo disse...

Eu, na qualidade de professor de Língua Portuguesa nas horas vagas, e tendo como código de conduta o hábito de jamais corrigir ninguém, a menos que me peçam, nunca tinha me divertido tanto lendo comentários neste blog, como os postados nesta matéria. Companheiro corrigindo outro, mas sem ter o devido cuidado ortográfico com o que estava escrevendo, outros dando lição de moral, no entanto não demonstrando ter moral suficiente para fazê-lo. Militares reclamando das reclamações de outros. Realmente hilário, meu prezado Capitão Montedo. Na atual conjuntura que vivemos, seria trágico, porém considero cômico.

Anônimo disse...

Restam dois dias para quem participou do ENEM 2015 inscrever-se no SISU. Vamos estudar, senhores e senhoras. ...... E reclamar menos.

Anônimo disse...

Esqueceu de colocar: esquecer o restante do país e focar nos militares! Cada um viu.. e mesmo que tivesse isso aí ainda íamos reclamar.

Anônimo disse...

Sou S Ten recém promovido e vejo com bons olhos o cargo de "Adjunto de Comando", tendo em vista que o mesmo terá ligação direta ao Comante da Unidade, não tendo de usar interlocutores para distorcerem às reais necessidades dos Praças. Considero sim uma valorização dos praças este cargo, afinal de contas a tempos precisamos ser mais reconhecidos pelo nosso árduo trabalho, de carregar o piano. Quanto aos Sgt QE, não há o que discutir isso são águas passadas e os mesmos tem seus méritos por anos de dedicação a força. Quanto a um comentário sobre a formação dos Sgt na Escola de Sargentos das Armas, creio que saem muito bem formados sim, é claro que alguns saem com outros objetivos que são os de cabide de emprego, para se formarem e alçarem vôos maiores, parabéns, mas estes não tem vocação para serem militares, é bom inclusive que nem permaneçam na força. Fomos formados para sermos S Ten e Sgt sim e quem disse que um S Ten não pode ter um salário maior que um Aspirante que fica 3 meses e pouco de serviço em um NPOR ou CPOR, enquanto um S Ten já possui acima de 25 anos de serviço e muita experiência dentro da caserna é claro não vou falar aqui de quem não quer nada com a bolinha, pois são exceções, na minha Unidade os S Ten e Sgt na sua maioria que demonstram seu conhecimento são sim reconhecidos pelos Tenentes mais jovens aos quais sempre solicitam apoio para tomar às decisões mais corretas.
- Já passei por várias Unidades e já presenciei muitos Oficiais do QAO desempenhando funções de Chefe de Seção e nos quais inclusive os Comandantes depositam total confiança, mas o que quero dizer é que precisamos valorizar mais à nossa classe para que possamos lutar por nossos anseios e não apenas denegrir a imagem dos praças como vejo em alguns comentários postados, é claro que há muita coisa a fazer mas tudo tem um começo.

S Ten Turma 95 - C. F. - Comunicações

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics