11 de julho de 2017

A Operação ‘Rolling Thunder’ na Guerra do Vietnã

F105 Thunderchief lançam bombas no Vietnã do Norte
A Operação Rolling Thunder foi uma campanha de bombardeio aéreo gradual e sustentada, conduzida pela 2nd Air Division dos EUA (mais tarde, a Seventh Air Force), pela Marinha dos EUA (US Navy) e Força Aérea da República do Vietnã (VNAF) contra a República Democrática do Vietnã (sigla DRV em inglês, ou Vietnã do Norte). A operação foi realizada de 2 de março de 1965 até 2 de novembro de 1968, durante a Guerra do Vietnã.
Os quatro objetivos da operação (que evoluíram ao longo do tempo) foram impulsionar o moral flutuante do regime de Saigon na República do Vietnã, para persuadir o Vietnã do Norte a cessar seu apoio à insurgência comunista no Vietnã do Sul sem realmente precisar levar forças terrestres ao Vietnã do Norte comunista. A operação também visava destruir o sistema de transporte do Vietnã do Norte, sua base industrial e defesas aéreas, e interromper o fluxo de homens e materiais para o Vietnã do Sul.
A realização desses objetivos foi dificultada tanto pelas restrições impostas aos EUA e seus aliados pelas exigências da Guerra Fria e pela ajuda militar e assistência recebida pelo Vietnã do Norte de seus aliados comunistas, a União Soviética, a República Popular da China (PRC) e Coreia do Norte.
A operação tornou-se a batalha aérea/terrestre mais intensa travada durante o período da Guerra Fria; foi a campanha mais difícil travada pela Força Aérea dos EUA desde o bombardeio aéreo da Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial. Com o apoio de aliados comunistas, o Vietnã do Norte colocou uma potente mistura de armas ar-ar e superfície-ar sofisticadas que criaram uma das defesas aéreas mais eficazes já enfrentadas pelos aviadores militares americanos.
KC-135A reabastece F-105Ds sobre o Vietnã em 1965
Antecedentes
Em resposta à revogação do presidente Ngo Dinh Diem das eleições de reunificação de 1956 e à supressão dos comunistas no final da década de 1950, Hanoi começou a enviar armas e material às guerrilhas da Frente Nacional para a Libertação do Vietnã do Sul (NLF), que estavam se insurgindo para derrubar o governo de Saigon apoiado pelos Estados Unidos. Para combater a NLF e fortalecer o governo no sul, os EUA inicialmente forneceram ajuda monetária, conselheiros militares e suprimentos. Entre 1957 e 1963, os Estados Unidos estavam comprometidos, através da aceitação da política de contenção e a crença na “teoria dominó”, de defender o Vietnã do Sul do que se via como uma agressão comunista expansiva.
A política dos EUA foi por um tempo ditada por sua percepção de melhoria no governo de Saigon. Nenhum outro compromisso dos americanos ocorreria sem uma prova tangível da sobrevivência do regime. Os eventos no Vietnã, no entanto, ultrapassaram esta política. No início de 1965, acreditava-se que, sem mais ação americana, o governo de Saigon não poderia sobreviver. No entanto, até o dia 8 de fevereiro, em um telegrama ao embaixador dos EUA no Vietnã do Sul Maxwell Taylor, o Presidente dos EUA Lyndon B. Johnson enfatizou que o objetivo primordial de uma campanha de bombardeio seria impulsionar o moral de Saigon, não influenciar Hanoi, expressando a esperança de “que a construção de um governo mínimo se beneficiaria se os americanos demonstrassem a intenção de continuar a agir”.
Então, surgiram questões entre a administração dos EUA e a liderança militar quanto ao melhor método pelo qual Hanoi (o lugar percebido da insurgência) poderia ser dissuadido de seu curso de ação. A resposta parecia estar na aplicação do Poder Aéreo. Em 1964, a maioria dos civis que cercavam o presidente Lyndon B. Johnson compartilhavam a fé coletiva dos Chefes de Estado-Maior na eficácia de bombardeios estratégicos em um grau ou outro. Eles argumentavam que uma pequena nação como o Vietnã do Norte, com uma pequena base industrial que estava apenas emergindo após a Primeira Guerra da Indochina, seria relutante em arriscar sua nova viabilidade econômica para apoiar a insurgência no sul. Constantemente afetando esse processo de tomada de decisão era o receio de possíveis contra-movimentos ou intervenção direta da União Soviética, da República Popular da China ou de ambos. No entanto, os civis e os militares estavam divididos sobre a maneira de afetar a vontade de Hanoi de apoiar a insurgência no sul. Os civis pensavam em mudar o comportamento do regime, enquanto os militares estavam mais preocupados com a quebra da vontade.
Em agosto de 1964, como resultado do Incidente do Golfo de Tonkin, no qual navios de guerra dos EUA alegaram ter sido atacados por barcos patrulha do Vietnã do Norte, o presidente Johnson ordenou ataques de retaliação (Operação Pierce Arrow) contra o norte. Isto não satisfez, contudo, os chefes militares, que exigiram uma campanha mais ampla e agressiva.
Um A-4 Skyhwak da U.S. Navy ataca um trem no Vietnã do Norte com um foguete Zuni

Implementação
Em março de 1964, o Commander In Chief (CinC) Pacific começou a desenvolver planos para uma campanha aérea sustentada de oito semanas, projetada para escalar em três estágios. Inicialmente incluía uma “lista de 94 alvos”: pontes, estações ferroviárias, docas, quartéis e depósitos de abastecimento.
O objetivo era reduzir o apoio norte-vietnamita às operações comunistas no Laos e no Vietnã do Sul e limitar as capacidades do Vietnã do Norte de tomar medidas diretas contra o Laos e o Vietnã do Sul e, finalmente, prejudicar a capacidade dos norte-vietnamitas de continuar como um estado industrialmente viável.
Havia no entanto uma grande preocupação de que uma campanha aérea pudesse levar a um conflito mais amplo envolvendo os chineses ou os soviéticos. Havia “um medo quase paranóico de confrontação nuclear com a União Soviética” e uma “fobia” de que os chineses poderiam invadir.
Por um tempo, nenhuma ação aberta foi tomada, e os planos continuaram a evoluir. Um novo refinamento do plano foi desenvolvido em 29 de novembro de 1964, com uma lista de alvos mais moderada, contra a qual os Joint Chiefs se opuseram. Nenhuma ação foi tomada enquanto estes e outros planos eram considerados.
Mas a situação mudou com o ataque contra Camp Holloway em 7 de fevereiro de 1965, que exigiu ação imediata e resultou em um ataque de represália conhecido como Operation Flaming Dart. Uma incursão contra soldados americanos em Qui Nhon no dia 10 levou à Flaming Dart II. Estas operações em pequena escala foram lançadas contra áreas na região sul do país, onde a maior parte das forças terrestres do Vietnã do Norte e os depósitos de abastecimento estavam localizados.
Essas ações levaram à reconsideração dos planos para uma campanha aérea sustentada. Em 13 de fevereiro, foi aprovado um novo plano, fundindo alvos e prioridades, e batizado de Rolling Thunder.
Embora alguns dentro da administração americana acreditassem que a campanha seria dispendiosa e que talvez não funcionasse, eles argumentavam que era “um risco aceitável, especialmente quando considerado contra a alternativa de introduzir tropas de combate americanas”. A Rolling Thunder seria uma campanha aérea de oito semanas consistente com as restrições que Johnson e o secretário de defesa Robert S. McNamara haviam imposto a ela. Se a insurgência continuasse “com o apoio do Vietnã do Norte, os ataques contra os norte-vietnamitas seriam estendidos com esforços intensificados contra alvos ao norte do paralelo 19º”.
Acreditava-se que a pressão seletiva, controlada por Washington, combinada com as propostas diplomáticas, prevaleceria e obrigaria Hanoi a parar com sua agressão. Os militares ainda não estavam satisfeitos, uma vez que, por enquanto, a campanha de bombardeio deveria limitar-se aos alvos abaixo do paralelo 19º, cada um dos quais teria que ser esclarecido individualmente pelo Presidente e McNamara.
A primeira missão da nova operação foi lançada em 2 de março contra uma área de armazenamento de munições perto de Xom Bang. No mesmo dia, 19 aeronaves A-1 Skyraiders da VNAF atingiram a Base Naval de Quang Khe. Os americanos ficaram chocados quando seis de seus aviões foram derrubados durante a missão. Cinco dos tripulantes derrubados foram resgatados, mas era um sinal das coisas que estavam por vir.
A-1 Skyraiders da VNAF
Início da Operação
De acordo com a doutrina do “gradualismo”, em que a ameaça de destruição serviria como um sinal mais influente da determinação americana do que a própria destruição, era melhor manter alvos importantes “reféns” enquanto se bombardeavam alvos triviais. Desde o início do Rolling Thunder, Washington determinou quais alvos, o dia e a hora do ataque, o número e tipos de aeronaves e as tonelagens e tipos de munição utilizados, e às vezes até a direção do ataque. Os ataques aéreos foram estritamente proibidos dentro de 30 milhas náuticas (60 km) de Hanoi e dentro de dez milhas náuticas (19 km) do porto de Haiphong. Uma zona tampão de trinta milhas também se estendeu ao longo da fronteira chinesa. De acordo com o historiador da USAF Earl Tilford:
A seleção de alvos tinha pouca semelhança com a realidade, na medida em que a sequência de ataques não estava coordenada e os alvos foram aprovados aleatoriamente — até mesmo de forma ilógica. Os aeródromos do Norte, que, de acordo com qualquer política de alvos racional, deveriam ter sido atingidos primeiro na campanha, também estavam fora de limites.
Embora algumas dessas restrições fossem afrouxadas ou eliminadas, o Presidente Johnson (com o apoio de McNamara) manteve um estreito controle da campanha, o que enfureceu continuamente os comandantes militares norte-americanos, os membros de direita do Congresso e até alguns dentro da própria administração. Um dos principais objetivos da operação, pelo menos para os militares, deveria ter sido o bloqueio de Haiphong e outros portos por minagem aérea, diminuindo ou interrompendo o fluxo de abastecimentos marítimos que entravam no norte. O presidente Johnson se recusou a tomar uma ação tão provocativa, no entanto, e essa operação não foi implementada até 1972. Houve também poucas consultas entre Johnson e os chefes militares durante o processo de seleção de alvos. Mesmo o chefe dos Joint Chiefs, General Earl G. Wheeler, não estava presente na maioria das discussões críticas de 1965 e participou apenas de vez em quando.
A maioria dos ataques durante a Rolling Thunder foi lançada a partir de quatro bases aéreas na Tailândia: Korat, Takhli, Udon Thani e Ubon. As aeronaves eram reabastecidas por aviões tanque sobre o Laos antes de passar para seus alvos no Vietnã do Norte. Depois de atacar seus alvos (geralmente por bombardeio de mergulho), as forças de ataque voariam diretamente de volta para a Tailândia ou sairiam sobre as águas relativamente seguras do Golfo de Tonkin. Foi decidido rapidamente que, para limitar os conflitos de espaço aéreo entre a Força Aérea e as forças de ataque navais, o Vietnã do Norte foi dividido em seis regiões-alvo chamadas “pacotes de rotas”, cada uma das quais foi atribuída à Força Aérea ou à Marinha e na qual a outra Força estava proibida de se intrometer.
F-105s atacam ponte no Vietnã do Norte, em 1966
Os ataques da Marinha foram lançados a partir dos porta-aviões da Task Force 77, cruzando a costa norte-vietnamita na estação Yankee. As aeronaves navais, que tinham alcances mais curtos (e carregavam cargas de bombas mais leves) do que suas contra partes da Força Aérea, aproximavam-se de seus alvos pelo mar com a maioria de seus ataques contra alvos costeiros.
Em 3 de abril, os Joint Chiefs persuadiram McNamara e Johnson a lançar um ataque de quatro semanas nas linhas de comunicação do Vietnã do Norte, o que isolaria essa nação de suas fontes terrestres de abastecimento na China e na União Soviética. Cerca de um terço das importações do Norte vinham pela ferrovia do nordeste da China, enquanto os dois terços restantes vinham pelo mar através de Haiphong e outros portos. Pela primeira vez na campanha, os alvos deveriam ser escolhidos pelo seu significado militar, e não psicológico. Durante as quatro semanas, 26 pontes e sete ferrovias foram destruídas. Outros alvos incluíram o extenso sistema de radar norte-vietnamita, quartéis e depósitos de munições.
Os ataques ao sul do Vietnã do Norte, no entanto, permaneceram o foco principal das operações e as saídas totais voadas, subiram de 3.600 em abril para 4.000 em maio. Lentamente se afastando da destruição de alvos fixos, foram realizadas missões de “reconhecimento armado”, em que foram autorizadas pequenas formações de aeronaves que patrulhavam rodovias, estradas de ferro e rios, buscando alvos de oportunidade.
Essas missões aumentaram de duas para 200 saídas por semana até o final de 1965. Eventualmente, as missões de reconhecimento armado constituíram 75 por cento do esforço total de bombardeio, em parte porque o sistema através do qual os alvos fixos eram solicitados, selecionados e autorizados era muito complicado e difícil.
F-105s decolam para mais uma missão no Vietnã, durante a Operação Rolling Thunder
Mudança de prioridades
Se a Rolling Thunder deveria “enviar sinais” a Hanoi para desistir de suas ações, não parecia estar funcionando. Em 8 de abril, respondendo aos pedidos de negociações de paz, o primeiro-ministro do Vietnã do Norte, Pham Van Dong, afirmou que só poderiam começar quando: o bombardeio fosse interrompido; os EUA retirassem todas as tropas do sul; o governo de Saigon reconhecesse as exigências da NLF (Frente Nacional para a Libertação do Vietnã do Sul); e fosse acordado que a reunificação do Vietnã seria resolvida pelos próprios vietnamitas.
Como parte de um grande ataque na Ponte Thanh Hóa em 3 de abril, a Vietnam People’s Air Force (VPAF) apareceu pela primeira vez com dois grupos de quatro MiG-17 lançados a partir da base aérea de Noi Bai e derrubaram um F-8 Crusader pelo custo de um deles, que aterrissou em um rio depois de ficar sem combustível. Uma repetição no dia seguinte resultou em uma luta clássica com F-100 Super Sabers e F-105 contra mais MiG-17s. No total, a USAF perdeu onze aeronaves (inclusive por fogo antiaéreo), enquanto a VPAF perdeu três de seus caças.
Toda o aspecto do esforço americano foi alterado em 8 de março de 1965, quando 3.500 soldados dos EUA desembarcaram na praia em Da Nang, ostensivamente para defender os aeródromos do sul comprometidos com os ataques Rolling Thunder. A missão das forças terrestres foi expandida para combater as operações e, a partir desse momento, a campanha aérea tornou-se uma operação secundária, subjugada pelos desdobramentos de tropas e a escalada das operações terrestres no Vietnã do Sul. Até a terceira semana de abril, a Rolling Thunder gozava de um status pelo menos igual com missões aéreas realizadas no sul. Após esse período, ataques que interfeririam com os requisitos para o campo de batalha do sul foram adiados ou cancelados.
Até 24 de dezembro de 1965, 170 aeronaves americanas haviam sido perdidas durante a campanha (85 da USAF, 94 da USN e uma do USMC). Oito aviões da VNAF também haviam sido perdidos. As tripulações da USAF haviam voado 25.971 surtidas e lançado 32.063 toneladas de bombas. Os aviadores navais haviam voado 28.168 saídas e lançado 11.144 toneladas. A VNAF contribuiu com 682 missões, lançando uma quantidade não registrada de armas.
PODER AÉREO/montedo.com

Um comentário:

Anônimo disse...

Lindo! Mas alguém poderia me lembrar como terminou essa guerra? kkkkkkkkkk

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics