3 de julho de 2017

Geringonça em órbita: bilionário, satélite de Defesa e Comunicação não funciona

TELEBRÁS GARANTE: SATÉLITE BILIONÁRIO VAI FUNCIONAR
O presidente da Telebrás, Antônio Loss, admite que se mantém inativo do SGDC, Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação, mas promete “medidas administrativas”. Por enquanto, o satélite que custou R$ 2,8 bilhões é só uma geringonça em órbita porque antenas gigantes ainda não foram instaladas em cinco capitais brasileiras, para transmitir dados. Contratada para fornecê-las, a empresa Gilat do Brasil falhou.

RELAÇÕES AMISTOSAS
Israelense, a Gilat do Brasil tem relações tão amistosas com o diretor técnico da Telebrás, Jarbas Valente, que nem sequer sofreu punição.

PREJUÍZO CERTO
Sem as antenas instaladas, a internet banda larga mais rápida e barata fica comprometida e gera prejuízo de R$200 milhões por mês.

DEFESA
Cerca de 30% da capacidade de transmissão do SGDC será utilizada exclusivamente para a comunicação de Defesa das Forças Armadas.
DIÁRIO do PODER/montedo.com

19 comentários:

Anônimo disse...

E vai vim um camarada dizer que as Com sempre falha!
2 Sgt Com 2008

Anônimo disse...

Qua qua qua qua qua qua qua qua qua qua qua qua. Pausa para uma água. Continuamos com nossas gargalhadas ... qua qua qua qua qua qua qua. Isso aqui é Brasil. Não tem pra ninguém não. Incompetência é regra.

ST CESAR disse...

Algum iluminado deve ter pensado " O satélite está pronto, vamos fazer uma baita propaganda na hora do lançamento, se vai funcionar ou não aí já é outra história, a gente coloca a culpa nos ETs ou algo parecido."

Diego H disse...

Brasil Colônia. .....nada mudou....

Anônimo disse...

Os fatos só acontecem com punições severas na Justiça aos administradores ou penalização no bolso do inutil. Simples assim. Esse país precisa de um sacode firme.

Marcelo Carvalho disse...

Depois de 13 anos dos bolivarianos vocês queriam o que ?

Anônimo disse...

Pelo que entendi e não devo ter desaprendido ler, assim penso eu, o problema não é no que está em órbita, e sim no que deveria estar no chão. Ora, até provar o contrário, o satélite está normal e o que falta é instalar as torres aqui nos estados.

Anônimo disse...

Baseado no texto,o satélite funciona.O que não funciona é o sistema como um todo,devido à inauguração de uma obra inacabada, aliás isto é tão comum em nossas terras tupiniquins! Poderia ser pior se o satélite estivesse em pane ,aí sim, 2.8 bilhões de reais jogados no lixo! Voltando ao assunto,é necessário ter acesso ao cronograma da implementação do sistema para saber se era previsto o lançamento do satélite antes da instalação das antenas ou se ,como anda ocorrendo , acabou o dinheiro do projeto e a empresa israelense está aguardando o devido pagamento para a instalação das antenas gigantes,o que parece ser o mais provável!

Unknown disse...

Está parecendo o campo de energia eólica no nordeste! Estamos pagando pela energia mas não podemos usá-lá porque os campos ficaram prontos mas as linhas de transmissão não! Acorda Brasil!

Anônimo disse...

Tem sempre alguém jogando pedras e puxando o tapete na vida dos brasileiro quando tentamos desenvolver tecnologias e independência das grandes potências. Contrata-se uma empresa e ela, por sua vez, contrata empresas chinesas? Será que os chineses estão pensando que é para fabricar uma sombrinha gigante? E a qualidade dessas antenas, xing ling, vai servir? Alguém está levando vantagem e muito dinheiro?

Unknown disse...

"vai vim" ou vai vir?

Unknown disse...

Estou servindo em Campo Grande e vejo que as obras próximas a torre de controle do aeroporto estão caminhando bem. Esses dias me surpreendi com o tamanho que está a estrutura que teve seu ponta pé inicial no final do ano passado. Se estão dentro do cronograma ou não, são outros quinhentos.

Anônimo disse...

Se for igual ao projeto do submarino "atônito", que nunca sai, o satélite vai virar sucata antes do tempo ou vai servir só aos militares. As empresas estrangeiras que oferecem um mundo de "vantagens" pelo serviço de internet e estão interessadas em dominar o nosso espaço aéreo, agradecem. garanto que já tem gente bolando uma antena pirata para vender na feira.

Anônimo disse...

Tantos professores nas forças armadas e escolas sem aula por falta de professor

Anônimo disse...

É meu amigo Anônimo4 de julho de 2017 20:14, infelizmente aqui nas FA o camarada esta mais preocupado em corrigir os erros ortográficos dos militares que venham a se manifestar no Blog do que dar uma opinião ou um palpite de cunho relevante. Esse camarada que me corrigiu deveria estar dando aula em escolas, pois esta perdendo um tempo valioso na MB/EB/FAB em não colocar em pratica a sua notória formaçao.

Anônimo disse...

Nada no Brasil funciona, tu querias que essa bosta funcionasse? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Boa tarde.
Não é bem assim. O satélite está operando na faixa militar, inclusive com vídeoconferências entre OM's, como foi feito na operação Ostium. A parte que cabe União, referente aos ministérios civis envolvidos no projeto é que não foi feita.

CB PM ROMANO disse...

Neste País temos que incluir nas legislações a proibição de fato, exemplo: É terminantemente proibido matar, salvo em legítima defesa ou estado de necessidade com pena de 50 anos para quem desobedecer e multa equivalente a um salários mínimos para cada mês que esteja acautelado, além de devolução do(s) bem(ns) danificado(s) e/ou subtraídos, no caso dessa falta de profissionalismo, caráter e umbridade deve ser paga com cadeia e pagamento proporcional do dano causado a Sociedade.

Crimes dolosos e/ ou hediondos em desfavor da Sociedade idônea e/ou servidores públicos tem que ser com punições máximas, rígidas, severas e sem direito a qualquer benéfico, principalmente quando algum Político assume e/ou que seja devidamente comprovado sua autoria.

CB PM ROMANO disse...

Bom dia.
Bom saber.

Como sempre essa "corja" mantendo o paradigma em maquiar e enganar a sociedade.

Esses nossos Politiqueiros de plantão.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics