11 de julho de 2017

MPF denuncia general por superfaturamento na Diretoria de Saúde do Exército

Publicação original: 10/7 (23:10)

MPF aciona Justiça contra ex-diretor do Exército por superfaturamento na Saúde
Enquanto diretor na área de Saúde, militar agiu para beneficiar empresa em licitações para dois hospitais da corporação, diz MPF. Prejuízo é avaliado em R$ 702,52 mil.
Monumentos em frente ao Quartel-General do Exército, em Brasília (Foto: Wikimedia/Reprodução)
Monumentos em frente ao Quartel-General do Exército, em Brasília (Foto: Wikimedia/Reprodução)
Por Gabriel Luiz, G1 DF
O Ministério Público Federal (MPF) entrou na Justiça contra o general do Exército Francisco Távora, que atuou como diretor de Saúde, e os empresários Joel de Lima Pinel e Temistocles Neto alegando que eles superfaturaram compras de equipamentos em dois hospitais da corporação. Foram ao menos duas aquisições, que ocorreram de forma desnecessária, o que teria causado prejuízo avaliado em R$ 702,52 mil.
Até a última atualização desta reportagem, o G1 não havia conseguido localizar o advogado de defesa do general e dos empresários. O exército informou que só se posicionaria nesta terça (11).
No entendimento do MPF, o ex-diretor agiu de forma a favorecer a empresa Microview – pertecente aos empresários que também são investigados –, direcionando as licitações dos hospitais de Curitiba e de Belém para que a fornecedora de material hospitalar vencesse. As licitações foram feitas sem pesquisa de preço e outras medidas necessárias, conforme determina a lei.
Para o MPF, por mais que as compras tenham sido tocadas por subordinados, a culpa cai apenas sobre o ex-diretor. Os demais agiram apenas conforme manda a hierarquia, argumentam os procuradores. O ex-diretor de Saúde era responsável pela gestão dos recursos em todo o país e detinha o controle do orçamento. Ele atuou à frente da área entre novembro de 2008 e abril de 2011.
“Ademais, não houve a descrição dos equipamentos médicos de forma precisa, suficiente e clara, e tampouco, Termo de Referência contendo as especificações/quantificações dos bens a serem adquiridos pelo setor interessado, o que dificultou os trabalhos de auditoria.”

Trecho de denúncia que detalha fraude em licitação no Hospital Geral de Curitiba (Foto: Reprodução) 
Segundo a ação judicial, além do general, a empresa e os sócios também devem ser punidos porque tiveram a “resolução repetida e sistemática de fornecer os bens extremamente superfaturados à Administração Pública em várias capitais diferentes”.
Os procuradores também citam que a empresa alvo do processo esteve "no centro de uma fraude milionária descoberta pela Controladoria-Geral da União no Hospital dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro". Na unidade, foi identificado pela CGU superfaturamento de R$ 5,6 milhões.
À 21ª Vara Federal Cível de Brasília, o MPF pede o ressarcimento dos danos, pagamento de multa. Também solicita que o militar deixe a função pública (o que já ocorreu, pois ele não é mais diretor de Saúde do Exército) e impeça a empresa de manter contrato com o governo ou de receber benefício do poder público.
G1/montedo.com

19 comentários:

Anônimo disse...

Mentira. Isso não existe no EB. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Como é que ele vai pensar no salário da tropa? Não dá tempo. kkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Jamais um general faria isso. Isso é coisa de praça.

Rogério da Silva Gomes - 1ª Sgt disse...

Quem é que diz que nas Forças Armadas não tem bandidos ou é cego é demais ingênuo!!!

anonimo disse...

É golpe, é mentira, eu acredito no Lula, Dilma, Temer, Papai Noel e coelhinho da pascoa.

Anônimo disse...

Bah !!!! Cavaram coisa antiga porque ?

Anônimo disse...

Estamos preocupados e atentos.

Será q esta era a preocupação e atenção?

Anônimo disse...

Kkkkk até parece só quem faz isso é oficial se um praça faz isso já era

Anônimo disse...

Assédio no quartel

http://www.espacovital.com.br/noticia-35127-assedio-no-quartel

keko marques disse...

É só o general dizer que não sabia. Dá certo pro lulladrão, pq não daria pra ele???

Anônimo disse...

Oficial general roubando???? Nao, nao. Somente nós pracinhas que fazemos isso.

cleiton pacheco disse...

Penso da seguinte forma: quando uma empresa vê que é o Exército que vai comprar joga o preço do produto lá em cima, porque eles sabem que vai ser pago.

Anônimo disse...

Kkkkkkkkk sempre tem um

Anônimo disse...

Ué! Mas a culpa de tudo não é do Oficial Temporário?

Anônimo disse...

Indício não é crime !
Confio no meu general, na boa gestão dele e na sua preocupação com nós 1o Sgt da turma de 1996. Creio que o meu general, que é inocente vai mandar promover todos os 1o sgt dessa turma que sofre entrando e saindo do quadro de acesso.

Anônimo disse...

Aqui em Maceió nem a Unimed nem a Santa casa que convênio com o exército, para fazer parto e emergência pediatra é pelo Sus.


Anônimo disse...

Ferro neles.

Anônimo disse...

Mentira, Oficial nunca faz falcatrua, confio totalmente neles. Somente nós pracinhas que fazemos isso.

Anônimo disse...

Isto aqui é um site para militares ou para ptistas?

Anônimo disse...

Não...aqui odiamos esquerdopatas....odiamos tanto que queremos o Juiz Moro no STM, pra ver se ele consegue ficar 209 anos sem condenar um General, já que em 20 de magistratura já empurrou até em ex presidente.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics