31 de agosto de 2016

Governo gaúcho pede ajuda do Exército para enfrentar crise na segurança pública

Cairoli pede auxílio ao Exército para enfrentar crise na Segurança
Vice-governador expôs as dificuldades enfrentadas pelo Rio Grande do Sul
Resultado de imagem para comando militar do sul


Porto Alegre (RS) - O vice-governador José Paulo Cairoli visitou, nesta terça-feira, o Comando Militar do Sul, em busca de auxílio para a crise de segurança que o Rio Grande do Sul enfrenta. O Comando é responsável pelo contingente do Exército em toda a região Sul do Brasil (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná). Conforme a assessoria do governo, o encontro serviu para Cairoli expôr as dificuldades. O oficial que fez a recepção garantiu que o assunto será levado adiante. O comandante militar do Sul, general de Exército Edson Leal Pujol, não participou da reunião por estar em viagem pela Argentina.
Desde as 6h desta terça-feira, 136 soldados da Força Nacional de Segurança, cedidos pelo governo federal, passaram a integrar o efetivo da Brigada Militar em função da sequência de crimes com repercussão ocorridos em Porto Alegre. O efetivo vai atuar em áreas de maior incidência de delitos e por tempo indeterminado. Custeada pelo Ministério da Justiça, a Força Nacional se une a 160 soldados da BM que já compõem a Operação Avante, empregada em ações de patrulhamento, barreiras móveis e abordagens.
Também por tempo indeterminado, Cairoli mantém o comando interino da Secretaria da Segurança Pública até que se defina o nome do sucessor de Wantuir Jacini. Ele pediu exoneração na quinta-feira passada, após o latrocínio de uma mãe de aluno em frente ao Colégio Dom Bosco.
Correio do Povo/montedo.com

9 comentários:

Anônimo disse...

Cautela, meus senhores. A situação política depois do julgamento da Dilma vai ser complicado. A palavra "golpe" está latente e se forças federais se movimentarem nas cidades, aí vão aproveitar para provocar mais badernas.A Força Nacional já foi chamada e acredito que o Rio Grande tenha efetivo suficiente de policiais e eficiência administrativa para realizar operações de segurança para diminuir a violência. Estamos em época de eleições e deixam tudo para a última hora como uma propaganda.

POLIMAX COBERTURAS disse...

Pior e que não tem efetivo pois esse governador não chamou os aprovados em concurso que seria 1500 chamou só 180 para ocupar as vagas de temporários que foram embora estamos a merce de bandidos nos matando como cordeiros

Anônimo disse...

Já está chamando tarde. Tomara que como tempo a situação volte ao normal.

Anônimo disse...

Mais um estado vítima do PT.

Anônimo disse...

A machete deveria ser: GOVERNO GAÚCHO PEDE A TEMER QUE TRANSFORME A MP da LRM em lei. Tudo para ajudar os militares. Pois forçaria a publicação das devidas alterações. Mas, não, ele só que a lasca. o restante chega para lá!

Anônimo disse...

Se o governador e seus secretários não sabem e não tem capacidade para combater a violência, deixem os cargos. Gastar e fazer propagandas com dinheiro público são excelentes. Agora querem mostrar trabalho nas eleições com o suor dos "Severinos"? Não!

Raimundo Nonato disse...

O PT deve ter uma otima saida,porque nao chamam
o exercito de Stedile que Lula e o PT tanto fala e apoia.

Anônimo disse...

Fazem concurso, arrecadam com as inscrições, e depois não nomeiam ninguém dizendo que não podem aumentar despesas. Então, porque fizeram o concurso? Se acostumaram a chamar os "Severinos", mão de obra barata e disponível a qualquer momento, verdadeiros serviçais. Os administradores tem que aprender a administra e respeitar os concursos que fazem, ou sejam julgados por não cumprirem as regras.Não investem em escolas, área social e o resultado é uma multidão de despreparados sendo aliciados por traficantes e gangues. O resultado final é o caos.

Anônimo disse...

E a gauchada de POA vai toda votar na filha do Genro...

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics