23 de agosto de 2016

145 atletas e 12 medalhas: projeto olímpico das Forças Armadas superou a meta

6 comentários:

Anônimo disse...

Quase 50 milhões de reais gastos pelas forças armadas na campanha de marketing mais cara da história e menos eficaz. Que cara de pau das FA contratar atletas de alto rendimento com o pretexto de patrocínio do esporte. Essa seara é do ministério do esporte é não do ministério da defesa que respira por aparelhos. Nem vou entrar no merito da ruína salarial, péssimas condições de trabalho e plano de carreira ridículo (praças). Pior é ver milico apoiando e aplaudindo tal canastrice, ovacionando continências feitas no pódio por um cidadão que não faz a barba e está obrigado a pisar no quartel uma única vez ao ano. Fechem as portas.

Anônimo disse...

A diferença é enorme dos atletas estrangeiros. Os estrangeiros ganham milhares de dólares com patrocinadores e se transformam em superatletas, consequentemente. Os brasileiros que participaram, ficaram entre os dez melhores e ganharam medalhas são mais valiosos, apesar que esperávamos muito mais pelos jogos serem em nossa casa. Não é fácil querer ser atleta, implorar por patrocínio, não ter local adequado para treinar e nem técnico "importado". Assim como os atletas militares são pagos com verbas do governo, os outros poderiam também utilizar as instalações militares recebendo salário do governo sem serem obrigados a serem militares.Nós temos muitos atletas de ponta "escondidos" na multidão, que só não aparecem por causa das dificuldades financeiras.

Anônimo disse...

Não nos façamos de bobos, militares! Deixem o papel do bobo para os paisanos e jornalistas que não querem enxergar o óbvio: esse atletas ESTÃO militares, eles não são militares.
Sabemos que eles são "gatos" das Forças Armadas para ganhar medalhas nos Jogos Mundiais Militares de 2011, pois não tínhamos atletas militares de verdade em condições de ganhar medalhas. O que ocorreu,fazendo uma analogia, seria o mesmo que existindo uma olimpíada mundial de conhecimento jurídico para estudantes,o Brasil matriculasse todos os ministros do STF em universidades de EAD 6 meses antes da competição só pra cumprir uma formalidade de torná-los universitários da noite para o dia e com isso aumentar as chances de ganhar medalhas na competição... Ou seja, seria um "gato", uma gambiarra tal qual ocorre agora com os tais atletas.
E só para complementar, esses altetas só comparecem uma vez por ano ao quartel, não usam treinadores militares e continuam usando as instalações e patrocínios privados que sempre utilizaram para chegar ao estágio de atletas de ponta. Ou seja, eles estão emprestando suas imagens às Forças Armadas em troca de um salário sem ter que trabalhar (cumprir expediente).

Anônimo disse...

Tem gente com pensamento "piquinininho"

Anônimo disse...

Se um atleta desse ficar inválido, fica na folha de pgtº p/ sempre, e no Fusex também.

Anônimo disse...

E o pior é que se vc criticar esse projeto, vem um bando de "blue blood" com cinquenta pedras nas mãos!orçamento público é o caramba!Cessem esse falho projeto de marketing e se dediquem a outros tantos que devem existir!

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics