12 de novembro de 2016

Mulher é abusada após festa e deixada em lixeira no AP; militar é suspeito

Vítima de 31 anos teria sido abordada por militar e convidada para festa.
Suspeito negou crime à polícia; caso aconteceu em Oiapoque.

John Pacheco
Do G1 AP
Oiapoque (AP) - Uma mulher de 31 anos foi encontrada desacordada e com sinais de violência sexual na quarta-feira (9) em uma lixeira no acesso ao distrito de Vila Vitória, no município de Oiapoque, a 590 quilômetros de Macapá (AP). Um sargento do Exército é suspeito do crime, segundo a Polícia Civil.
Indiciado por estupro e abandono de incapaz, o militar negou em depoimento as acusações, mas confirmou que esteve com a vítima em uma festa e disse que a deixou na estrada para que ela voltasse para casa.
A mulher foi encontrada por um catador de latinha que acionou a polícia ao achar que ela estava morta. A vítima foi encaminhada para o hospital da cidade.
Após acordar e fazer exames, foi confirmada a violência sexual, detalhou segundo a delegada Waldelice Carneiro, do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) de Oiapoque. Além disso, a perícia confirmou que ela é portadora dos vírus HIV e da hepatite B, contraídos antes do ocorrido.
Em depoimento na delegacia, a mulher contou que foi a uma festa com o sargento após ter sido abordada na rua e ser convidada por ele. A vítima diz não se recordar do estupro e nem de ter sido deixada na lixeira.
"Ela foi encontrada por uma pessoa que estava catando latinha. Ela estava desacordada e quase inerte. Recebemos o chamado como se ela estivesse morta. A vítima contou que saiu à noite com um grupo de pessoas e depois não lembra mais de nada. Ele [sargento] foi a última pessoa que ela viu", descreveu Waldelice.
O militar foi ouvido pela polícia e negou o estupro. Ele confessou que estava com a mulher e que a deixou bêbada após a festa em uma área de mata próxima da lixeira.
Na mesma festa, segundo a polícia, estava outro militar, além de mulheres e duas adolescentes que teriam ingerido álcool. As testemunhas informaram em depoimento que a vítima não teria sido abusada na residência militar.
"Ele disse que levou ela para lá, pois não sabia de onde a mulher era. Achou melhor deixá-la em uma área de mata distante da cidade, pois quando acordasse seria melhor para voltar para casa. Por enquanto ele é suspeito e não está preso", detalhou a delegada, reforçando que a investigação também é acompanhada pelo Comando do Exército, em Oiapoque.

Recém-chegada
Para a polícia, a mulher contou que estava há poucos dias na cidade de Oiapoque. Ela teria saído de Macapá com algumas amigas. O objetivo da viagem era atravessar a divisa do estado para conseguir emprego na Guiana Francesa.
G1/montedo.com

4 comentários:

Anônimo disse...

Tem que ser mais investigado isso, como um sargento deixa uma mulher que mal conhece embreagada em uma area de mata e distante da cidade? Se ele não cometeu o crime, no minimo foi negligente em deixar uma pessoa naquele estado em um lugar abandonado a merce da sorte. No minimo deveria leva-la a um hospital e deixa-la lá. Muito estranho a historia, tem que ser melhor investigada em todos os sentidos.

Anônimo disse...

"deixá-la em uma área de mata distante da cidade, pois quando acordasse seria melhor para voltar para casa"

Anônimo disse...

Excelente os dois primeiros comentários, nada a acrescentar!

Anônimo disse...

Caramba, ele pega uma desconhecida na rua, vai para a festa com ela, bebe todas e depois abandona a mulher em um estrada, no meio do nada, achando que ela vai encontrar algum ente do folclórico amazônico e levá-la para casa? Ele achando que se deu bem e transou com uma portadora de HIV e hepatite... e ainda vai ser preso. O castigo chegou rápido.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics