1 de novembro de 2016

Exército identifica falhas e proíbe Taurus de comercializar pistola 24/7


Da Comunicação Sinpol-DF
O Sinpol-DF teve acesso a um documento assinado pelo comandante Logístico do Exército, o general Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira, que traz à luz uma série de problemas na empresa Forjas Taurus S/A – apontando para a necessidade de retirar determinados produtos de circulação.
No ofício, que foi enviado ao secretário de Segurança Pública do Estado do Paraná, Wagner Mesquita de Oliveira, o general compartilha “as principais conclusões alcançadas após o processo de investigação que iniciou-se em decorrência de informações que chegaram ao conhecimento do Comando do Exército, a respeito de possíveis problemas com as armas fabricadas pela empresa Forjas Taurus e que estariam colocando em risco os agentes públicos que as utilizam”.
O documento informa que foi instaurado procedimento de Verificação Sumária e que na inspeção realizada na fábrica da Forjas Taurus, “foi verificado que a empresa não possui política/gestão que busque conhecer as necessidades do cliente e seu grau de satisfação, bem como que oriente e forneça serviços de manutenção preditiva, preventiva ou corretiva”.
Ele ressalta ainda que a empresa demonstrou que, “até passado recente, tinha deficiências em seu controle de qualidade na fabricação de produtos em escala industrial”.

ALTERAÇÕES
Foi apurada a existência de indícios de modificação do projeto da Pistola 24/7 e da Pistola 840, ambas calibre .40, sem autorização do Comando Logístico.
Enquanto a primeira apresentou alteração da trava do gatilho e no tirante do gatilho, a segunda passou por modificação do eixo do sistema de fixação das teclas do registro de segurança e na alavanca de desmontagem.
“Tal atitude demonstra a existência de indícios de violação de compromisso assumido quando da obtenção do registro perante o Sistema de Fiscalização de Produtos Controlados, compromisso esse de não modificar o produto controlado com produção já autorizada”, adverte o ofício.
Em função disso, foi instaurado um Processo Administrativo Sancionador (PAS) para “apurar a possível existência de irregularidades no trato com produtos controlados, relativas a modificações desautorizadas de Pistolas Taurus 24/7 e Modelo PT 840”.
Será analisada ainda a aplicação de sanções administrativas cabíveis, “por haver iminente risco à vida, à saúde, à integridade física e à segurança do usuário e da sociedade”, justifica o documento do Comando Logístico, que expõe ainda uma série de medidas acautelatórias já adotadas pelo Exército.

AJUSTES
Até que o PAS ao qual a empresa responderá tenha solução, foi definida a apreensão das pistolas modelo 24/7 existentes na linha de produção da empresa ou em estoque, bem como a suspenção e fim da comercialização desses armamentos, até que seja comprovado que a empresa solucionou os problemas de qualidade apresentados.
Também foi recomendado à Taurus prestar maior assistência a todos os adquirentes de quaisquer armas de fogo fabricadas por ela.
Entre as medidas estão orientações, em mídias e no site da empresa, quanto à necessidade de manutenção preventiva periódica, e a inclusão de planos de manutenção periódica, em assistência técnica própria ou credenciada pela empresa.
Outro ponto explicitado é a extensão dos recalls disponibilizados aos produtos adquiridos pelos Órgãos de Segurança Pública a todos os demais adquirentes.

LICITAÇÃO
Além do documento expedido pelo Comando Logístico do Exército, outra medida adotada pela Polícia Militar de São Paulo reforça a tese dos problemas com as armas da Taurus: a Consultoria Jurídica da corporação penalizou a fabricante a ficar dois anos sem licitar ou contratar com a Administração.
A punição é referente ao processo de aquisição de 5.9831 submetralhadoras do modelo SMT-40. O armamento foi adquirido em 2011, mas nunca foi utilizado porque apresentou problemas de funcionamento.
Nesse caso, as armas apresentavam defeitos como quebra do cano durante o disparo, travamento, disparos sem o acionamento do gatilho e rajadas de tiros involuntárias.

RECALL
O recall dos armamentos utilizados na Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) é uma reivindicação recorrente do Sinpol-DF – pois os acidentes causados por armas da Forja Taurus, muitos com vítimas fatais, têm sido frequentemente denunciados em todo o Brasil.
Há meses, o sindicato tem cobrado que a PCDF siga o exemplo de outras forças de segurança e realize a troca das armas.
Outra luta é pela quebra do monopólio da Taurus no mercado nacional. Isso possibilitaria que armamentos de outros fabricantes e com mais qualidade possam ser utilizadas pelos policiais – a exemplo do que já acontece com a Polícia Federal, que utiliza armamento importado de alta qualidade.
SINPOL DF/montedo.com

20 comentários:

Anônimo disse...

Excelente ação !

Que falha dos engenheiros, gestores heim ! Não existe testes por um periodo antes de colocar um produto em circulação ? Não tem que dar milhares de tiros nos estantes antes ?

Fica ai o prejuizo para fábrica.

É preciso imputar no bolso dos responsaveis todos os prejuizos.

A mesma coisa deve ser em cima de quem toma decisões erradas dentro da Caserna e sobra pra UNIÃO.

Anônimo disse...

Esse monopólio da TAURUS/CBC - sim, a CBC é dona da TAURUS! - é prejudicial à sociedade. Aliás, não existe monopólio de atividade empresarial benéfico em país nenhum, pois isso sempre acarreta em preços altos e baixa qualidade, caso das armas da TAURUS.
Agora existe uma questão que poucos sabem, a IMBEL, empresa pública supervisionada pelo Exército (que possui diversos oficiais do Exército trabalhando nela) é ACIONISTA da TAURUS. Ou seja, o Exército fiscaliza a produção de armas de uma empresa (TAURUS) onde a empresa supervisionada pelo Exército (IMBEL) obtém lucro com a manutenção do monopólio.
Daí percebe-se que na prática o impedimento de importação de armas, assim como o impedimento de instalação de novas fábricas de armas no Brasil (p.ex. SIG SAUER e GLOCK) vedadas pelo Exército tem tão somente o objetivo de não deixar morrer a IMBEL e, consequentemente, os empregos dos militares que lá 'trabalham' (vampiram), pois há de forma cristalina conflito de interesses entre o EXÉRCITO como fiscalizador de empresas e mantenedor de um monopólio versus empresas de interesses pessoais de militares.
Outro detalhe, o preço da munição fabricada pela CBC é vendia nos EUA no WALLMART por valor mais barato do que vendido aos órgãos de segurança pública do Brasil que compram milhares de lotes em cada licitação. Isso é um efeito maléfico do monopólio!!!

Anônimo disse...

alguem teve a brilhante ideia de se proibir a importação, daí somos obrigados a aceitar os produtos nacionais e o pior, com preços absurdos.

Anônimo disse...

A 24/7 ja tinha sido tirada de linha de produção em 2015...A série 800 ( 809, 838, 840, 845) é a mesma continuidade de tranqueira- inúmeras dando problemas. Mas como as cabeças pensantes do EB impedem a importação de outras marcas(glock, cz, FN, HK etc, etc) tendo "similar nacional", é o que sobra pra se usar aqui. Lembrando que a taurus responde a um processo milionário nos EUA por conta de defeitos em armas.

Anônimo disse...

Meu Deus...A engessa (terceira maior fabricante de blindados sobre rodas do mundo e já desenvolvendo um carro de batalha- osorio- que havia ganhado uma licitação bilionária na Arábia saudita sofreu todo tipo de acusações e etc e etc......resultado...... Faliu. Pra lembrar.....a tal licitação foi "ganha" pelos EUA (abraham).a única fabricante brasileira de automóveis (Gurgel) sofreu todo tipo de ataque nessa mídia anti Brasil....todas as linhas de crédito e etc foram "fechadas".....resultado....faliu e o Brasil deu adeus ao sonho de ter um carro nacional. A Embraer (terceira) maior fabricante de aeronaves do mundo já sofre todo tipo de ataque também e já começa a "cambalear" das pernas....pelo que acontece....e sabemos disso....deve fechar. A mectron (mísseis e outros) "já foi". O tão sonhado submarino nuclear e seu estaleiro já sofrem ataques e contenções.....muito em breve deve "parar" também. Nosso satélite nacional, que evitaria que nossas comunicações, militares inclusas, passassem por estação de controle em miami já nem se fala mais dele. Agora essas "acusações" contra a Taurus, uma empresa genuinamente nacional e uma das maiores fabricantes de armas portáteis e munições do mundo, também começa a sofrer ataques de todo tipo ( fraudou, comprou, propina, ma qualidade e por aí vai). Em breve não aguentará essa "campanha" e acabará fechando. Nossa pátria está sendo destruída também em conhecimento intelectual além dos milhares e milhares de empregos aqui dentro que serão perdidos. Perde-se também um gigantesco conhecimento técnico com o fechamento dessas empresas. A quem interessa realmente isso?


.

Anônimo disse...

parabens colog , so 10 anos para tirar essa pistola de circulacao , mesmo a taurus nao fabricando mais ela , que coisa nao?

Anônimo disse...

brincar de indústria bélica dar nisso...bando de amadores

abertura ao comercio de importação de armas já!!!

Anônimo disse...

O outro ali das 14:14 já acha que tudo é teoria da conspiração contra a indústria nacional. Claro que vou preferir deixar de usar uma Glock ou CZ pra usar uma PT 800 sei lá o que,só pra manter a indústria daqui. Quer se manter no mercado? Inove, faça produtos bons e competitivos. Tem público e recursos pra isso. Mas não, mesmo sabendo dos problemas não se preocupam com quem tá na ponta da linha.Esse é o dilema do monopólio,desse protecionismo lobista.

Anônimo disse...

Agora eu vi que meu comandante me quer muito bem. Pedir autorização para comprar uma dessas ele disse simplesmente que não. E, que um pedaço de pau seria mais adequado. Obrigado meu chefe perfumado e maravilhoso.

Diego H disse...

Alguém ta ganhando para esses falcatruas estarem monopolizando um país de dimensões continentais, a corrupção está com tudo, fábrica de arapucas da taurus

Anônimo disse...

É impressionante como muitos se sentem pequenos, insignificantes e passam a vida toda alimentando uma baixa estima. Acreditam piamente que nós não temos o direito e nem condições intelectuais de nos desenvolvermos, de criarmos nada, inventarmos nada ......"aprenderam" que produto industrializado "é coisa de gringo" e pronto. Nós não devemos passar de "exportadores de commodities"......banana, café, cacau, manga, laranja, cana de açúcar. Essa "estória" de que devemos ser "o grande fornecedor de alimentos para o mundo" é canção pra boi dormir. Não conheço nenhum país, "grande exportador de produto primário" ser mais rico e obviamente mais desenvolvido que muitos países até mesmo pequenos porém grandes "exportadores de produtos industrializados, serviços, tecnologia e etc". É frustante ver como este país está mesmo fadado ao eterno fracasso e muitas vezes com a conivência e até mesmo a torcida de pessoas que aqui nasceram.
Até nos slogans somos "ensinados" a absorver nosso "fracasso" e inviabilidade como grande nação.
"Brasil país do futuro" .....escutava isso quando criança e continuo escutando essa safadeza de ser o "país do futuro"..... esse "futuro" nunca chegou e pelo andar da carruagem nunca chegará.
"Brasil, ame-o ou deixe-o"....ou seja.....se contente com a insignificância deste país ou vá morar em terra de "gringo".
Então que compremos as glock da vida, beretta, tokarev, f5, m113 (da época da guerra da coréia), navios de "guerra" (50 anos sugados) e etc. Pobre BraZ$$il.

Anônimo disse...

Gen Guilherme tá revolucionando o COLOG.
Força!

Anônimo disse...

Até que enfim o Exercito Brasileiro fez algo util quanto a isso, pois o DFPC somente sabe pedir taxas para tudo, ao menos desta fez fez algo como fazer a legislação funcionar.

Anônimo disse...

Sou policial civil de SP e graças a este monopólio dessas porcarias nacionais , tenho visto vários colegas policiais , civis e militares , se darem mal com essas pistolas da taurus , tanto autolesionando-se , como lesionando a terceiro por disparos acidentais . felizmente tenho a sorte de poder ter minha cautela uma glock 45 , alem da carga da 24/7 , e sei muito bem o abismo em se tratando de segurança e qualidade entre as duas marcas . Infelizmente esse monopólio assassino está vigorando graças aos nosso generais que por motivos escusos , permitem isso .Ainda bem que a pm pode passar por cima do exército e conseguir o armam ento que quiserem , já , nós, meros mortais , estamos a mercê da corrupção . Ainda querem militar governando o Brasil , nem pensar , prefiro mil vezes o Beira-mar.
Forte abraço a todos os irmãos de arma , aqui quem vos fala é um PQD de 2002 ,o então CB de Souza.
Investpol Gustavo

Anônimo disse...

Bastaria ter a concorrência de fábricas estrangeiras e logo providenciariam um setor para avaliar a qualidade de seus produtos e satisfação dos usuários. Proibir a comercialização depois que a própria fabricante foi obrigada a encerrar a produção do modelo por força dos problemas graves apresentados, chega tarde. Não vi nenhum recall anunciado para o recolhimento do produto defeituoso. O que vi foi a teimosia do fabricante em negar os defeitos constatados.Isso é Brasil.

Rindo dos analfabetos políticos disse...

Enganar o brasileiro não é difícil, difícil é convence-lo de que está sendo enganado. A grande maioria (com pobreza de pensamento) comunga daquela ideia de que, para acabar com o carrapato, é mais facil matar o boi e se for necessário toda a boiada! Por falar em matar o boi, a gasolina e o gás aumentaram de preço, e não vi os revoltadinhos batendo panela! Até agora não apareceu o "Nirvana" no horizonte ( tá mais para abrindo as portas do inferno). Não tá feliz, vai pra Cuba! Kkkkkk....

Anônimo disse...

Corrigindo :
Onde eu disse a pm pode passar por cima , queria me referir a PF ( polícia federal ) . Eles sim , podem adquirir seus armamentos sem dar satisfação ao EB .

Anônimo disse...

O comentarista ufanista de 01nov16, às 14:14, não leva em consideração que o caso da TAURUS é de venda de um produto INSERVÍVEL para o consumidor (policiais, atiradores, civis comuns, forças policiais, forças armadas) porque pode causar lesão e morte tanto nos donos das pistolas quanto em terceiros que poderão ser vítimas dos disparos acidentais ocorridos por defeito nas armas. Diferentemente do caso do blindado OSÓRIO e do carro GURGEL, a questão da TAURUS é exclusivamente de PRODUTO DE BAIXA QUALIDADE e que acarreta risco de morte para os consumidores. Esta baixa qualidade está ligada ao fato de haver um monopólio desta empresa e, como não há concorrência, não existe a preocupação com o controle de qualidade e nem há preço justo.
Meus caros, caso queiram ver mais sobre os acidentes provocados pelas armas da TAURUS, deem uma olhada no site www.vitimasdataurus.com (sem o "br").
Quanto à alegação da TAURUS gerar empregos, cabe ressaltar que outras marcas de armas (GLOCK, SIG SAUER e CZ)já pretenderam instalar fábricas no Brasil, ou seja, gerar empregos aqui no território nacional, porém o lobby que a TAURUS tem feito junto ao COLOG/Exército impediu que tais fábricas fossem instaladas, pois iria prejudicar o MONOPÓLIO com altos ganhos da TAURUS.

Anônimo disse...

Enquanto os militares e PM's atiram no próprio pé, por falha da arma, os bandidos só compram material de primeira, importado. Não daria para fazer igual aos chineses que , na cara de pau, copiam fielmente um produto como se fosse novo? Outra opção, é doar essas armas defeituosas para os traficantes, já que não funcionar mesmo.

Anônimo disse...

O DEVER de um verdadeiro patriota é usar uma arma VERDADEIRAMENTE nacional!

Mesmo com o RISCO de perder a vida!!

Portanto, ao ENFRENTAR um bandido, USE Taurus! Se ela falhar, fique em posição de sentido, cante o Hino Nacional, e morra como um REAL brasileiro!

Antes morrer HEROICAMENTE com uma Taurus BRASILEIRA na mão do que viver COVARDEMENTE com uma Glock ESTRANGEIRA na mão!

Agora, convido todos a ficarem de pé na frente da tela e cantemos o Hino Nacional!

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics