21 de março de 2015

Conheça 12 dos mais cruéis homens da Segunda Guerra Mundial.

Conheça 12 dos mais cruéis homens da Segunda Guerra Mundial




Durante os anos de 1939 a 1945, período em que se passou a Segunda Grande Guerra, cerca de 60 milhões de vidas humanas foram ceifadas. Sempre que falamos sobre o tema, os primeiros nomes que surgem na cabeça de muitos são o de Adolf Hitler, Joseph Stalin, Benito Mussolini e mais algumas figuras de destaque.
No entanto, é impossível imaginar que esses homens sozinhos tenham causado tantas mortes. Aqui você confere uma relação de nomes menores nas páginas da história do conflito, mas que nem por isso foram menos perversos na hora de cometer verdadeiros massacres sob as ordens de seus líderes.

A lista foi organizada sem nenhuma ordem específica.

1. Odilo Globocnik, líder austríaco da SS


Odilo Globocnik foi general da SS (SchutzStaffel - Tropa de Proteção, em alemão) na Áustria e teve papel importante na Operação Reinhard, o plano para exterminar os judeus europeus da Polônia ocupada pelo Governo Geral do partido nazista.
Durante seu mandato, mais de 1,5 milhão de judeus foram mortos nos campos de concentração de Treblinka, Sobibor, Belzec e Majdanek – instalações que ele mesmo ajudou a organizar e supervisionar. Historiadores acreditam que ele se inspirou nos programas nazistas de eutanásia quando teve a ideia de usar câmaras de gás.
Corrupto e completamente sem escrúpulos, ele explorou judeus e não judeus como mão de obra escrava em seus campos de trabalhos forçados. Mais tarde na guerra, ele foi transferido para a Itália ocupada pelos alemães, na Zona Operacional do Litoral Adriático (OZAK, na sigla em alemão).
Lá, converteu um antigo moinho de arroz em um centro de detenção equipado com um crematório. Milhares de judeus, prisioneiros políticos e guerrilheiros foram interrogados, torturados e assassinados. Globocnik foi capturado pelos aliados em 31 de maio de 1945, mas cometeu suicídio no mesmo dia, ao ingerir uma pílula de cianeto.

2. General Mario Roatta, a “Besta Negra” da Itália



Apelidado de “Besta Negra” por seus próprios homens, o general italiano fascista Mario Roatta mandou matar milhares de cidadãos iugoslavos e enviou outros milhares para a morte em campos de concentração. Historiadores afirmam que a taxa anual de mortes no campo de concentração de Rab, na Croácia, era maior que o nível médio de mortalidade em Buchenwald.
Em 1942, Roatta implementou uma política de “terra arrasada” nos territórios da Iugoslávia em um esforço para limpar etnicamente a região. Ele ordenou a seus homens que matassem famílias inteiras, seja por meio de agressão física ou do uso de armas de fogo.
Como muitos criminosos de guerra italianos, a Besta Negra nunca foi a julgamento após a guerra, e viveu em Roma até 1968, quando faleceu.

3. Dr. Josef Mengele, “O Anjo da Morte”Josef Mengele não foi o único médico nazista a cometer atrocidades, mas certamente é o mais famoso deles, por sua frieza, comportamento isolado, crueldade nos procedimentos que realizava, e principalmente por nunca ter sido capturado.
Como adepto fervoroso da pseudociência nazista, usou sua posição em Auschwitz para desenvolver suas pesquisas em experiências com cobaias humanas – muitas vezes com completo desprezo pelo bem-estar de seus pacientes e em completa violação aos princípios científicos.



Ele acreditava piamente na teoria da superioridade racial alemã. Para prová-la, se engajou em diversos experimentos que buscavam comprovar a falta de resistência dos judeus e ciganos a diversas doenças, que ele mesmo introduzia no organismo de seus pacientes, assim como extraía e colecionava amostras de tecido e de partes do corpo de suas vítimas para estudos posteriores.
Muitos dos seus “objetos de estudo” morriam durante os procedimentos desumanos que o nazista realizava ou eram assassinados para facilitar os exames que seriam feitos após a morte deles.
Depois da guerra, Mengele fugiu para a América do Sul, passando por Argentina e Paraguai até se estabelecer no Brasil, onde morreu afogado na praia de Bertioga, no litoral paulista, em 1979.
4 e 5. Generais Iwane Matsui e Hisao Tani, os “Açougueiros de Nanquim”Algumas fontes históricas consideram que a Segunda Guerra Mundial começou oficialmente em 1937, com a invasão da China pelo Exército Imperial Japonês. Mais tarde naquele ano, depois de as tropas japonesas lançarem um ataque massivo à cidade de Nanquim, soldados chineses recuaram para o outro lado do rio Yangtze.
Durante as seis semanas seguintes, tropas japonesas cometeram o que hoje é conhecido como o Estupro de Nanquim – episódio particularmente terrível da guerra em que um número entre 200 mil e 300 mil soldados e civis chineses foram mortos e mais de 20 mil mulheres foram estupradas.



Depois da guerra, o general Iwane Matsui foi julgado e considerado culpado por “deliberada e imprudentemente” ter se evadido de seu dever legal de “tomar medidas adequadas para assegurar a observância e prevenir qualquer brecha do cumprimento da Convenção de Haia (tratado internacional sobre leis e crimes de guerra)”.
Da mesma forma, o general Hisao Tani foi considerado culpado pelo Tribunal dos Crimes de Guerra de Nanquim, sendo sentenciado à morte. Outros líderes do exército japonês que participaram da ação morreram antes do fim da guerra.
6 e 7. Marechal do ar Arthur Harris e General Curtis LeMayUma das vantagens de se ganhar uma guerra é o benefício de não ter que prestar contas por todas as coisas hediondas necessárias para que isso acontecesse. É o caso do marechal do ar britânico Sir Arthur "Bombardeiro" Harris e do general da Força Aérea americana Curtis LeMay, ambos responsáveis por campanhas de bombardeio a territórios civis que resultaram em milhares de mortes na Alemanha e no Japão, com resultados bastante questionáveis.
Durante a Segunda Guerra Mundial, Harris dirigiu o Comando Aliado de Bombardeio. Convencido de que o conflito por ar poderia ser decisivo, ele certa vez declarou: “Os nazistas entraram na guerra sob a ilusão infantil de que eles iriam bombardear todo mundo, e ninguém os bombardearia. Em Roterdã, Londres, Varsóvia e meia centena de outros lugares eles puseram sua ingênua teoria em operação. Eles semearam vento, e agora vão colher o turbilhão”.
Seu tom era indubitavelmente de vingança. Ele acreditava que bombardeios em massa sobre civis faria com que a população alemã se voltasse contra Hitler. Seu “turbilhão” daria fim à guerra em meses e, com esse objetivo, organizou diversos ataques, incluindo os feitos às cidades de Colônia, Hamburgo e Berlim, e o mais controverso deles, que atingiu Dresden quando a guerra já estava praticamente vencida pelos aliados.
Em suas memórias, o marechal do ar nunca fraquejou em suas convicções: “Levando-se em consideração tudo o que aconteceu... o bombardeio se provou um método relativamente humano”.



Sobre o Pacífico, o general Curtis LeMay perpetrava sua própria campanha brutal contra alvos civis. Seis meses antes da rendição do Japão, os ataques de bombardeiros ordenados por LeMay resultaram em estimadas 500 mil mortes e o deslocamento de 5 milhões de habitantes.
O mais infame desses bombardeios aconteceu entre 9 e 10 de março de 1945, quando investidas sobre a cidade de Tóquio mataram aproximadamente 100 mil civis, o que é hoje considerado o mais brutal ataque único a civis da história da Segunda Guerra.
No entanto, diferente de Harris, o general americano estava plenamente ciente de sua própria brutalidade, declarando depois que o conflito acabou: “Matar japoneses não me incomodava muito na época... Eu suponho que se tivéssemos perdido, eu seria julgado como um criminoso de guerra”.
8. Oskar Dirlewanger, Comandante especial da SS


Mesmo se considerarmos toda a brutalidade do regime nazista, o comandante especial da SS, Oskar Dirlewanger, ainda é considerado uma das pessoas mais depravadas a vestir um uniforme alemão durante a guerra. Ele era alcoólatra, viciado em drogas, pedófilo e tinha forte tendência à violência, e sua unidade era considerada a mais sanguinária de todas dentro da SS.
Em 1940, Heinrich Himmler colocou Dirlewanger como responsável por uma Brigada de Caça formada inteiramente de criminosos condenados, todos eles ex-caçadores. Quando ficaram arregimentados na Bielorússia, Dirlewanger e seus homens enfrentaram guerrilheiros na região, mas também mataram civis que moravam em vilas que estavam “no lugar errado, na hora errada”.
Seu método de execução em massa favorito era prender a população local dentro de um celeiro, atear fogo à estrutura e atirar com metralhadoras em todos que tentassem fugir. Credita-se a ele a morte de pelo menos 30 mil pessoas, isso somente no tempo que passou na Bielorússia. Ele foi preso em 1º de junho de 1945 e espancado até a morte por seus captores poloneses.
9. Hans Frank, “O Açougueiro da Polônia”Amplamente ignorado pela história, Hans Frank governou e aterrorizou a Polônia ocupada entre 1939 e 1945. Como ex-advogado de Hitler, ele tentou espelhar o seu estilo de governo no do próprio führer.
Conhecido como o “Açougueiro da Polônia”, milhões de vidas foram tiradas sob seu julgo, e, apesar de não se considerado um dos homens mais poderosos do terceiro Reich, ele foi um dos principais responsáveis pelo reino de terror alemão sobre a Polônia durante toda a guerra.



Sua indiferença ao sofrimento humano não conhecia limites. Em 1940 ele teria dito: “Em Praga, grandes cartazes vermelhos estavam expostos, e neles podia-se ler que sete tchecos foram fuzilados naquele dia. Eu disse para mim mesmo, ‘Se eu tivesse que colar um cartaz para cada sete polacos fuzilados, as florestas da Polônia não seriam suficientes para manufaturar tanto papel’”.
Frank foi um dos 10 criminosos de guerra enforcados em Nuremberg em 1946.
10. Dr. Shiro Ishii, Líder da Unidade 731Antes da guerra, o governo japonês pôs o Dr. Shiro Ishii como encarregado do “Departamento de Purificação e Abastecimento de Água Para o Combate de Epidemias”, mais conhecido como Unidade 731.
Na verdade, o órgão servia de fachada para uma unidade de pesquisa e desenvolvimento de armas químicas e biológicas. Localizada perto da cidade de Harbin, na China, a instalação empregava cerca de 3 mil funcionários.
Ishii certa vez afirmou que a missão que os deuses deram aos médicos é a de bloquear e tratar doenças, mas ele fez questão de deixar bem claro que o trabalho que realizaria naquele local seria o exato oposto desse princípio.
Durante a guerra, ele presidiu um time de cientistas que experimentou algumas das doenças mais terríveis do mundo – antraz, peste, gangrena gasosa, varíola, botulismo, entre outras – em cobaias chinesas e até mesmo em alguns prisioneiros de guerra aliados, que eram obrigados a inalar e ingerir esses agentes patogênicos e até receber injeções que os contaminariam.



Estima-se que mais de 200 mil chineses tenham morrido em experimentos de guerra bacteriológica, enquanto muitos outros sucumbiram por causa de pragas relacionadas aos testes realizados pelos membros da Unidade 731.
Ao fim da guerra, o Dr. Ishii simulou sua própria morte e se escondeu das forças americanas de ocupação, mas sua farsa foi descoberta e ele foi capturado. Ao ser interrogado, inicialmente negou ter feito experiências com cobaias humanas, mas depois fez um acordo para revelar todos os resultados de suas descobertas em troca de anistia total por seus crimes de guerra.
Os militares aceitaram a barganha, em busca das informações que eles mesmos não conseguiram desvendar, mas os dados do médico japonês se provaram de pouco valor. Mesmo assim os Estados Unidos mantiveram sua parte no trato e Ishii nunca foi julgado por seus crimes, tendo morrido como um homem livre em 1959.

11. Lavrentiy Beria, o “Buldogue de Stalin”Lavrentiy Beria era para Joseph Stalin o que Heinrich Himmler era para Adolf Hitler: um braço-direito insensível, psicótico e imoral. Apesar de ser mais famoso por aterrorizar cidadãos soviéticos nos anos anteriores e posteriores à guerra, Beria também teve um grande número de responsabilidades durante o conflito.
Como chefe de protocolo em comando do Ministério do Interior da União Soviética, ele foi responsável diversas operações antiguerrilha no Fronte Oriental. Com a aprovação de Stalin, Beria ordenou a execução de 22 mil poloneses – oficiais, policiais, doutores e outros mais – no Massacre de Katyn, em 1940. Ele mobilizou milhões de prisioneiros para os campos de concentração soviéticos, chamados Gulag, e os obrigou a contribuir para o esforço de guerra da União Soviética.
Foi ele quem criou o projeto “Morte aos Espiões”, que capturou e matou um grande número de soldados que estavam batendo em retirada. Beria ainda organizou deportações em massa de tártaros da Crimeia, alemães do Volga e muitos outros grupos étnicos.



Depois de a guerra ter terminado, o “Buldogue” ficou encarregado de punir e executar supostos colaboradores dos nazistas – incluindo um grande número de inocentes e até prisioneiros de guerra russos. Em conjunto com o ditador soviético, foi responsável por milhões de mortes na Rússia.
Beria também era conhecido como um predador sexual: soldados raptavam adolescentes nas ruas e as levavam para que ele as estuprasse. Aquelas que resistiam eram estranguladas e enterradas no jardim de rosas de sua esposa.
Em 1953, a nova administração russa, liderada por Kruschev, considerou o braço-direito de Stalin culpado pelos crimes de traição, terrorismo e atividade antirrevolucionária durante a Guerra Civil Russa. De acordo com relatos oficiais, um trapo de pano teve que ser enfiado na boca de Beria na hora de sua execução para silenciar os seus choramingos.
12. Heinrich Himmler, Reichsführer da SSHeinrich Himmler serviu a Adolf Hitler como reichsführer da SS – cargo mais alto dentro da organização, equivalente à patente de marechal de campo – e foi um importante membro do partido nazista.
Longe da imagem de lunático geralmente associada a ele, Himmler era a força ideológica e organizacional por trás da ascensão da SS. Contudo, em meio às suas múltiplas atividades, a mais lembrada é o seu papel no planejamento e na implementação da “Solução Final” para o “problema judeu”, função dada a ele pelo próprio führer. Em 4 de outubro de 1943, Himmler fez seu discurso mais famoso, em uma reunião de generais da SS na cidade de Poznan.



Ele justificou o genocídio dos judeus na Europa com as seguintes palavras: “Aqui diante de vocês, eu quero tratar explicitamente de um assunto muito sério... Quero dizer aqui... a aniquilação do povo judeu... Muitos de vocês saberão o que isso significa quando houver 100 corpos deitados um ao lado do outro, ou 500 ou 1 mil... Essa página de glória em nossa história nunca foi escrita e nunca será escrita... Nós temos o direito moral, nós somos obrigados para com nosso povo a matar as pessoas que queriam nos matar”.
Para esse fim, Himmler formou o Einsatzgruppen (grupo de intervenção, em alemão) e ordenou a construção dos campos de extermínio. Junto a Adolf Eichmann e Reinhard Heydrich, ele supervisionou o assassinato de 6 milhões de judeus, entre 200 mil e 500 mil ciganos, além de integrantes de várias outras etnias.
Ele foi capturado em 1945, tentando se passar por um policial alemão, e teve marcada a data de seu julgamento por crimes de guerra, mas se suicidou engolindo uma pílula de cianeto antes de ser interrogado.Fonte: io9/George Dvorsky
MEGAcurioso/montedo.com

7 comentários:

Anônimo disse...

E ainda tem ser humano que deseja a volta dos militares ao poder.

Anônimo disse...

Isso não têm nada com o tempo em que o Brasil foi administrado por militares. Nos tempos de comando militar do nosso país nunca ouve corrupção as pessoas andavam tranquilamente nas ruas. Quem fala mal desse tempo é porque boa coisa também não foi.

Anônimo disse...

Pelo visto você não leu direito o artigo acima ou desconhece a história, pois muitos dos personagens acima não eram militares, apesar de posarem com uniformes militares. Além disso não há grande diferença entre o que prega o nazismo e o comunismo, o que nossas forças armadas combateram durante o regime militar no Brasil.

Anônimo disse...

acho que falta mais leitura sobre a história á este povo que comenta tais situações, este blog fala dos responsaveis pelas atrocidades é um fato da história que nao pode ser negado, agora querer comparar isto ao governo militar do Brasil ou outras coisas ja é demais.....isso tem que ser visto do ponto historico e nada mais......ou voces acham que em uma guerra existem somente caras bonzinhos? isso aconteceu em tempos de guerra.

Anônimo disse...

Essa postagem me faz pensar o seguinte: o Nazismo foi uma verdadeira aberração humana, isso não tem o que questionar. Assim como os regimes ditos comunistas que fizeram diversas atrocidades com milhões de seres humanos, sendo responsáveis pela execução de mais de 100 milhões de vidas. No entanto temos dois regimes semelhantes, porém interpretados de forma diferente. Pois vejam, quando algum maluco defende o nazismo ou o neonazismo - sei lá que nome dá a isso - é logo achincalhado e merecedor das piores críticas. É mesmo comparado a um "anticristo" - um "bestafera". Mas, no lado do comunismo o que vemos é pessoas "normais" - intelectuais, artistas, acadêmicos, profissionais liberais, políticos, entre outros - defendendo de peito aberto o regime do Stalin! Existem dezenas de milhares de livros nas livrarias defendendo o comunismo e, o que é pior, defendendo o regime de Stalin, ou de Mao, ou do Pol Pot, Ho chi Min, Fidel, e assim por diante.

Em homenagem aos milhões de vidas que foram ceifadas porque simplesmente discordavam, sem nenhum direito de defesa, pelos regimes totalitários do nazismo e do comunismo, deveríamos "virar as costas" não apenas para os neonazistas, mas também para os neocomunistas!!

Nazismo e Comunismo são lados da mesma moeda. Talvez o que os diferenciam é somente os métodos, mas o objetivo, a finalidade é a mesma.

Mas, para finalizar, volto ao início. É incrível como muitas pessoas condenam o nazismo e defendem o comunismo!?!?!

Cléber disse...

Nosso amigo anônimo está confundindo as coisas:
1. Hitler não era militar... era um político de um ParTido que se dizia do TRABALHADOR alemão e dizia ter alcançado várias coquistas sociais...
2. Himmler não era militar... era um fanático do mesmo ParTido nojento do Hitler...
3. Mussolini não era militar;
4. Stálin não era militar... era de um ParTido de esquerda que dizia alcançar vária conquistas sociais...
5. Beria não era militar... era do mesmo ParTido nojento do Stálin...
E tem outros não mencionados como Mao-Tse Tung na China e Pol-Pot no CAmboja e Fidel Castro em Cuba... ambos assassinos que NÃO FORAM MILITARES e faziam parte de um ParTido de esquerda, contaminado por corruPTos, que diziam que alcançariam várias conquistas sociais... No final só conseguiram se manter sob uma montanha de cadáveres, fome e miséria...

Leofolene38 disse...

Acho que alguém está confundindo as coisas:
1. Hitler não era militar... era de um ParTido político que se dizia do TRABALHADO alemão e dizia ter alcançado várias conquistas sociais...
2. Himmler era um fanático defensor do mesmo ParTido nojento e corruPTo de Hitler...
3. Mussolini não era militar... também era de um ParTido que dizia defender o TRABALHADOR e ter alcançado várias conquistas sociais...
4. Stálin e Berias não eram militares... eram de um ParTido de esquerda que dizia defender o TRABALHADOR russo e ter alcançado várias conquistas sociais...
E tem outros:
5. Mao-Tse-Tung do Partido Comunista Chinês... assassino de ao menos 50 MILHÕES de pessoas, mortas pelas perseguições políticas, fome e doenças...
6. Pol-Pot do Partido Comunista Cambojano... assassinou 2 milhões de pessoas com perseguições políticas...
7. Fidel Castro do Partido Comunista Cubano... 150.000 mortos e presos políticos em uma minúscula ilha... e quem está solto está quase morrendo de fome...

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics