13 de março de 2015

Ex-sargento do Exército é denunciado por furtar notebook após incêndio na EASA.

Sargento do Exército é denunciado por furto qualificado, falsidade ideológica e prevaricação
Furto de notebook foi notado após incêndio de 2013.
A Auditoria de Santa Maria (RS) - primeira instância da Justiça Militar da União na cidade - realizou o interrogatório de um ex-sargento do Exército denunciado pelo Ministério Público Militar pela suposta prática dos crimes de furto qualificado, falsidade ideológica e prevaricação, previstos, respectivamente, nos artigos 240, § 5º, 312 e 319 do Código Penal Militar.
Segundo a denúncia, por ocasião de um incêndio ocorrido no ano de 2013 na Companhia de Comando da Escola de Aperfeiçoamento de Sargentos das Armas (EASA), localizada na cidade gaúcha de Cruz Alta, constatou-se o desaparecimento de um notebook pertencente àquela organização militar. Tal fato foi apurado em Inquérito Policial Militar (IPM), que foi posteriormente arquivado.
Leia também:
Incêndio em Escola de Aperfeiçoamento de Sargentos causa internação de 26 militares no RS
No entanto, algum tempo após a conclusão do IPM, o ex-sargento foi visto por outros militares de posse do notebook que supostamente havia sido extraviado. Um novo inquérito foi instaurado e comprovou se tratar do aparelho de propriedade do Exército. Em sua defesa, o ex-militar alegou ter comprado o equipamento de um soldado, que se encontrava na situação de desertor, pelo valor de R$ 800.
As investigações também indicaram que o ex-sargento foi o responsável por quatro tentativas malsucedidas de captura do soldado desertor. Segundo indícios levantados na fase do inquérito policial, o ex-militar alertava antecipadamente o desertor por meio de mensagens. As informações falsas nos termos de diligências estão sendo apuradas no processo judicial. Na próxima etapa do processo, a Auditoria de Santa Maria ouvirá as testemunhas arroladas na denúncia.
STM/montedo.com

2 comentários:

Anônimo disse...

Em tempo. O governo que tem como lema Pátria Educadora e usurpa a própria língua portuguesa, não merece confiança. A palavra presidenta não existe no nosso vocabulário!!. Nada contra as nossas mulheres, verdadeiras heroínas nesta nossa grande Nação.

Anônimo disse...

Cabe ressaltar a seguinte observação: O ex-militar envolvido não era sargento de carreira, e sim temporário.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics