28 de janeiro de 2017

Boate Kiss: a Justiça para os responsáveis pela tragédia pode esperar. Subtenente do Exército está prestes a ser condenado por difamar promotor público

Há dois anos, publiquei este artigo no Blog. De lá para cá, a novidade é que o subtenente Sérgio da Silva, juntamente com o pai de outra vítima, estão prestes a ser condenados por calúnia e difamação, por terem afixado cartazes em locais públicos criticando o promotor Ricardo Lozza e o então prefeito Cezar Schirmer.
Já os responsáveis pelos 242 mortos, entre os quais doze militares das Forças Armadas, contam com a atuação de bons advogados e a tradicional lentidão do Judiciário para protelar ao máximo os seus processos. Até hoje, foram condenados apenas dois policiais militares por falhas administrativas. O julgamento dos verdadeiros responsáveis pela tragédia parece muito distante.
Para não esquecer jamais!
Sargento morto em Santa Maria é enterrado com honras militares (Foto: Roberta Lemes/G1)
Sepultamento do Sargento da FAB Luiz Carlos Ludin de Oliveira morreu durante incêndio na boate Kiss 
(Foto: Roberta Lemes/G1)

Há dois anos, um incêndio na Boate Kiss, em Santa Maria (RS), vitimou 242 jovens que saíram de casa para se divertir numa noite de verão. Até hoje, ninguém foi condenado. Medidas protelatórias dos advogados de defesa têm feito o processo se arrastar à passos de tartaruga. Uma vergonha para o judiciário gaúcho.
Leia também:
Forças Armadas
Doze militares das Forças Armadas morreram no sinistro:

FAB
Sargento Luiz Carlos Ludin de Oliveira e soldados Giovani Krauchemberg Simões, Leandro Nunes da Silva, Rodrigo Dellinghausen Bairros Costa e Rhuan Scherer de Andrade.
Exército
Capitã Médica Daniela Dias de Matos, 1º Tenente Leonardo Machado de Lacerda, 2º Tenente Brady Adrian Silveira, 3° Sargento Diego Silvestre, Cabo Lucas Leite Teixeira e soldados Leonardo de Lima Machado e Luciano Taglia Pietra Espiridião.

Luta incansável
Sérgio perdeu o filho Augusto no incêndio da Boate Kiss (Imagem: UOL/Facebook - Edição: montedo.com)

O subtenente da reserva do Exército Sérgio da Silva perdeu o filho na tragédia. Augusto Sergio Krauspenhar da Silva tinha 20 anos e era estudante de Filosofia. Seu pai é um dos membros mais atuantes da Associação das Vítimas da Tragédia de Santa Maria (AVSTM) e falou agora há pouco no Jornal Nacional (aqui, a partir de 1min50s). 
Mais cedo, falou ao Jornal do Almoço da RBS TV Porto Alegre:  - "Nós não vamos desistir. Já pagamos um preço muito grande para desistir" - afirmou -  ao declarar  que a Associação está recorrendo ao Tribunal Penal Internacional para garantir a condenação dos responsáveis.
Com informações do Jornal Nacional e RBS TV

Leia mais no blog sobre a tragédia da Boate Kiss

9 comentários:

Anônimo disse...

Ainda tem quem acredita nas autoridades.
Tudo foi contaminado a sociedade desprezada e as pessoas normais são chamadas de alopradas.
Lembrem que funcionário publico é pago com dinheiro dos cidadões, mas parece que é ao contrario.
A lei que dizia que ofender func. publico dava meses de detenção e multa. caiu no STJ, mas, até, HOSPITAIS MILITARES FINGEM DESCONHECER tudo e cartazes são vistos em diversos lugares, o q soa como ameça.
O ex-prefeito da cidade, agora é o SECRETARIO DE SEGURANÇA DO ESTADO DO RGS.
Sinto uma grande distancia entre os gauchos do passado e os atuais.
Nada mais é como antes.




Anônimo disse...

Parabéns pela sua luta, amigo Sérgio.
Siga em frente.

Anônimo disse...

Quando o povo ter consciência de que a Justiça como um todo é a grande responsável por muitos dos problemas da Nação,se colocando no arauto ao "lado" apenas de Deus, criando mecanismos para ser indispensável onde não o é, vivendo em um mundo alheio aos interesses da sociedade, este povo vai dizer um basta a tudo isso, até lá ouviremos muito choro e rangir de dentes.

Anônimo disse...

A inversão de valores está absurda, o Bandido é suspeito e vítima, enquanto o homem de bem é o vilão, a história nos mostra que a explosão disso tudo tem consequência catastróficas, talvez foi isso que os governos anteriores desejavam, causando um caos em tudo e todos, depois aplica-se a restrição de tudo chegando ao comunismo, hoje com o nome de socialismo. Engraçado que nosso povo não estuda e não enxerga que países socialistas estão bem longe da utopia literária.

Anônimo disse...

Eu também ratifico as palavras de "elogios" do subtenente ao promotor, mas em dobro.

Anônimo disse...

Por que hão teve coragem de publicar meu post anterior sobre o assunto? Nao era politicamente correto? MONTEDO HIPÓCRITA...

Anônimo disse...

É aquela situação em que o lôdo é tanto que não se consegue apurar os culpados. A culpa está diluída em comportamentos arraigados na sociedade como um todo. No entanto a conduta ofensiva ao MP foi materializada, o que é fácil de se apurar, pois foram colocadso cartazes pela cidade, com a fotos dos promotores, acusando-os de prevaricação. Os MP ainda são órgãos públicos de pouca transparência.

MESSIAS DIAS disse...

Um grande homem

ALMANAKUT BRASIL disse...

A atuação do Poder Judiciário durante o Regime Militar

Conselho Nacional de Justiça (CNJ) - 01/04/2014

https://www.youtube.com/watch?v=7SIyls5hRy0


E o Regime Militar, o brando, ainda é chamado de ditadura!

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics