28 de janeiro de 2017

Sete anos depois, Ministério Público Militar denuncia quatro oficiais e quatro servidores civis por fraudes no Instituto Militar de Engenharia

MILITARES E CIVIS SÃO DENUNCIADOS PELA PJM RIO POR ENVOLVIMENTO EM FRAUDES EM LICITAÇÕES NO INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA

Resultado de imagem para ime instituto militar de engenhariaA 1ª Procuradoria de Justiça Militar no Rio de Janeiro ofereceu denúncia contra um tenente-coronel, um major, um 1° tenente, um militar da reserva remunerada do Exército (coronel) e 4 civis envolvidos em fraudes em licitações para execução de obras/reformas nas instalações do Instituto Militar de Engenharia (IME). As irregularidades ocorreram em 13 processos licitatórios e duas dispensas de licitação, todos realizados nos anos de 2008 e 2009 e vencidos por uma única empresa.
No decorrer das investigações, o Ministério Público Militar constatou que os civis denunciados apresentavam falsa cotação e propostas fictícias para participação em certames, visando dar aparência de legalidade aos procedimentos. Ainda observou-se, a partir de levantamento junto à base de dados eletrônica da Junta Comercial do Rio de Janeiro, que em duas tomadas de preço as duas únicas empresas a participarem eram, de fato, administradas por um dos indiciados.
Também foi demonstrado que os militares foram omissos na condução dos procedimentos licitatórios, uma vez que não averiguavam adequadamente as propostas entregues, aceitas com valores acima dos estipulados nos editais. Ainda assim, essas ofertas foram homologadas, mesmo não representando o melhor acordo para o Instituto.
Além disso, o órgão ministerial verificou que dois civis praticaram o crime de corrupção ativa ao darem dinheiro a um militar com o objetivo de burlar procedimentos licitatórios. O militar foi enquadrado por corrupção passiva uma vez que recebeu vantagens indevidas em razão do cargo exercido no IME.
Na denúncia, o Ministério Público Militar requer que sete envolvidos sejam julgados e condenados pela prática do crime de estelionato, previsto no art. 251 do Código Penal Militar (CPM). Além disso, o coronel da reserva e um dos civis também foram denunciados pelos crimes de corrupção passiva e ativa, respectivamente, previstos nos artigos 308 e 309 do CPM. O oitavo denunciado irá responder apenas pelo crime de corrupção ativa. A denúncia já foi recebida pela 1ª Auditoria da 1ª Circunscrição Judiciária Militar, no Rio de Janeiro.
MPM/montedo.com

Comento
O assunto é recorrente aqui no blog desde 2010, quando o MPM promoveu uma busca e apreensão no IME. Desde lá, as investigações foram se arrastando e, em determinado momento, chegaram ao Comandante do Exército, General Enzo Peri, cujo envolvimento foi descartado posteriormente.
Pelo visto, mais meia-dúzia de anos transcorrerão até um desfecho para o caso.
Aqui, você confere o arquivo do Montedo.com sobre as fraudes no IME. Está tudo lá, inclusive os nomes dos denunciados.

2 comentários:

Anônimo disse...

Virou rotina, mas tudo dentro da lei e devidamente declarado/publicado.
As FFAA não são mais as mesmas. Tudo dominado.

Anônimo disse...

Afinal, como vai o Almirante Othon? preso? solto? na praia de enema? no Rio? recebendo poupudo soldo ou vivendo do dinheiro de sua competente filha? A credibilidade das FAFA está em mostrar as maças podres e retiradas do cesto,como deve ser feito, e não esconde-las lá no fundo.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics