23 de janeiro de 2017

Conteúdo das conversas do avião em que estava Teori foi extraído de gravador, diz FAB

Daniela Garcia
Do UOL, em São Paulo
A FAB (Força Aérea Brasileira) extraiu todo o conteúdo do gravador de voz da aeronave, que caiu em Paraty (RJ) na semana passada causando a morte do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki.
O gravador, comumente conhecido como "caixa-preta", "sofreu danos devido ao contato com a água do mar", disse a assessoria de comunicação da Aeronáutica. Contudo, como a memória do aparelho é "altamente protegida" foi possível escutar o conteúdo da gravação.
O aparelho chegou ao Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) no sábado, dois dias depois do acidente que matou Teori, relator da Operação Lava Jato no STF, e outras quatro pessoas.
Segundo a FAB, o aparelho apenas grava as conversas que ocorreram na cabine do piloto. Será possível ouvir, por exemplo, o que ele teria falado com controlador de voo, com os passageiros ou consigo mesmo.
Como está danificado pela água, o gravador passa por um processo que inclui secagem do equipamento, verificação da integridade dos dados, degravação dos dados e de transcrição até ser analisado. O tempo do processo depende das condições do equipamento, segundo a FAB.
A caixa-preta possui duas partes, sendo que uma delas reservada ao gravador. Essa parte é considerada pela FAB "altamente protegida". A segunda é a chamada "base", que contém cabos e circuitos que fazem a ligação com o armazenamento de dados.
As conversas do piloto Osmar Rodrigues durante o voo são essenciais para apurar as causas do desastre aéreo em Paraty. Além de Teori e do piloto, morreram no acidente no mar o empresário Carlos Alberto Filgueiras, a professora Maria Panas e a massoterapeuta Maíra Panas.
O gravador de voz será periciado no Labdata (Laboratório de Análise e Leitura de Dados de Gravadores de Voo), no Cenipa, em Brasília.
O caso também é investigado pelo MPF (Ministério Público Federal) e pela PF (Polícia Federal). O chefe da Delegacia de Polícia Federal de Angra dos Reis, Adriano Soares, abriu inquérito para investigar as circunstâncias do acidente aéreo. A aeronave decolou do Campo de Marte, em São Paulo, às 13h01, e caiu por volta das 13h45.
Nesta segunda-feira, a Justiça de Angra dos Reis determinou que a investigação sobre o acidente aéreo seja sigilosa.
Teori era relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal e havia expectativa de que em fevereiro ele decidisse sobre a homologação dos acordos de delação premiada com 77 executivos da Odebrecht, que citam vários deputados, senadores e ministros do governo Temer.

Aeronave estava regular, segundo Anac
A Anac informou que o avião apresentava certificados de inspeção em dia. Segundo a agência, não havia nenhuma pendência em relação à aeronave.
A Marinha, por meio do Comando do 1º Distrito Naval, informou que tomou conhecimento por volta das 13h45 da queda da aeronave. Imediatamente, a Agência da Capitania dos Portos em Paraty enviou ao local do acidente uma equipe, a fim de prestar apoio na busca aos tripulantes da aeronave.
UOL/montedo.com

Um comentário:

Anônimo disse...

Quantos mais irão morrer para que autoridades instalem meios de orientação visual e informação, via rádio, das condições meteorológicas desse aeródromo? Se o piloto soubesse que as nuvens estavam tão baixas, não teria tentado a aproximação, seguiria para uma alternativa ou ficaria esperando o tempo melhorar.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics