26 de janeiro de 2017

Derrubada de árvores centenárias a pedido da EPCAr gera polêmica em Barbacena

Terreno da UEMG sofre grave desmatamento
Instituição não foi notificada sobre o corte das árvores centenárias
083a360b-13d9-4a3b-b579-6ff601963240
Barbacena (MG) - Na tarde de hoje, 25/01, o terreno doado pelo Estado à Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) – unidade Barbacena para a construção do seu campus foi vítima de um verdadeiro desmatamento. Várias árvores, muitas delas centenárias, foram cortadas pela MSA Serviços de Conservação Ltda., com sede em Carandaí, empresa contratada pela Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).
129513f7-7edc-432c-8235-4156c49631d4A primeira pessoa que identificou a movimentação no terreno, localizado à rua Rodrigo Silva, bairro do Campo, sentido Sericícula, foi o ator barbacenense Pablo Bertola. Ao observar o corte das árvores e o trânsito de máquinas e caminhões que danificavam a vegetação protegida do local, Pablo acionou grande parte da equipe do Ponto de Partida que, prontamente, se movimentou via redes sociais, ligações para órgãos competentes e autoridades locais. Próximo ao local onde houve o dano ambiental existem três nascentes que abastecem o Ponto de Partida e diversas residências.
A Polícia de Meio Ambiente compareceu ao local, momento em que a MSA Serviços de Conservação recebeu instruções de militares da EPCAR para encerrar os trabalhos. Entretanto, mais de 16 árvores já haviam sido cortadas, bem como o dano na mata nativa devido ao trânsito de caminhões e máquinas.
De acordo com moradores da região que não quiseram se identificar, o corte das árvores começou ontem (24/01), por volta das 10:00h, mas apenas hoje pela manhã, a equipe do Ponto de Partida identificou o dano causado ao local.
038dd29e-2f57-4a0d-99aa-265ee42b1e9cDe acordo com a assessoria de comunicação da UEMG Barbacena, a mesma não recebeu nenhum informe ou notificação, sejam elas da EPCAR, Estado ou Prefeitura de Barbacena que informasse o fato. Por isso, profissionais da instituição estiveram no local solicitando a interrupção das atividades bem como a devolução de toda madeira que já havia sido levada pela MSA para local não informado.
Segundo Magdo Sérgio, proprietário da MSA, a empresa foi contratada pela EPCAR para fazer o corte das árvores que foram previamente demarcadas pela Defesa Civil de Barbacena. “Só fizemos aquilo que fomos contratados. Quanto às toras, as mesmas já foram devolvidas ao terreno. Mais uma vez afirmo, fizemos o trabalho que fomos contratados”, informou o proprietário.
Em meio às diversas informações desencontradas, e de acordo com populares a Secretaria de Estado Planejamento e Gestão (SEPLAG) recebeu em 2013, solicitação da EPCAR para o corte das árvores, com a justificativa que elas estavam correndo risco de cair nas casas na Vila Militar. Baseado na solicitação, a SEPLAG autorizou o corte de 22 árvores que margeavam à rua Rodrigo Silva. Em 2014 a Prefeitura de Barbacena em laudo autorizou o corte das 22 árvores que, possivelmente corriam risco de queda.
129af21b-9c67-4eeb-979c-7e3d70967ee1Até o fechamento desta matéria, às 18:00 horas de 25/01, a redação buscou contato com a EPCAR e Conselho Municipal da Defesa e Conservação do Meio Ambiente de Barbacena (CODEMA), solicitando informações sobre o desmatamento, entretanto sem sucesso.
Este ataque ao meio ambiente custou a vida de ypês e cedros, além de todo um projeto desenvolvido pelo Grupo Teatral Ponto de Partida para a preservação das nascentes das imediações.
Segundo o vereador Thiago Martins que segue apurando os fatos, a poda das árvores se mostra totalmente desnecessária e sem justificativa. “Moradores reclamavam que galhos poderiam cair e danificar suas residências mas, aparentemente, nenhum estudo conclusivo orientou a poda das árvores e, muito menos o corte das mesmas”, alertou.
A vereadora Vânia Castro também se manifestou sobre o desmatamento. “As árvores estavam todas sadias, com raízes seguras e firmes. Será que um punhado de folhas caídas no quintal das casas era motivo para o corte de árvores centenárias?”, questionou a vereadora.
No momento as atividades da MSA foram interrompidas. A promotoria de meio ambiente de Barbacena também ordenou a suspensão das atividades até que os fatos sejam esclarecidos.
Folha de Negócios/montedo.com



Terreno na rua Rodrigo Silva é vizinho a vila militar da Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAr)

4 comentários:

Anônimo disse...

É muita hipocrisia!!! "...tudo isso acontecendo e, eu aqui na praça dando milho aos pombos..."

Marcelo Carvalho disse...

Grupo de teatro que cuida do meio ambiente é perfeitamente normal num pais que foi governado por um alcoólatra cleptocrata e sua sucessora Anta bipolar. E segue o barco !

Wlton Araújo disse...

Como dizia aquele velho ditado "É assim mesmo depois piora". Agora vamos ao jogo do empurra.

Anônimo disse...

O meio ambiente deve ser cuidado por todos, seja grupo de teatro, grupo escolar ou qualquer outro grupo seja neste ou no outro governo. Parabens a quem denunciou...

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics