8 de dezembro de 2016

Em nota, Exército esclarece incidente da fronteira que resultou na morte de um colombiano

#Fronteiras - EB emite nota referente ao incidente com colombianos acontecido na Vila Bitencourt, domingo passado, 4/12
Referente ao incidente acontecido domingo passado (4/12), na Vila Bitencourt, pertencente ao município de Japurá (AM), o Exército Brasileiro, através da 16º Brigada de Infantaria de Selva emitiu uma nota referente ao assunto. Veja abaixo na íntegra a nota:
“O Comando da 16º Brigada de Infantaria de Selva informa que na tarde do dia 04 de Dezembro de 2016, por volta da 18:00h, na localidade de Vila Bitencourt-AM, duas embarcações que navegavam em águas brasileiras do Rio Japurá se negaram a parar no Posto de Bloqueio Fluvial do Exército Brasileiro, estabelecido para controle de trânsito na região.
Foi empreendida uma perseguição às embarcações e na abordagem foram realizados disparos de arma de fogo contra a tropa brasileira que reagiu de forma progressiva e proporcional à ameaça. Um dos integrantes do grupo foi ferido no confronto e veio a óbito posteriormente.
As embarcações foram capturadas e 5 (cinco) elementos colombianos foram detidos. Os elementos se encontram à disposição da justiça.
O Comando da Brigada determinou a instauração de um Inquérito Policial Militar para apuração dos fatos e as autoridades colombianas já foram informadas sobre as ações.”
Blog Bocas e Notícias/montedo.com

4 comentários:

Anônimo disse...

E, por essas ações e missões nas regiões isoladas, o governo vai dar um presentão em 2017 para os militares.

caiqe praia disse...

Bomm!!tem que mostrar quem manda na amazonia!!!

Francisco Novellino disse...

CARREIRA MILITAR NA INATIVIDADE - Prezado colega militar de carreira, os “anos dourados” do sistema de Prestação de Tarefa por Tempo Certo (PTTC) – de 2005 a 2015 – aparentemente estão chegando ao fim. Reforçam essa percepção a recente apresentação da “PEC do Teto”, as pressões orçamentárias e previdenciárias sobre as Forças Armadas, as ações impetradas na Justiça contra renovações automáticas de TTC, a determinação do Ministério da Defesa em acelerar a criação da carreira civil de Analista de Defesa e a tendência desfavorável da opinião pública à diferenciação do regime salarial e previdenciário dos militares. Por esse motivo, passei a considerar uma alternativa mais técnica, política e juridicamente consistente, que seria a fixação, em lei, das carreiras de Analista Militar em Defesa e Técnico Militar em Defesa, destinadas, respectivamente, a oficiais e praças inativos das Forças Armadas. A proposta tem, como fundamento, o respeito à meritocracia e à permanente atualização profissional – o que se daria mediante a realização de concursos internos de admissão, cursos de especialização na inatividade. Caso tenha alguma contribuição a fazer sobre o assunto, peço encaminhar mensagem para o e-mail fenn@terra.com.br. No campo Assunto, escrever: “CARREIRA NA INATIVIDADE”. No texto, informar: “POSTO/GRAD/SIT - NOME DE GUERRA”, bem como suas sugestões e dúvidas. Ressalto que a medida visa a beneficiar principalmente os oficiais e praças cujas especializações e experiências são essencialmente “militares”, sem correspondência no mercado de trabalho ou no serviço público em geral. Além disso, a medida poderia ser combinada com a reforma no sistema previdenciário dos militares, atualmente adiada, mas sempre iminente. Solicito repassar aos militares da sua lista. Cordialmente, Francisco Novellino – CMG (Ref.), Corpo da Armada, Submarinista. Escola Naval: 1974/1977. Escola de Guerra Naval (C-CEM/C-SGN): 1992/1993. Escola Superior de Guerra (CAEPEM): 1999. Reformado em 2001.

Ervander CF disse...

Boa tarde!
Minha sugestão para o pessoal dá reserva seria a se criar uma cooperativa para os inativos aproveitando o conhecimento se cada um na sua área se atuação. O mercado iria agradecer pelos trabalhadores disciplinados que teriam .

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics