9 de janeiro de 2016

Marinha atrasa pagamento a fornecedores do Rio

O ano que não terminou

ANCELMO GOIS
A Marinha segue atrasando o pagamento a fornecedores do Rio. Uma fábrica da Zona Oeste com 120 empregados, por exemplo, recebeu só R$ 3 milhões dos R$ 5 milhões que entregou em 2015.
Com isso, estão atrasados os salários de novembro e dezembro, as férias coletivas e o décimo terceiro. E, é triste, os donos agora estudam corte de pessoal.
O Globo/montedo.com

7 comentários:

Anônimo disse...

Assumir dividas além das suas possibilidades é transgressão disciplinar. Num país honesto e com cabras macho, quem comprou sem ter como pagar deveria ser punido exemplarmente para servir de exemplo aos seus subordinados. Será que ordem, hierarquia, disciplina e pundonor militar são atributos somente das praças. Os nossos chefes podem tudo? Isso é uma vergonha.

Anônimo disse...

Enquanto isso em:
Dilma envia ao Congresso projeto que dá sucumbência a advogado público
Depois de meses de negociações, a presidente Dilma Rousseff enviou ao Congresso dois projetos de lei que permitem a membros da advocacia pública federal receber honorários de sucumbência e trabalhar na advocacia privada.

As medidas foram anunciadas pelo advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, em outubro de 2015. As propostas preveem ainda reajustes nos subsídios dos advogados públicos federais, defesa das prerrogativas dos membros da instituição e a criação de uma carreira de apoio específica da Advocacia-Geral da União.

Os PLs foram encaminhados após negociação entre membros das carreiras jurídicas da instituição, Ministério do Planejamento e Casa Civil. Os reajustes nos subsídios foram divididos em quatro parcelas. Devem ocorrer a partir de agosto deste ano (5,5%), para depois serem complementados, sempre no mês de janeiro, em 2017 (5%), 2018 (4,75%) e 2019 (4,5%). Além disso, serão reajustados os valores do auxílio-alimentação (de R$ 373 para R$ 458); da assistência à saúde (de R$ 115 para R$ 145); e de assistência pré-escolar (de R$ 70 para R$ 321).
A expectativa é que a aprovação da proposta pelo Congresso Nacional assegure aumento de R$ 3 mil por mês aos vencimentos dos advogados públicos a partir de agosto deste ano. Para 2017, um novo valor deve ser calculado a partir do recebimento de 100% do produto dos honorários de sucumbência fixados nas ações judiciais em que são parte a União, autarquias e fundações públicas federais; 100% da parcela dos encargos legais acrescidos aos débitos das autarquias e fundações públicas federais; e até 75% da parcela do encargo legal relativo aos débitos inscritos na Dívida Ativa da União.

POBRE DO MILICO QUE ALÉM DOS R$ 0,16 centavos, E SE TUDO DER CERTO, RECEBERÁ UM AUMENTO CHORADO E MUITO PARCELADO NOVAMENTE.
BRAZIL, UM PAÍS DE POUCOS!

Anônimo disse...

Se fosse só a Marinha estaria bom. O EB e a Aeronáutica devem da mesma forma seus fornecedores, a coisa está feia e vai piorar mais ainda esse ano. Quem viver verá. Mas o que importa é o meio expediente, com esse "aumento" que recebemos, o negócio é fazer bico. Só o papiro liberta.

Anônimo disse...

O EB esta tambem cheio de dividas, estamos em um periodo critico, já existe comentarios que teremos meio expediente o ano todo e redução do efetivo variavel logo após as olimpiadas de 2016.
Vamos aguardar e esperar...

Anônimo disse...

Acho que nenhuma empresa que presta serviços às Forças armadas recebam em dia.Sempre tem um atraso crônico de dois ou mais meses e, quando é início de ano, só vai aparecer dinheiro lá para março.Os militares poderiam receber valores iguais aos civis para compra de alimentação, pois tem família da mesma forma.Para pagar uma minguada quantia de vale transporte é uma verdadeira guerra, até parece que alguém fica com essa verba.

Anônimo disse...

Boa noite, já que não estamos sendo recompensados dignamente, que seja meio expediente o ano todo, assim ficará mais justo, feliz 2016 para todos.

adilson Chaves disse...

Vejo que você não entende nada de gastos públicos. O governo descentraliza o crédito e diz ao comandante que pode comprar, aí o comandante empenha a despesa recebe o bem e líquida a nota, aí vem a sacanagem do governo na hora de repassar o numerário (dinheiro) o tesouro nacional não repassa e deixa o cmt na merda. Devendo e levando fama de caloteiro. O governo Se compromete a pagar e na hora cadê o dinheiro. Ele corta a verba. O governo vem fazendo isso na educação, saúde e em outros setores como nas forças Armadas.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics