13 de janeiro de 2016

Sargento Juliana: na FAB e na corrida, a superação

Sargento Juliana descobriu, ao longo dos 30 anos, que força de vontade era o seu combustível para vencer na vida
Superar limites sempre foi a realidade de Juliana Paula de Souza, 30 anos. No povoado de Zé Simão, município de Senhora dos Remédios no interior de Minas Gerais, ela cursou até a quarta série do ensino fundamental. Filha única de um casal de agricultores, enfrentou o desafio de estudar sem apoio. “Minha vontade de mudar o rumo da minha vida era tão grande que fui escondida fazer minha matrícula [na quinta série do ensino fundamental] na cidade”, relembra.
Para que a filha seguisse os estudos, o pai, Cícero, buscou estadia para a menina na casa de desconhecidos em troca de serviços domésticos. A rotina cansativa de limpar uma casa se repetiu mais de cinco vezes com patroas diferentes. “Tinha uma mulher que trancava os potes de biscoitos para eu não tomar café da manhã”, relata. Juliana ia para a escola em jejum.
Com as negativas de outras famílias da cidade, Juliana voltou para a casa dos pais. Mesmo assim, continuou frequentando a escola. Agora, todos os dias caminhava cinco quilômetros para pegar condução e outros cinco para voltar. A rotina foi assim até surgir o convite de uma antiga conhecida da família, que morava na cidade, para morar com ela. O sonho de Juliana de terminar o Ensino Fundamental ainda enfrentaria mais um desafio: ficou distante do convívio dos pais.
A falta de dinheiro também pesava. Ela, então, pediu ajuda a um tio que morava no Rio de Janeiro. Turíbio Patrocínio ajudava a manter financeiramente a sobrinha. Aos 15 anos, Juliana concluiu o Ensino Fundamental e lembra da formatura, que contou com a presença apenas do pai. “Foi um dia muito feliz, meu pai ficou lendo meu diploma”, disse.
Era hora de buscar novas oportunidades. Juliana seguiu para Barbacena (MG), onde moraria na casa de amigos do tio Turíbio. Em 2001, sofreu a perda da mãe e, em meio a tantas lutas, conseguiu concluir o Ensino Médio.
Depois, se mudou para o Rio de Janeiro para morar com o tio. Foi ele quem pagou o curso preparatório para a Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR). “Ele achava melhor eu fazer um curso de manicure ou cabeleireira. Insisti e ele pagou mesmo não acreditando. Passei na minha segunda tentativa”, orgulha-se.
Nasce uma corredora - Na EEAR, em Guaratinguetá (SP), ela foi designada para o Curso Básico em Eletricidade e Instrumentos de Aeronaves (BEI). No último ano, não foi bem em Eletrônica e precisou recuperar a média no teste físico. “Cheguei na frente de quase todo o meu esquadrão”, comemora.
Após a formatura, foi designada para o Esquadrão Harpia (7º/8º GAV), em Manaus (AM), e tornou-se a primeira mulher do Brasil a fazer o curso completo do helicóptero Black Hawk. Mas já guardava o sonho de correr levando o nome da FAB. “Em 2008, conquistei a medalha de prata geral numa competição militar sem nunca ter tido um treinamento profissional”, recorda.
Um sonho realizado
Em 2010, a Sargento Juliana foi transferida pela administração para a Comissão de Desportos da Aeronáutica (CDA), no Rio de Janeiro, graças aos excelentes resultados alcançados. Na época, a FAB conquistava a primeira e única militar de carreira representante da corrida de rua entre os atletas de alto rendimento.
Na primeira maratona disputada, a militar alcançou índice para representar o Brasil no Mundial Militar de Maratona, em Athenas – Grécia. Com a evolução e o acompanhamento profissional, os bons resultados melhoraram ainda mais. Em 2015, ela participou de 14 competições, subiu 12 vezes ao pódio e levou oito medalhas de ouro.
Agora, ela divide a vida com o marido e faz visitas frequentes ao pai no interior de Minas. Seu Cícero, aos 67 anos, conta com a ajuda da filha. “Ela lutou para estudar e a vida aqui é apertada. Tenho muito orgulho de ser pai dela porque ela venceu”, conta emocionado.

Rotina puxada
Diariamente, a militar treina para levar o nome da FAB. “Não posso comer ou beber qualquer coisa, tenho horário para dormir, acordar, treino pela manhã e, às vezes, à tarde e malho toda noite”, destaca.
No ano passado, a sargento foi condecorada com a Medalha Mérito Desportivo Militar, concedida pelo Ministério da Defesa. Em abril de 2016, ela vai receber a Ordem do Mérito Judiciário Militar, destaque oferecido pelo Superior Tribunal Militar (STM).
“Meu sonho é poder ajudar pessoas, que tinham tudo para dar errado e deram tão certo, como eu. Quero poder visitar escolas e comunidades carentes para encontrar novos talentos para corrida de rua”, finaliza.
FAB/montedo.com

11 comentários:

Anônimo disse...

Isso sim é motivação para aumentar minha carga horária de 6 horas para 8 horas de Papiro.
E diminuir de 6 horas de sono para 5.
É dessas histórias que precisamos. Um exemplo de superação a toda a tropa.
Selva! (e voltar ao papiro).

Anônimo disse...

Superar limites infinitamentem até se tornar Deus?

Anônimo disse...

Talvez seja d interesse de alguns:
Retransmitindo...
Cumpre-se o doloroso dever de participar o falecimento do Cap Edgar "Imbatível", ocorrido no dia de hoje (12 JAN 16). Informa-se que o velório será realizado hoje, 12 de janeiro de 2016, das 14:30h às 16:00h, na capela G do Cemitério Sao Francisco Xavier (Av Monsenhor Manoel Gomes, nº 287, Caju, Rio de Janeiro - RJ). Logo após, serão prestadas as honras militares e haverá o sepultamento do corpo.
Desde já, agradecemos, em nome da Família, a todos que puderem comparecer a este ato de fé e solidariedade cristã.

Seção de Comunicação Social da Bda Inf Pqdt

Anônimo disse...

Grande Imbatível! Foi monitor do meu turno no C Bas Pqdt 89/1. Lembro dele na torre nos estimulando ao salto: "Grite, aluno: VOU SALTAR PARA A MORTE!". Perda de um grande brasileiro. VELAME!

Anônimo disse...

Sem entrar no assunto salário digno, que todos os militares merecem ter, muitos jovens estão esperando apenas um "empurrãozinho", um incentivo para conquistarem sua liberdade e realizar um sonho. As dificuldades, as pedras colocadas por alguns, não se significam empecilho quando se tem vontade.Na minha adolescência, um amigo que era vizinho, me convidou para fazermos um cursinho preparatório e realizar o concurso da EEAER. Minha mãe, viúva,ganhando mixaria,fez uma forcinha e pagou.Eu passei no concurso e meu amigo ficou.Dois anos depois ele conseguiu também e hoje já é Capitão.Meu filho se juntou com mais dois amigos e ficavam a madrugada toda estudando na nossa casa.Ele fez o mesmo concurso e passou. Os amigos ficaram mais não desistiram. Se meteram no concurso da Marinha para aprendiz marinheiro, passaram, foram para o nordeste e, durante o período que estavam lá, um passou para a aeronáutica e o outro realizou o sonho dele, passou para o exército, sargento das armas.Os três continuam e, o meu, está terminando faculdade de Direito, pensando em melhores oportunidades. O que a mãe reclama é a distância dele, como filho único, faz muita falta. Mas, dizemos para ele que é melhor ele longe, trabalhando, independente, com carro próprio,mesmo com o soldo defasado, do que ficar pulando de empresas, desempregado, "escravo" de shoppings, ganhando salário mínimo, quando isso acontece.

Anônimo disse...

Conheci na época o "sub imbatível" quando cursava o básico paraquedista, grande figura, que Deus o receba de braços abertos. Velame

Amauri disse...

Parabéns Sargento Juliana. A Sra é o exemplo a ser seguido pelos seus superiores, PARES e subordinados!!!!!

Anônimo disse...

Parabéns sargento Juliana pela história e pelo histórico de vencedora !

Iron disse...

Parabéns Sargento JULIANA! - Mais um exemplo que nesta vida tudo que um ser humano quer ele é capaz de conseguir. Que DEUS sempre a ilumine e que tantos venham seguir este seu exemplo.

Anônimo disse...

São raras situações que mulher nas FFAA são valorizadas esta é uma mulher que tem que ser valorizada pela sua preparação fisica. Pois a maioria reclama de TAF, missões e de serviços.

Maria José Passos disse...

Parabéns menina! Vc é realmente um dos maiores exemplos para a nossa juventude!

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics