25 de janeiro de 2016

Contrato define construção de imóveis residenciais em Cuiabá

Assinatura do Termo de Contrato de Alienação de imóvel em Mato Grosso
Cuiabá (MT) – No dia 19 janeiro, foi realizada uma reunião, na sede da Superintendência do Patrimônio da União, entre o Exército Brasileiro (EB), a Secretaria de Patrimônio da União e a Empresa Groen Engenharia, a fim de discutir a permuta de imóveis.
O EB esteve representado pelo Ten Cel Ribeiro e pelo Ten Cel Eduardo, respectivamente Chefe da Seção de Patrimônio e Chefe da Comissão de Obras do 3º Grupamento de Engenharia. A União foi representada pelo Superintendente do Patrimônio da União de Mato Grosso, Sr Wilmar Schrader; enquanto a Groen Engenharia foi representada pelos senhores Murilo Feliciano Alexandre de Oliveira e Marcus Emmanoel Chaves Vieira.
O objetivo da atividade foi celebrar o Termo de Contrato de Alienação de imóvel da Vila do Porto, em Cuiabá (MT), com permuta pela construção de um bloco de Próprio Nacional Residencial (PNR) para subtenentes e sargentos, com 12 (doze) apartamentos, e um posto médico. As novas edificações serão construídas pela empresa de engenharia em áreas da Vila Perimetral, em Cuiabá. A entrega das obras está prevista para dezembro de 2017.
Os objetos do Termo de Contrato beneficiarão a família militar da Guarnição no que tange à melhoria da qualidade de atendimento de saúde e à redução do deficit de PNR para subtenentes e sargentos.
Noticiário do Exército/montedo.com

5 comentários:

Anônimo disse...

Tão simples...
Dá pra fazer isso em toda guarnição e livrar o militar do sofrimentos do aluguel....
Basta um pouquinho de boa vontade...
Em Teresina o EB tem um terreno ocioso e um empresário da cidade já ofereceu duas torres de AP com o mesmo valor comercial....
Mas lá não se vê está iniciativa...
Assim como em muitos outros lugares...

Mas tá aí o exemplo... Parabéns... Que os outros CMT A se toquem....

Azimute disse...

Relembro os camaradas que isso depende muito da contrapartida e boa vontade da outra parte. Exemplo disso é o estado e a cidade do RJ que, conforme já publicado no Boletim do Exercíto, informou que não honrará com mais de 40 milhões de reais estimados de contrapartida. Agora que a área, em questão, já foi cedida e voltar atrás não é mais possível resta à instituição, como consta do mesmo BE, estudar outra forma de alienação da área. Traduzindo, o Exército será obrigado a doar a área e receber um muito obrigado em retorno. Para celebrar os contratos há fotos e sorrisos, daí até a execução e transformação de uma alienação em PNRs e outros benefícios pra instituição são outros 500. Muita calma nessa hora.

Anônimo disse...

Gostaria de saber porque os militares sempre aparecem em fotos mostrando as canjicas?

Anônimo disse...

Que essa permuta seja feita rápida e dentro do período do político que está assinando. Em Belém, foi realizado algo parecido com a FAB, e quando virou o jogo político, até hoje tem uns blocos de apartamentos, classe média, de primeira, semi-prontos, com obras paralisadas.E a fila dos que precisam aumenta a cada dia.

Anônimo disse...

Isso chama-se burrice. Só se deve passar o domínio da área quando o dinheiro pingar. Esse papo de prefeitura construir em troca já por diversas vezes deu problema, por inadimplência da obrigação pelo ente municipal/ estadual. Talvez o EB deva criar um site de "lições aprendidas" também para a Administração Militar.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics