26 de janeiro de 2016

Fato!


Mulher de Militar/montedo.com

6 comentários:

Anônimo disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk verdade.

Anônimo disse...

Militar come de tudo, os ranchos das OMs cada vez é pior.
Carne de monstro e suco de cor são faabulas historicas das FFAA.
Como um velho juruna dizia, tudo pela patria, coloca a bandeira em cima e poem para dentro...
So com baixos salarios é possivel aturar e comer a comida.

Anônimo disse...

muito criativo, me lembrei do meu tempo de 3º sgt, na verdade o militar não come carne de monstro todo o dia, mas o dia que tem, ele come pq é o que tem no momento e ponto final e assim o exército prepara o homem para o combate e um cidadão para a vida.

Anônimo disse...

Essa é verdadeira. E tem militar que repete o bandeijão. Quando cheguei na escola militar, usava uma peça móvel com uns dentes postiços. Na primeira refeição, uma pedra no feijão derrubou um deles. kkk. Tinha um tal de figado "fabiano", já vinha azul e era borrachudo. Era por isso que armário de laranjeira era cheio de frutas.Você não colocava colheres de arroz, era tabletes, o feijão era petecas de vidro e tinha um peixe que o fedor era sentido a uns dez quilômetros. Sexta feira era um perigo, pois as lavadeiras com suas "belas" filhas, desciam da mantiqueira para entregar as roupas lavadas e tentar um maridão. Hoje não tem mais isso. Mundo moderno. Sobrevivi.rerere.

Amauri disse...

E bebemos suco de Gandola!!! rsrsrsrsrsrsrrsrsrs

Anônimo disse...

É verdade, depois de comer aquela carne de monstro borrachuda, aquele repolho cru vivo (cheio de vermes), aquele delicioso chá brochante de gandola, na escola de formação, quando ainda não existia general no comando, é claro, na nossa querida ESA. Para a minha surpresa, depois de formado eu fui ver que no EB ainda existia comida pior, a da antiga PE de São Paulo, quando o quartel ainda era na Manoel da Nóbrega. A PE se superava, eles conseguiam confeccionar o pior rango das FA, tudo era ruim, lembro que eu ia em SP em missão e quando chegávamos na 2ª DE eles obrigavam o pessoal de fora fazer as refeições no BPE que ficava nos fundos. Até hoje tento entender a técnica que o rancho do BPE tinha para conseguir fazer um arroz em pedaços, um feijão duro, aguado e sem tempero, uma salada que pela aparência, devia sair da horta direto para o prato, sem nenhum tipo de higiene, eles conseguiam deixar mais monstruosa a carne de monstro, parecia que a mesma era cozida no óleo diesel e para finalizar o pior chá brochante de toda a força. Parabéns a equipe do Aprovisionamento do antigo 2º BPE, vocês superam qualquer cozinheira de primeira viagem. Para meu azar quando fui fazer o CAS, mas nesse caso foi uma exceção, tive como comandante na EASA um Coronel de Engenharia, digo isso pq tanto o anterior qto o posterior a esse "Chefe Militar" eram de Cavalaria e com eles o bom e velho churrasco predominava, foi uma questão de má sorte mesmo, pois em um CAS achávamos que já haveria um rancho um pouco mais elaborado para o aluno que seria aperfeiçoado e tivemos que encarar de novo uma gororoba brava, batata doce fedorenta todos os dias, a famosa carne de monstro, já em uma versão mais atual e de novo o famoso chá de gandola brochante. Vida que segue.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics