27 de junho de 2016

Fundo de Saúde do Exército: suspensão de convênio deixa três mil sem atendimento no RS

Atualização 14h: o atendimento será mantido até o dia 29 (quarta-feira).
Cruz Alta (RS) - A Unimed Planalto Central suspendeu unilateralmente o convênio com o Fundo de Saúde do Exército. Desde a última sexta-feira (24), as consultas com especialistas e exames laboratoriais não estão mais sendo autorizados para os militares, seus dependentes e pensionistas. A dívida do EB com a Unimed ultrapassa R$ 600 mil. O número de usuários do FuSEx na cidade gaúcha é de aproximadamente 3.000 pessoas.

Hospital
O hospital Santa Lúcia, único que mantém convênio com o FuSEx, continua realizando internações. Entretanto, os honorários médicos devem ser pagos pelos usuários diretamente aos profissionais. A mesma regra vale para as cirurgias. O débito com o hospital, que é particular, supera R$ 1 milhão. O outro hospital da cidade, o São Vicente de Paulo, é filantrópico, mas não atende pelo plano de saúde dos militares.

Convênio
Há convênios cujos aditivos estão em vigor e expiram na próxima quarta-feira (29), o que garantiria o atendimento normal, segundo fonte do Posto Médico da Guarnição.

Solução?
Uma reunião entre o comando da guarnição e os dirigentes das instituições de saúde locais está agendado para esta segunda-feira, na busca de uma solução para o impasse.

Crise 
Casos como o de Cruz Alta estão ocorrendo em diversas guarnições do Brasil, e a causa é uma só: os brutais cortes de gastos no orçamento das Forças Armadas. A insegurança aumenta entre os usuários do FuSEx, composta em boa parte por militares inativos e pensionistas em idade avançada, que receiam ter de enfrentar grandes distâncias para buscar atendimento, ou submeter-se ao atendimento do SUS.

23 comentários:

Anônimo disse...

Sempre é assim, uma vergonha o EB !!! Dando calote no meio civil, paga sua conta e toma vergonha na cara ...


Cap/2010

Anônimo disse...

Isso é uma vergonha. Com tantos profissionais merecedores de promoção e até o momento não conseguem reunir habilidades básicas necessárias ao bom andamento de um fundo de saúde. Vamos ajudar que nos ajudas DAPROM.

Anônimo disse...

Como um plano de saúde com zero de inadiplencia, que cobra 20% do valor pago nas clinicas, e 100% de todo material descartavel esta devendo????
O tal do caixa unico q FHC implantou e para onde vai o dinheiro do Fusex, esta garfando o dinheiro dos associados com apoio dos "toridades" q só sabem bla bla bla.
Vergonha e descaso total.

Anônimo disse...

O plano de saúde das FFAA, não faz parte do orçamento da união, ele é custeado pelos seus "sócios" compulsórios, culpar orçamento é uma falácia, a verdade é q o dinheiro descontado, mensalmente, vai para o caixa unico da união desde o FHC,
Nunca vi uma prestação de contas sobre a arrecadação MAS PEQUENA NÃO É, calculem 3,5% da folha bruta de pagamento e teremos uma noção.
Lembrem, tb, q com grande bondade, os bla bla bla, enxertaram os func. civis, no plano de saude dos militares.
Isso faz parte da grande preocupação/medo dos militares.
Enxovalhar é preciso, valorizar/moralizar/normalizar, só faz parte dos discursos vazios para boi dormir.

João Luiz disse...

A verdade é uma só: o GOVERNO FEDERAL desvia descaradamente o dinheiro que é descontado OBRIGATORIAMENTE do nosso contracheque, para cobrir outros rombos e o Alto Comando simplesmente se omite. Aqui no interior de SP na região de Campinas estamos quase num estado de "calamidade pública". e a 2ª RM para variar, ainda complica mais ainda as coisas com normas ridículas. Existem usuários que tem que rodas mais de 100 KM só para pegar uma guia e nas cidades vizinhas, praticamente não existem convênios. Tenho vergonha da omissão do Comando.

Anônimo disse...

E o pior de tudo é que o desconto para o fusex é obrigatório, não existe opção.

Anônimo disse...

Na Gu de Uruguaiana-RS já faz mais de um ano que não há atendimento terceirizado, portanto não há especialistas em nenhuma área, e quando pede-se ressarcimento apenas cedem para casos de urgência.

Anônimo disse...

E ainda existem aqueles que não gostam que venham aqui no blog e façam reclamação.

Faz 6 anos que não consigo usar o FUSEx. Existe guarnição que o FUSEx é fachada, não existe convênio algum e um médico militar na guarnição, e lembro que não fornecem passagem para outra guarnição. Imagine agora.

Peça uma passagem e veja o que acontece...

DECRETO Nº 4.307, DE 18 DE JULHO DE 2002 (reestruturação da remuneração dos militares das Forças Armadas)

Art. 28. O militar da ativa terá direito apenas ao transporte pessoal, quando tiver de efetuar deslocamento fora da sede de sua OM, nos seguintes casos:

IV - baixa à organização hospitalar ou alta desta, em virtude de prescrição médica competente ou realização de inspeção de saúde;

V - consulta ou exame de saúde por recomendação médica; e
§ 2o O disposto nos incisos IV e V deste artigo aplica-se aos dependentes do militar.

§ 3o Caso seja necessário acompanhante para o militar da ativa ou seu dependente, por baixa ou alta de organização hospitalar, em razão de prescrição médica competente, este terá, também, direito ao transporte pessoal por conta da União.

Gustavo Coimbra Borges - 1º Sgt disse...

Aqui em São Gabriel-RS, há mais de ano que não existe gineco, pediatra, otorrino, enfim, conseguiram quebrar com um plano de saúde que era razoavelmente bom... e a cobrança no contracheque não acaba nunca... pra onde vai o dinheiro... o último que sair apague a luz...

Anônimo disse...

Em Rio Grande RS já faz mais de um ano que praticamente não há atendimento médico. A Unimed não renovou o convênio e não existem especialistas conveniados. Estamos a própria sorte a mais de um ano, rezando para não precisar de assistência médica. Vergonha.

jonecy leite disse...

Não acredito, e o dinheiro que arrecadam mensalmente? vai pagar mordomias de oficiais? esse meu Exército está uma vergonhao que nos ajuda é o salário familia que recebemos por dependenttes R$0,64(sessenta e quatro centavos) não da nem para pagar a taxa de remessa do contra cheque qé é R$7,72.

Anônimo disse...

Para onde vai o tutu? Consulte as tomadas de contas especiais nas OMS, principalmente HCE...#ficaadica

Anônimo disse...

O FUSEx não é um plano de saúde. Como o próprio nome diz, o FUSEx é um fundo contábil formado pela contribuição dos militares para o custeio da assistência médico-hospitalar da categoria. Na verdade o FUSEx é um fundo dentro de outro fundo já que, até onde sei, seus recursos são administrados pelo Fundo do Exército criado pela Lei nº 4.617, de 15 de abril de 1965. Como todo fundo, o orçamento do FUSEx deve compor a Lei Orçamentária Anual (art. 165, § 5º, I, CF) e os seu recursos podem ser contingenciados para o cumprimento da meta fiscal, conforme dispõe a LC nº 101, de 4 de maio de 2000.

Anônimo disse...

O FUSEx da Baixada Santista em SP na região de Santos-SP, esta falido tambem, deve a hospitais e clinicas. Existe uma divida com a Santa Casa de Santos a anos e não tem nem previsão de pagamento. Enquanto issos usuarios ficam tendo de ir ao HMASP e a clinicas que aceitam as dificuldades. Alem do mais lá tem um PMGu que somente tem uma medica de carreira no PMGu na guarnição, que nunca esta-lá e alguns aspiras que são recem formados sem especialidade.

Anônimo disse...

Pra começo de conversa FUSEx não é um plano de saúde mas sim fundo de saúde. A UNIMED toda vez que vai renovar exige valores bem acima da tabela e como todos digo "todos" os médicos de Cruz Alta são da UNIMED imaginem como se negocia. O Santa Lúcia desde que fechou o HGUCA nunca lucrou tanto com o FUSEx vai lá perguntar se eles querem acabar com o convênio. O civil tá no FUSEx porque quer pra eles não é obrigatório e pergunta se vale a pena ou não. E por fim para se pagar uma conta de hospital verifica-se toda a conta e no final dá uma boa diferença que o FUSEx deixa de pagar e paga o valor real, alguém já ouviu falar em LISURA de contas médicas?

Anônimo disse...

O Fudex é zero de inadimplência, cobra 20% do valor do usuário e o material descartavel, não paga salário p/ os profissionais de saúde, nem aluguel das dependências, água, luz, manuteção, etc. Sem contar que os militares só ingressam no EB com saúde, alguns como eu pagam e nem usam.

Anônimo disse...

Lembro aos comentaristas que os militares temporarios tambem pagam o Fusex, ficam ate 8 anos, não são reembolsados dos valores quando saem, raros o utilizam, e este lucro vai para onde?
li, acima: Como todo fundo, o orçamento do FUSEx deve compor a Lei Orçamentária Anual (art. 165, § 5º, I, CF) e os seu recursos podem ser contingenciados para o cumprimento da meta fiscal, conforme dispõe a LC nº 101, de 4 de maio de 2000.

27 de junho de 2016 19:20

E de acordo com o exposto foi mais uma "bondade" do governo do periodo.

Que nome se dá ao ficar com os recursos alheios?
O que seria para uso dos "associados compulsorios" passou a ser propriedade de governos?
Concluam como quiserem, me falta estomago e paciencia para mais comentarios.
O respeito, que já era pouco, acabou.

Anônimo disse...

Companheiros façam como eu. Gravem o dialogo com o médico ou secretário (a) que informou o cancelamento. Ficamos 3 meses esperando uma consulta e quando levei minha esposa a secretária informou o cancelamento. Lógico solicite autorização para gravar. Procure o MPF e MPM. Ingresse via judicial. Direito a saúde é constitucional. Outro fato relevante foi o que publicaram na última sexta-feira, onde a DAPROM informa que o militar que foi ultrapassado passa ser de outra turma. Por exemplo sou ST CFS 87 e a turma de 91 saiu QAO, ou seja dizem que sou da turma de 91. Isto é ilegal. Mais uma ação judicial. "Toda ação tem uma reação". O papel aceita tudo mas a Justiça não.

Anônimo disse...

Galera temos ex-militares que hoje são advogados de alto nível. Com eles é pau. Os caras são bons. Não adianta colocar o EB (União) na Justiça, tem que colocar os Chefes. Pedir Dano Moral deles. Quando eles sentirem no bolso vão se preocupar. Um colega colocou o Comandante na Justiça e vai levar uma bolada grande. Temos Direito a Dano Moral. Estamos em 2016 o tempo do RQUERO JÁ FOI. Velame 82!

Anônimo disse...

o militar paga durante um "século", sem precisar, mas quando vem a necessidade, só encontra os "destroços" e dificuldades para ser atendido. Pode até explicar, mas não como justificar a má administração.

Anônimo disse...

Anônimo 28 de junho de 2016 12:12, ST CFS 87, Temos que ver é que a promoção por merecimento é direcionada para os militares que trabalharam em prol de si próprio. Ou seja, só fez o que lhe garantia vantagens particulares. Não vejo indício de custo benefício para a força, em quase a totalidade desse merecedores, pois a produção, trabalho , serviço, foi direcionado a sua individualidade pessoal. Agora a força, todos nós, devemos amargar a eficiência dos merecedores. Não concorda? Façamos um teste: Coloque o profissional eficiente e merecedor na salc, contratos fusex, ou chefe almoxarifado, ou setor de pagamento.... A desculpa são sempre as mesmas: nunca trabalhei nesse setor. Creio que com isso justifico a minha tese, produção zero, benefício dez. As o observador.

Anônimo disse...

Aí, ST 87 me desculpa, mas um 87 reclamar que foi ultrapassado por um 91... Velhino, na boa, põe a violinha no saco e vai pra casa. Teu tempo já passou!
Ass: 91

Anônimo disse...

28 de junho de 2016 13:20 (rsrsrsrs) Se você fosse bom observador, aplicaria o que aprendeu... mimimi

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics