29 de junho de 2016

Morte da onça Juma: deputado 'pede a cabeça' do comandante do CIGS

Deputado pede a demissão de responsável por onça morta após passagem da tocha olímpica
Em meio à comoção com a morte da onça Juma, executada na última segunda-feira após a passagem da tocha olímpica por Manaus (AM), o deputado federal Ricardo Tripoli (PSDB-SP) pediu ao ministro da Defesa, Raul Jungmann, a demissão do comandante responsável pelo felino. O ofício foi protocolado na tarde desta quarta-feira.
No documento, o deputado, que é Coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, pede o imediato afastado do comandante do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), Alcimar Marques de Araújo Martins. Tripoli solicitou ainda a promulgação de normativa que proíba a exibição de animais silvestres em eventos de quaisquer natureza.
O revezamento da tocha olímpica passou por diversos locais de Manaus, entre eles o centro responsável por qualificar militares a atuarem em regiões inóspitas da Amazônia. Lá, Juma foi exibida ao público acorrentada. Após o evento, o animal tentou fugir e acabou abatido.
Em nota, o Exército afirmou que tentou, sem sucesso, conter a onça com tranquilizantes, e que, mesmo sedada, ela tentou atacar um militar. “Como procedimento de segurança, visando proteger a sua integridade física e da sua equipe, o próprio militar realizou um disparo de pistola para contê-la”, afirmou a instituição.
O Comitê Rio-2016 admitiu o erro. “Erramos ao permitir que a tocha Olímpica, símbolo da paz e da união entre os povos, fosse exibida ao lado de um animal selvagem acorrentado. Essa cena contraria nossas crenças e valores. Estamos muito tristes com o desfecho que se deu após a passagem da tocha. Garantimos que não veremos mais situações assim nos Jogos Rio 2016″, disse, também por meio de nota.
No ofício encaminhado a Jungmann, o coordenador da frente ambientalista também condenou o uso do animal na cerimônia. “A exposição da onça Juma, em evento de cunho olímpico e de visibilidade internacional, acorrentada e acuada, por si só já representou um afronta aos preceitos éticos, à vida e à biodiversidade. O trágico desfecho terminou por demonstrar o quão distantes estão as autoridades ambientais de seu escopo maior”, disse Tripoli. (Edição: Montedo.com)
Veja/montedo.com

9 comentários:

Anônimo disse...

ahhh, vamos parar de show!!!

Já tá chata essa historia da JUMA PRA LÁ E PRA CÁ;

Anônimo disse...

Tanta gente morrendo, tanto descaso com saúde e segurança, vão pedir a "cabeça" do comandante por causa da morte da onça? Se ela tivesse matado um militar? Podemos, então, pedir as cabeças dos deputados pelas falcatruas que eles fazem de conta que não viram, não sabem e pelos dias que não comparecem para trabalhar? A culpa da morte da onça é a OlimPIADA que o Lula pagou para vir para cá. Essa "lamparina" ambulante que o povo não para de inventar bizarrices para querer aparecer. Esses deputados deveriam se precaver para que os atletas não morram de infecção generalizadas ao nadarem na baía de Guanabara e passarem pelas linhas de trânsito do Rio.

Anônimo disse...

Vamos levantar o passado desse deputadozinho e jogar no ventilador...

Anônimo disse...

Montedo a DProm lançou o caderno do subtenente no QAM! Kkkkk Esclarecer "dúvidas"

Anônimo disse...

Tem que acabar as vaidades e o circo armado nessas formaturas para massagear egos de oficiais. A começar pelo uso de animais silvestres e passando pelo gasto desnecessário com formaturas e solenidades inúteis que tem finalidade zero. Trabalho na adm, e ano passado no Cmdo de Área em que sirvo, foram gastos quase 1 milhão de reais do dinheiro da nação com duas formaturas de 2 h cada uma (diárias, representações, combustível, alimentação, hospedagem para militares de diversas guarnições) treinamento e formatura de fato, de passagem de comando. Enquanto isso, a nação em colapso e não há comida nos quartéis. Belos administradores nossos comandantes.

Anônimo disse...

Bem feito. Querem agradar sempre, querem fazer espetáculo para políticos. Querem utilizar a instituição para fazer seu nome e futuramente agarrar-se a uma boquinha. Então toma, segura que é tua Taffarel.
Aprendam a dizer não para a mídia e para políticos. Vejam onde a subserviência de décadas nos levou.

Anônimo disse...

Acharam um "bode expiatório" para denegrir os militares.

Anônimo disse...

Fui militar numa época em que se dizia que militar não se envolvia com política. Hoje em dia, está tudo misturado e, por consequência, uma bagunça só. Trouxeram a pouca vergonha dos políticos para dentro dos quartéis. Quem mandou dar confiança?!

Anônimo disse...

O comandante é responsável por tudo o que acontece ou não acontece na sua OM. Explica a morte da onça e seja homem de não responsabilizar a equipe encarregada do resgate

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics