10 de junho de 2016

Lava jato: almirante preso ganha força-tarefa da PF para chamar de sua

PARTE DA LAVA JATO
MPF VAI CRIAR FORÇA-TAREFA PARA INVESTIGAR CORRUPÇÃO NA ELETRONUCLEAR
CASO FOI DESMEMBRADO DA LAVA JATO, DAÍ A NOVA FORÇA-TAREFA
O Conselho Superior do Ministério Público Federal aprovou em reunião na última terça-feira, 7, a criação de uma força-tarefa no Rio de Janeiro para investigar supostos crimes de corrupção, desvio de verbas e fraudes em licitações e contratos na Eletronuclear, estatal subsidiária da Eletrobras. O caso é um desmembramento da Operação Lava Jato.
A decisão foi tomada após parecer favorável da Câmara de Combate à Corrupção do MPF. De acordo com a Procuradoria-geral da República, a força-tarefa será composta pelo procurador da República Lauro Coelho Júnior, que já atua no caso, além do procurador regional da República José Augusto Vagos e pelo procurador da República Eduardo El-Hage. Inicialmente, o grupo atuará durante três meses.
Leia mais sobre a Eletronuclear e a prisão do almirante Othon
Os casos desmembrados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e enviados à Justiça Federal do Rio de Janeiro não contam com a mesma estrutura da força tarefa de Curitiba e, por isso, andam a passos lentos. A decisão de agora deve amenizar esse problema.
A 16ª fase da Lava Jato, chamada de Radiotividade, identificou possíveis irregularidades em contratos para a construção da usina nuclear Angra 3. A investigação sobre a Eletronuclear foi enviada ao Rio de Janeiro por decisão do ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF.
Isso ocorreu porque o ministro não viu relação entre os crimes cometidos na Eletronuclear e na Petrobras. A ação começou a andar em novembro do ano passado, na 7ª Vara Federal Criminal do Rio.
O vice-almirante da Marinha Othon Luiz Pinheiro da Silva, ex-presidente da Eletronuclear, foi preso durante a operação e hoje está em prisão domiciliar. O executivo é suspeito de ter recebido R$ 4,5 milhões em propinas em contratos firmados entre a estatal e as empreiteiras Engevix e Andrade Gutierrez, entre os anos de 2009 e 2014.
DIÁRIO do PODER/montedo.com

4 comentários:

Anônimo disse...

Cadeia nele.

Um péssimo exemplo para todos aqueles que foram seus subordinados e certamente ouviram dele lições, ladainhas, etc ...

Anônimo disse...

E ainda o elemento queria a presença de um grandão da marinha para ser preso. Agora o corrupto vai pagar pelos crimes cometidos.

Anônimo disse...

Quando começarem a fuçar a compra dos caças, espero que tudo esteja certinho.Mas, como era Lula e depois Dilma, dá para ficar apreensivo.

Anônimo disse...

UNICO??????????????????????

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics