5 de outubro de 2015

Os inúteis



David Coimbra
Quando Renato Janine Ribeiro foi escolhido ministro da Educação, escrevi uma coluna elogiando-o. Pelo que sabia, tratava-se de homem bem-intencionado, principalmente no principal, que é o ensino básico.
Isso, essa coluna, faz menos de seis meses que a escrevi. Agora Janine Ribeiro está sendo substituído por Mercadante, e me sinto um otário por ter consumido tempo e tinta com tamanha nulidade, que é um posto de ministro no Brasil.
Seis meses.
Estão debochando de nós.
Essa reforma ministerial deixa claro que o único cargo de ministro que tem alguma importância é o da Fazenda. Seu ocupante, hoje, manda não apenas na presidente aflita para se manter no emprego, mas também no messias venerado do PT, o Pai Lula. Todos os outros ministérios passariam muito bem sem ministros. Funcionariam melhor, inclusive. Os ministros tão somente atrapalham os funcionários de carreira, sobretudo se têm ideias acerca do seu ministério.
Um ministro com ideias é perigoso. Vamos pegar um dos preferidos do governo: Aldo Rebelo. Ele já foi ministro das Relações Institucionais, seja lá o que for isso, da Ciência e Tecnologia, dos Esportes e, agora, está na Defesa.
Se você tiver mais de 40 anos, vai se lembrar de um personagem de Hanna-Barbera, o Multi-Homem, do grupo de heróis Os Impossíveis. É o Aldo Rebelo. Só que ele é do grupo de heróis Os Supérfluos.
Aldo Rebelo, por seus múltiplos interesses, é o nosso Leonardo da Vinci. Suas ideias também são do tempo de Leonardo. Aldo Rebelo concebeu um projeto para proibir o setor público de adquirir “tecnologia poupadora de mão de obra”. Coisas como… computador. A intenção era ótima, de dar emprego para as pessoas. Que bonzinho. Para isso, ele obrigaria o Estado a ser obsoleto. Milhares de funcionários prescindíveis passariam o dia escrevendo em máquinas de datilografia, usando mata-borrão e se deslocando em carruagens.
Outro de seus projetos tentou proibir estrangeirismos na língua portuguesa. O YouTube, por exemplo, deveria ser chamado de “Tutubo”.
Durante a Copa, Aldo Rebelo era ministro dos Esportes. Ele foi entrevistado no Sala de Redação. Perguntei sobre o despautério de o país ter 12 sedes, em vez de oito ou 10, de construir estádios em lugares em que o futebol não tem público, como Natal, Brasília, Manaus e Cuiabá, e de um desses estádios, o de Brasília, ter custado quase US$ 1 bilhão. Ele respondeu que o Flamengo havia lotado o estádio de Brasília, provando que lá existe futebol, e que a Alemanha também teve 12 sedes. Rebati:
– Mas, ministro, foi o Flamengo que lotou o estádio, não o Brasiliense! E o senhor está comparando o Brasil com a Alemanha?
Ele ficou brabo, e o Pedro Ernesto tocou o programa em frente, no que fez muito bem.
Aldo Rebelo, naturalmente, é do PC do B, o partido apoiador do democrático regime da Coreia do Norte.
A nossa sorte é que, em geral, os ministros não têm tantas ideias como Aldo Rebelo, nem sentem interesse algum por seus ministérios. Eles só estão pensando na sinecura para a qual foram nomeados e em nomear seus apadrinhados para outras sinecuras, e assim formar uma rede de apaniguados que os manterá empregados por longo tempo.
Outra boa notícia é que a presidente da República e seu chefe, Levy, também não se interessam pelo trabalho dos ministros. Eles só querem que os ministros carreiem votos no Congresso para impedir o impeachment e, se der, aprovar seus projetos.
Ufa.
O único novo ministro que teve ideias, pelo que percebi, foi aquele da Saúde: a ideia do homem é dobrar um imposto. Viram que perigo?
Temos de pedir em uníssono:
“Por favor, ministros queridos, façam a coisa direito: não façam nada”.
ClicRBS/montedo.com

9 comentários:

Anônimo disse...

Lembrem-se que a,então, candidata Dilma, em debate na TV disse que as escolhas seriam por mérito técnico. Só esqueceram que ela é exemplo de não ter esse mérito e como suas idéias são "claras", então, não surpreende. Nesse governo todo mundo manda e ninguém obedece.

keko marques disse...

Merecemos o que temos pt saudações

Anônimo disse...

Abaixo assinado do Clube Militar:

http://www.sociedademilitar.com.br/wp/2015/10/listinhas-e-abaixo-assinados-unica-esperanca-dos-militares-para-dias-melhores.html

Anônimo disse...

Senhores este é o camarada certo para mandar nas FFAA.
Aqui tudo e formatura, dia da farda, aniversário do Cmt, visita de pseudo autoridades (amigos de algum oficial).
Tá cheio de chefe que dá ordem e não sabe nem o que esta falando. Ser superior no EB significa que sabe tudo, medicina, mecânica, informática, Administração e por ai vai. Não pergunta nada a ninguém vai logo dando a ordem.
O EB e medieval a autoridade decide qualquer coisa,não adianta argumentar, afinal estará censurando ato de superior, tudo previsto no RDE. Conversou tá errado, a não ser para concordar com o chefe.
Tô cansado de ver chefe dizer que não vai cumprir a lei, que lei e para civil, para militar são as Portarias do EB.
Não caiam na besteira de fazer sindicância e enquadrar em Lei. O tempo vai fechar, enquadramento bom estão nas Portarias.
Na atualidade alguns nem escrevem documentos, deixa alguém escrever depois começa a por defeito e mudar virgulas de lugar, mas esquece de olhar a ficha do pracinha que possui mestrado em língua portuguesa. Sei de um Tenente que na total inocência levou uma gramatica para mostrar que estava certo, o tempo fechou o Cmt disse que sabia tudo e o Pasquale estava errado.
Sei que vários companheiros já vivenciaram este tipo de cena.
Então o Sr Aldo esta vindo para o lugar certo.

Anônimo disse...

Perfeita exposição; a mais lucida que visualizei nas ultimas decadas; parabéns companheiro pelas lucides; senm tudo esta perdido; pelo menos não perdemos a capacidade de pesnar de forma coerente ao atual cénario social.
Assino embaixo seu brilhante comentario; realistico, verdadeiro e contextualizado:
Senhores este é o camarada certo para mandar nas FFAA.
Aqui tudo e formatura, dia da farda, aniversário do Cmt, visita de pseudo autoridades (amigos de algum oficial).
Tá cheio de chefe que dá ordem e não sabe nem o que esta falando. Ser superior no EB significa que sabe tudo, medicina, mecânica, informática, Administração e por ai vai. Não pergunta nada a ninguém vai logo dando a ordem.
O EB e medieval a autoridade decide qualquer coisa,não adianta argumentar, afinal estará censurando ato de superior, tudo previsto no RDE. Conversou tá errado, a não ser para concordar com o chefe.
Tô cansado de ver chefe dizer que não vai cumprir a lei, que lei e para civil, para militar são as Portarias do EB.
Não caiam na besteira de fazer sindicância e enquadrar em Lei. O tempo vai fechar, enquadramento bom estão nas Portarias.
Na atualidade alguns nem escrevem documentos, deixa alguém escrever depois começa a por defeito e mudar virgulas de lugar, mas esquece de olhar a ficha do pracinha que possui mestrado em língua portuguesa. Sei de um Tenente que na total inocência levou uma gramatica para mostrar que estava certo, o tempo fechou o Cmt disse que sabia tudo e o Pasquale estava errado.
Sei que vários companheiros já vivenciaram este tipo de cena.
Então o Sr Aldo esta vindo para o lugar certo.

Anônimo disse...

O Comentarista de 5 de outubro de 2015 17:40, vez um relato de forma resumida do que ocorre de Norte a Sul e de Leste a Oeste, em se tratando do Exército Brasileiro, ou seja, o único militar certo é o que fala Sim Senhor ou o Senhor esta certo.

Anônimo disse...

Anônimo5 de outubro de 2015 22:36
Parabéns pelo comentário! Colocações perfeitas e corretas! Disse tudo de forma resumida e coerente com o que acontece no EB.

Anônimo disse...

Perfeito o artigo e também tive diversas experiências dos sabe tudo relatados no comentário de17:40.

Anônimo disse...

Realmente no Exército acontecem coisas que seriam cômicas, se não fossem trágicas.
Em um quartel lá do topo da colina, em Brasília, um 1º Sgt nível superior em Letras (Português) após muito argumentar, sem sucesso, com seu chefe de que uma palavra no documento estava errada, resolveu usar um dicionário como MAI. Mas seu irredutível chefe decretou:
- Esta palavra se escreve assim só no SEU dicionário!
Caso encerrado.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics