14 de abril de 2017

Conselho de Segurança da ONU decide encerrar missão de paz no Haiti

Por unanimidade, órgão aprova fim da Minustah e determina retirada gradual de capacetes azuis nos próximos seis meses. Resolução reconhece progresso significativo acerca da estabilização após recentes eleições no país.O Conselho de Segurança das Nações Unidas decidiu nesta quinta-feira (13/04), por unanimidade, encerrar a sua missão de paz no Haiti após 13 anos de operação. A chamada Minustah, chefiada militarmente pelo Brasil, terá fim em outubro e será substituída por uma força unicamente policial.
A resolução, aprovada pelos quinze membros do órgão, determina a retirada gradual dos 2.370 capacetes azuis ao longo dos próximos seis meses, além de reduzir a presença policial de 2.600 para 1.275, que permanecerão no país com a missão de treinar as forças haitianas.
Os países do Conselho de Segurança da ONU já haviam manifestado, durante um debate na terça-feira, seu apoio ao fim da Minustah, recomendado pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.
Sandra Honoré, chefe da Minustah, afirmou aos membros do órgão de segurança durante a discussão no início da semana que "as perspectivas políticas do Haiti para 2017 e os próximos anos melhoraram significativamente" desde as eleições presidenciais e legislativas do ano passado.
A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, destacou que o atual contexto político no Haiti, graças ao recente pleito, prova que o país está pronto para uma missão nova e menor. Washington está revisando as 16 operações de paz das Nações Unidas para avaliar custos e eficácia.
A resolução aprovada nesta quarta-feira reconhece "o marco significativo em direção à estabilização" do Haiti, alcançada pela realização bem-sucedida de eleições no ano passado e pelo retorno da "ordem constitucional" ao país.
O texto destaca, no entanto, a necessidade de um apoio internacional para fortalecer, profissionalizar e reformar a força haitiana, bem como auxiliar o país a promover o desenvolvimento e enfrentar os "desafios humanitários significativos" após o furacão Matthew, ocorrido em outubro de 2016.
A Missão da ONU para Estabilização do Haiti foi criada em 2004 a fim de restabelecer a paz no país do Caribe após a deposição do presidente Jean-Bertrand Aristide.
Ao longo dos anos, a Minustah, que tem maior parte do efetivo vinda do Brasil, chegou a se envolver em graves polêmicas, incluindo acusações de abuso sexual infantil por parte de capacetes brancos do Sri Lanka então alojados no país. Tropas da ONU também foram responsabilizadas pelo surto de cólera que afetou o Haiti nos últimos anos, deixando, desde 2010, mais de 9.500 mortos.
EK/ap/lusa/efe/rtr/dpa
TERRA/montedo.com

18 comentários:

Anônimo disse...

Lamentavelmente, o povo do Haiti, com ou sem capacetes azuis continuará na miséria. Quem conhece ou se informou a respeito da cultura haitiana, sabe o porquê. Na outra metade da ilha, na República Dominicana, a realidade já é diferente.

Anônimo disse...

Vamos ser sinceros, miséria existe em mundo subdesenvolvido e explorado pelos ricos. Não estou falando de catástrofes, que desgraça a vida de muitos repentinamente, principalmente se forem pobres.
Os que dizem se preocupar com o Haiti é devido às perdas da boquinha em missões rentáveis. Lamentável, mas é assim.
Se tiver a desgraça, vai lá, ajuda e volta. Agora, o que está ocorrendo são ganhos em nome da exploração da desgraça e da miséria do povo haitiano.

Anônimo disse...

Vai ter muito militar se lamentando com o término dessa missão no Haiti. Principalmente quem vivia em função dela e já foi 2,3,4,5,6 vezes. Para esses, que se acostumaram a ir sempre, o padrão de vida vai cair. Não há e nunca houve um critério para escolher efetivamente dentro do quesito merecimento quem vai para esta missão. O critério da maioria chama-se PEIXADA!!!!Tem gente que vai refutar este fato, mas para quem é militar não há dúvidas que essa é e sempre foi a regra do jogo. Muita gente ruim foi por conhecer as pessoas certas. Trágico!!!

Anônimo disse...

Já era tempo, não resolveram nada por lá mesmo. Essa missão era para mandar peixe de general endividado que queriam tentar sair do buraco, foi o que eu mais vi lá. Sem contar que esses não queriam trabalhar e ainda davam muito trabalho para os comandantes em todas as esferas. Acabou o caça níquel.

Anônimo disse...

Agora que estou habilitando o francês...

Anônimo disse...

A boquinha é consequência dá dedicação de cada um,
Mas é inegável a contribuição com o povo haitiano.
Tu estás de recalque porque nunca teve padrão e nem coragem moral para ir lá e fazer algo. Né.

Mimimi

Anônimo disse...

E nós estaremos lá para fechar com chave de ouro está nobre missão engrandecendo cada vez mais o nome de nosso exército tão respeitado pela ONU.

Tanto que já nos liberou a próxima missão de Paz!!!!

MINUSTAH!!!!

BRASIL!!!

2° Sgt 2002

Unknown disse...

Prove o que você fala... Ralei muito para ir combatente.

Anônimo disse...

Estive lá em 2008 e voltei em 2012 e pude ver o quanto o país melhorou sim principalmente na segurança que foi proporcionada pelo os capacetes azuis.
Hoje é notório o quanto o país melhorou em sua própria economia.. empresas que reabriram suas portas devido a estabilidade e a normalidade que o país voltou.. concordo com o CS de retirar as tropas do HAITI mas o trabalho graças principalmente aos nossos militares foi bem feito e são merecedores sim de ser bem remunerados. .

Pracinha da Reserva disse...

acabou a boquinha, na verdade todos sabem que não resolveu nada, a miséria continua, o pessoal só ia pra la pra ganhar dólares e melhorar por seis meses o salário miserável q os praças recebem, nada mais que isso, inclusive, muitos que viviam de DM, milagrosamente se curavam, quando retornavam adoeciam novamente. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Onde vai ser a próxima missão então?

Anônimo disse...

O Anonimo de 14 de abril de 2017 11:59 disse tudo, acabou a boquinha, principalmente para os QE motoristas de generais, esse vão ter que se virar a partir de agora, acabou a mamata de ir 2,3,4,5 vezes. Os endividados e peixes piram com essa noticia e um besta ainda disse para o companheiro provar, será que precisa? é tão descarado, muitos já perderam a vergonha, até pq isso é sabido por todos. O problema é que no EB atual o que predomina é a hipocrisia, em todos os escalões, pq todos, inclusive o recruta que não é mais aquele militar ingênuo de 20 anos atrás, que possuem senso critico apurado, sabem que a coisa é feita errada, mas todos negam com a mão na bíblia que é feita da forma certa, somos uma extensão desse governo corrupto que está ai, bando de hipócritas. Essa missão no Haiti de nada serviu para o povo haitiano. É a população passando fome do lado de fora das bases e dentro delas fartura, banquetes a base de churrascos, comida e bebida de primeira e de concreto nada. Digo isso pq estive lá e vi que a grande maioria estava preocupada mesmo com dinheiro, arejamento na Republica Dominicana e com os gastos em Miami. Abaixo a hipocrisia.

Anônimo disse...

é isso aí! Tomara que em breve criem uma missão na Síria! E levem os mais experientes do Haiti...

Anônimo disse...

kkk! Ralei é boa! Pode ser que às próximas missões o comando do exército faça e proporcione oportunidade para que mais militares possam cumprir missão no exterior. É inadmissível que o mesmo militar va inúmeras vezes enquanto outros não tenham oportunidade.
Tem como fazer. Segue o mesmo padrão de movimentações e cursos.
Quanto mais militares com experiência no exterior; melhor e mais preparado estará o EB!
Acorda Cmt do EB

Anônimo disse...

Se fosse de graça eu iria! E Vc? Foi pensando em caridade ou nos dólares?
Contra outra.

Anônimo disse...

Dedicação de cada um? De alguns sim e de outros não!
MiMimi é achar que somos cegos em ver que muitos foram com TAF I; barrigudos; que passavam Acochambrando e na hora das missões passavam a ser operacionais. Como disse nem todos; mas não venha salvaguardar inúmeros casos de peixadas; babadas e covardia de dor de barriga no Haiti para fugir das missões. Principalmente oficiais.
Desde Angola até agora!

Anônimo disse...

Fala sério.O cara dizer que ralou para ir para o Haiti.Esse papo só cola com civil, milico não engole esse embuste.Peixada sim e pronto!!!

Anônimo disse...

Inúmeras vezes observo comentários sensatos, mas o comentário do colega de 15 abril 13:25 foi pontual. Concordo plenamente, em todos os sentidos, ainda bem que acabou está missão rolha que não deu resultado algum, apenas uma maneira de beneficiar os " peixadas ".Chega desta palhaçada, o Haiti é aqui no Brasil, volta pracinha para mundo real.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics